Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 21 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
economia

Dólar fecha em alta de quase 2% e se aproxima de R$ 2,30

5 Nov 2013 - 17h44Por G1

O dólar fechou em alta acentuada nesta terça-feira (5), com investidores preocupados com a piora no cenário fiscal brasileiro e cautelosos antes da divulgação de importantes dados econômicos nos Estados Unidos, que podem trazer sinais mais claros sobre os próximos passos da política monetária do país.

A moeda terminou o dia vendida a R$ 2,2893, com alta de 1,98%.

"Os motivos da alta do dólar são as notícias sobre o déficit (primário) no país e a preocupação com a decisão do Fed (sobre a redução dos estímulos)", resumiu o gerente de câmbio da Pioneer Corretora, João Medeiros.

Os investidores estão temerosos com a situação fiscal brasileira depois da divulgação, na quinta-feira, que o setor público brasileiro registrou o pior resultado primário para meses de setembro, praticamente enterrando a possibilidade de a meta ajustada, de 2,3% do Produto Interno Bruto (PIB), ser atingida neste ano.

A disparada do dólar no mercado brasileiro ocorria mesmo com a atuação diária do BC que, na manhã desta terça, realizou mais um leilão de swap cambial tradicional, com a venda de 8,1 mil contratos com vencimento em 1º de abril de 2014 e 1,9 mil contratos com vencimento 2 de junho de 2014. Os volumes financeiros equivalentes das operações foram de US$ 403 e US$ 94,2 milhões, respectivamente.

Alguns especialistas levantavam a hipótese de intervenções extras da autoridade monetária para conter o avanço da moeda norte-americana. De acordo com analistas da H.Commcor, as especulações no mercado de câmbio giravam em torno de uma possível rolagem antecipada dos swaps com vencimento no dia 2 de dezembro, que somam o equivalente a US$ 10,11 bilhões.

À espera do Fed
Temores de que o Federal Reserve, banco central dos EUA, reduza seu programa de estímulos ainda este ano também ajudaram a elevar a moeda norte-americana, deixando os investidores ansiosos pelos próximos indicadores sobre a saúde da maior economia do mundo, sobretudo o relatório de emprego que será divulgado na sexta-feira.

"Neste momento o Fed é o coringa do mercado", afirmou à Reuters o gerente de câmbio da Treviso Corretora, Reginaldo Galhardo. "O mercado está preocupado com os EUA, de olho se vai ocorrer a redução dos estímulos ou não, à espera da divulgação do relatório de emprego na sexta-feira", acrescentou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TÁ COM IPVA ATRASADO???
Proprietários de veículos com IPVA em atraso podem parcelar dívida em até dez vezes
MS FORTE
Com pesquisa, Brasil vai ocupar espaço na produção mundial, diz Reinaldo
FÁTIMA DO SUL - CONTA DE ENERGIA
Em Fátima do Sul, população já se movimenta contra Energisa, valores passam de 50% de aumento
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
ABERRAÇÃO
Filhas solteiras de senadores ganham 33 mil reais. "Isso vai acabar", diz Bolsonaro
AUMENTO NA CONTA
Com recorde no gasto de energia em dezembro, conta de luz surpreende consumidores
ITAPORÃ
Agência Municipal de Emprego tem vagas disponíveis para esta segunda-feira 21
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
CANADÁ Á VISTA
Canadá busca um milhão de pessoas que queiram se mudar para trabalhar no País
100 FOLIA
Virou moda? Depois de Bonito e Jardim, Terenos também cancela carnaval