Menu
SADER_FULL
quinta, 24 de maio de 2018
RIO_DOURADOS
Busca
DR. SHAPE
CONTAS APROVADAS

Tribunal aprova por unanimidade contas do segundo ano de governo de Azambuja

Conselheiros analisaram o parecer e votaram pela aprovação das contas do governo

31 Mai 2017 - 16h26Por CAMPO GRANDE NEWS

O TCE/MS (Tribunal de Contas do Estado), aprovou nesta quarta-feira (31), as contas do governo do Estado, referentes ao exercício financeiro de 2016, segundo ano de mandato do governador Reinaldo Azambuja (PSDB). A crise financeira nacional, segundo os conselheiros, também ficou evidenciada nos balanços apresentados pela gestão.

Com parecer favorável do Ministério Público de Contas e da conselheira Marisa Serrano, relatora da matéria na Côrte de Contas, outros três conselheiros – Iran Coelho das Neves, Ronaldo Chadid e Osmar Jeronymo -, o relatório voto agora será encaminhado para a Assembleia Legislativa.

De acordo com o balanço financeiro, a Lei Orçamentária Anual de 2015 previa receitas de R$ 13,9 bilhões em 2016. Contudo, os cofres estaduais viram só R$ 11,7 bilhões entrarem. “A queda mais expressiva foi na arrecadação do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), notadamente pela mudança na política de gás do Governo Federal, que deixou de comprar da Bolívia, o que gerava arrecadação para Mato Grosso do Sul”, contextualiza a conselheira.

Dados apresentados pelas inspetorias do TCE dão conta de que o imposto perfez 36,88% das receitas do tesouro naquele ano, R$ 4,2 bilhões, que se projetava em R$ 6,5 bilhões. “Deixamos de arrecadar R$ 700 milhões a título de ICMS com a suspensão do bombeamento do gás boliviano”, informou Marisa.

Durante apresentação de seu parecer, a relatora apresentou ainda oito ressalvas e recomendações ao governo do Estado, mas que “não configuraram empecilhos para eventual rejeição nas contas do governo”. “Essas divergências podem estar relacionadas a questões metodológicas”, assegurou Marisa.

O Tribunal de Contas avalia especialmente o ordenamento de despesas frente às receitas do governo estadual, considerando aplicação de mínimos constitucionais e aplicação de recursos de fundos e repasses federais, como o Fundeb (Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica), por exemplo, que tem regimento próprio.

Conselheira Marisa Serrano relatou o processo referente às contas do governo de 2016 (Foto: Lucas Junot)Conselheira Marisa Serrano relatou o processo referente às contas do governo de 2016 (Foto: Lucas Junot)

Ressalvas – Entre as oito ressalvas apresentadas no relatório, o governo do Estado deixou de aplicar o mínimo constitucional referente ao Fundect (Fundo de Apoio ao Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia), que deveria ter sido de 0,5% (como preconiza a lei), mas ficou em 0,37% em 2016.

“Essa é uma falha recorrente desde 2011, que sucessivos governos cometeram sem se atentar que nenhum estado, cidade e país pode se desenvolver sem fomentar a tecnologia”, advertiu a conselheira.

Em 2016, a gestão estadual também deixou de apresentar os passivos atuariais previdenciários e financeiros do governo. Em 2016 foi realizado recadastramento dos servidores estaduais, mas as pendências previdenciárias dos servidores ativos, aposentados e pensionistas não foi apresentado discriminadamente.

“Sabemos que em 2016 o déficit previdenciário no Estado ficou em R$ 1,3 bilhão. Foram R$ 1 bilhão arrecadado, frente a uma despesa de R$ 2,3 bilhões. Alertamos ainda que, em 10 anos esse número pode bater a marca de R$ 1,4 bilhão”, alerta o conselheiro José Ricardo Pereira Cabral.

Na educação, Marisa Serrano destacou que metas estabelecidas pelo Plano Nacional de Educação, como a nota do Ideb (índice de Desenvolvimento da Educação Básica) e plano de carreira para os profissionais do magistério não foram alcançados, muito embora os percentuais investidos na área tenham superado o mínimo constitucional.

“Vale destacar que a educação é a pasta consumiu a segunda maior parcela do orçamento em 2016. Enquanto a Constituição estabelece que, no mínimo, 6,52% das receitas provenientes de impostos sejam investidos em educação, o governo investiu 16,89%, R$ 2.70 bilhões”, argumentou a conselheira.

Outra questão passível de ressalva e recomendação do TCE ao governo do Estado, foi de que apenas 49% dos recursos investidos em saúde em Mato Grosso do Sul foram aplicados a partir de fundos. “Por meio de fundos se tem uma efetiva garantia que as políticas públicas atinjam seus objetivos, uma vez que os fundos são administrados pelo próprio setor”, justificou a recomendação.

O último item destacado foi o repasse acima do mínimo constitucional para a Defensoria Pública de Mato Grosso do Sul, 1,5%. De acordo com o relatório voto, foram repassados R$ 6.3 milhões em 2016, R$ 1 milhão a mais do que o duodécimo constitucional.

Correções – Marisa Serrano esclareceu que as divergências não comprometem a prestação de constas e apresentação do balanço financeiro do exercício de 2016.

“Tudo encontra-se na norma contábil e legal, conforme as normas de administração pública. As poucas questões apontadas tem como objetivo justamente evitar que os mesmos erros sejam cometidos na próxima apresentação. Vamos pedir que o presidente Waldir Neves indique o próximo relator e que cada conselheiro responsável pelos setores citados acompanhem as modificações”, finalizou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PROJETO BARBOSINHA
Festa do pé de soja solteiro de Laguna Carapã pode entrar para Calendário Cultural oficial do Estado
AÇÕES DO DEPUTADO ONEVAN
Idealizado e inaugurado por Onevan, deputado participa de atividades da Guarda Mirim de Naviraí
VICENTINA E JATEÍ EM BRASÍLIA
Em Brasília, Prefeitos de Vicentina e Jateí e mais 59 prefeitos anunciam apoio à reeleição de Moka
GOVERNO DO ESTADO DO MS
Governo de Reinaldo Azambuja executa maior programa habitacional de MS, com 20 mil casas
CONQUISTA ESTÁ VINDO
Governo federal pode 'zerar' tributos de combustíveis após protestos de caminhoneiros
PROTESTO DOS CAMINHONEIROS
Protesto de caminhoneiros contra preço do diesel tem bloqueios em 10 cidades de MS
AÇÕES DO GOVENO DO MS
Governo do MS assina mais R$ 1,2 milhão em contratos de novos investimentos em asfalto
AÇÕES DO DEPUTADO ONEVAN
Onevan acompanha Reinaldo em entrega de obras e agradece atendimento de pleitos aos municípios
MAIS UM ACIDENTE FATAL
Colisão entre caminhonete e carreta mata gerente de fazenda na MS-306
EDITAIS CONCURSOS PM E BOMBEIROS
Governo publica editais para 36 especialistas e profissionais da saúde no concurso da PM e Bombeiros