Menu
SADER_FULL
domingo, 24 de junho de 2018
PASSARELA
Busca
DR. SHAPE
Negócios e finanças

Clássico: Fábrica de bolinha de gude sobrevive e fatura R$ 90 mil por mês

10 Out 2014 - 15h18Por Uol

Em uma época em que a atenção das crianças é dividida entre tablets e smartphones, ainda há quem aposte em bolinhas de gude e piões como negócio. É o caso da fábrica Embalado, em Guarulhos (região metropolitana de São Paulo), que vende cerca de 4,5 milhões de esferas de vidro por mês, ao preço de R$ 0,02 cada, e fatura R$ 90 mil.

O dono da fábrica, Antônio Carlos Rielo, 70, produz bolinhas de gude há 40 anos. O produto é feito de restos de vidro, que ele compra de indústrias. Os cacos são derretidos em um forno a 1.300ºC e as gotas do material incandescente caem em um cano que vibra e dá forma esférica ao vidro.

Depois de prontas, as bolinhas precisam ser resfriadas durante 24 horas em temperatura ambiente. Em um único dia a empresa chega a derreter três toneladas de vidro para produzir 400 mil bolinhas de gude, segundo Rielo. Seus principais clientes são bazares, docerias e lojas de armarinhos.

Na zona leste de São Paulo, a Costero tem capacidade para produzir mais de 1 milhão de bolinhas de gude em um dia, segundo a sócia do negócio Carmen Valdeti, 60. De acordo com ela, a empresa vende cerca de 10 milhões de bolinhas de gude ao mês.

Uma embalagem com 300 bolinhas lisas (de cor única) custa R$ 3,50, enquanto 150 bolinhas carambolas (com três cores dentro) saem por R$ 5,40. O faturamento não foi informado. 

Pião ainda é popular em regiões carentes

Outra brincadeira de antigamente que resiste no mercado é o pião de madeira. Nelson Signorelli Júnior, 32, e o pai produzem piões há 16 anos no bairro de Itaquera (zona leste de São Paulo). As vendas são feitas por atacado em embalagens de 12 a 300 unidades. Cada um custa R$ 0,75 com cordão (também chamado de fieira).

Por mês, a empresa vende cerca de 20 mil brinquedos, principalmente para Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Rio Grande do Sul e lojas da rua 25 de Março, na capital paulista. "Ainda há muitas regiões carentes onde o pião é bastante popular porque as crianças não têm condições de comprar brinquedos eletrônicos", afirma. O faturamento não foi informado. 

Negócios já foram mais lucrativos

As três empresas relatam que já viveram dias melhores. Signorelli Júnior afirma que, no início do negócio, vendia o dobro de piões. "É muito difícil competir com os aparelhos eletrônicos. Tenho um filho de 7 anos que passa boa parte do dia jogando no computador e no celular."

Rielo, por sua vez, diz que já teve 22 funcionários. Hoje, a fábrica funciona com 15. "Já tentei mudar a embalagem, reduzir a quantidade de bolinhas, mas nada surtiu efeito", declara.

Diante da dificuldade, as bolinhas de gude ganharam novo fôlego em outros nichos. Além das brincadeiras infantis, o produto é usado em artigos de decoração, artesanato e no interior de latas de spray de tinta. 

Segundo Valdeti, 40% da produção da Costero vai para a indústria de tintas; 30% vão para lojas, que revendem para o consumidor final; e os 30% restantes são usados na decoração. "Se dependêssemos apenas da venda para crianças, a empresa já teria fechado", diz.

Mercado tem poucas oportunidades, diz consultor

O cenário é pouco animador para quem pretende investir em brincadeiras de antigamente, como bolinhas de gude e pião, segundo o consultor do Sebrae-SP (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo), Marcelo Sinelli.

Para o consultor, a competição com os eletrônicos é muito difícil e o processo de urbanização das cidades também dificulta a venda desses artigos para crianças. "Não há mais tantas áreas descampadas ou terrenos baldios para se jogar bolinha de gude e pião como havia antigamente", diz.

Uma alternativa, de acordo com ele, é investir em novos nichos de mercado. "O empresário pode mudar o público e vender o produto para o adulto que costumava brincar na infância ou mesmo para empresas que utilizem a mercadoria em alguma etapa de seu processo produtivo, como é o caso das latas de spray e da decoração", diz.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GOVENO NÃO CUMPRE
Caminhoneiros anunciam nova paralisação, mas trabalhadores de MS não devem participar
INVESTIMENTOS DO GOVERNO MS
Novas centrais de comercialização da agricultura familiar são destaque no MS no Campo
UNIPAR - EAD - DOURADOS - CONVÊNIO ABEVÊ
Unipar EAD fecha convênio com Grupo Abevê garantem até 25% de desconto nas mensalidades em Dourados
AÇÕES DO GOVENO DO MS
MS gerou 1.503 empregos a mais entre janeiro a maio de 2018 em relação ao mesmo período de 2017
VICENTINA - FABRICA DE BOLAS KAGIVA
Prefeito de Campo Grande recebe o empresário Darnes Kagiva de Vicentina
FÁTIMA DO SUL - LF CALÇADOS
Inspirações com looks com tênis para usar já! dicas da LF Calçados em Fátima do Sul
DEMORA
Diesel cai R$ 0,62 em distribuidoras e apenas R$ 0,32 nos postos de MS
FATIMA DO SUL - FESTA MANIA
Aula Show Selecta com Chef Pãtissier Douglas será nesta sexta em Fátima do Sul
INVESTIMENTOS DO GOVERNO MS
Izauri e Reinaldo assinam contrato de R$ 22 Milhões
INVESTIMENTOS DO GOVERNO MS
Ação do Governo MS resulta em cobertores que serão doados a famílias carentes de Anaurilandia