Menu
SADER_FULL
terça, 19 de junho de 2018
PASSARELA
Busca
ITALÍNEA
prefeituras e câmaras

Para advogado, controle interno deve ser exercido em cooperação com o Tribunal de Contas

22 Mai 2017 - 18h48Por FÁTIMA NEWS / REDAÇÃO

Defensor da implantação de controladorias nas prefeituras e câmaras municipais, o advogado João Paulo Lacerda, especialista em Direito Administrativo e professor, diz que as controladorias dos municípios devem manter uma relação de cooperação com o Tribunal de Contas e não de hierarquia.

Lacerda comenta que em razão do comando expresso no artigo 31 da Constituição Federal, a fiscalização do município deve ser exercida pela Câmara Municipal com auxílio do Tribunal de Contas, e pelos sistemas de controle interno.    

Isso significa, segundo o especialista, que a Câmara Municipal com auxílio do Tribunal de Contas exerce o denominado controle externo, sendo que cada ente deverá implantar o órgão de controle interno para também exercer a fiscalização do município.

O advogado diz que em razão disso, é necessária uma cooperação entre os controles externos e internos.

A colaboração, na visão de João Paulo, traz benefícios para ambos os controles, uma vez que o controle interno poderá fornecer ao Tribunal de Contas informações sobre a administração para melhor conhecimento da realidade e dos órgãos a serem fiscalizados, com otimização de tempo e de trabalho. Além disso, como o controle interno exerce um trabalho preventivo à efetivação dos atos da administração, acaba sendo evitada a atuação cautelar e repressiva do Tribunal.

"A nossa Constituição também estabelece que os responsáveis pelo controle interno ao tomar conhecimento de irregularidades e ilegalidades na administração deverão dar ciência ao Tribunal de Contas sob pena de responsabilidade solidária", explica o professor.

O especialista também defende que um controle interno efetivo poderia  colaborar  na redução de muitas demandas que hoje chegam ao Tribunal de Contas, como pedido de suspensão de processos licitatórios por meras irregularidades ou até mesmo denúncias que poderiam ser solucionadas pelo próprio controle interno.

João Paulo alega que não deve haver hierarquia entre o Tribunal de Contas e os órgãos de controle interno, mas sim  uma cooperação para que esses órgãos possam exercer as funções de fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial, quanto à legalidade, legitimidade e economicidade dos órgãos da administração pública e, sobretudo, contribuir para que os órgãos atendam os interesses da coletividade.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CASO DE POLICIA CONTRA PREFEITO
'Inteligência da polícia trabalha para elucidar atentado contra prefeito', garante governador
AÇÕES DO GOVENO DO MS
Onevan congratula Reinaldo por enviar Caravana da Saúde Indígena ao Sul de MS
DO GABINETE DO DEPUTADO
Vereadores de Alcinópolis apresentam reivindicações a Onevan de Matos
AÇÕES EDUARDO ROCHA
Em inauguração da nova maternidade do HNSA de TL, Eduardo Rocha enfatiza importância da instituição
CARAAPÓ - ACIDENTE COM VÍTIMA
Homem morre em acidente que teria provocado com caminhão em Caarapó
PREFEITO DE CIDADE DO MS
Prefeito de cidade do MS sofre atentado a tiros na fronteira com Paraguai
CORUMBÁ - REDUÇÃO DO ICMS
Redução do ICMS por Reinaldo Azambuja pode frear custo do transporte coletivo em Corumbá
AÇÕES DO GOVENO DO MS
Com R$ 45 milhões em investimentos, Reinaldo Azambuja realiza agenda em sete municípios em três dias
Ponta Porã
Carro recheado de droga é apreendido na BR-463
Três Lagoas
Criança de 4 anos aparece com ferimentos no órgão genital; abusador pode ser um familiar