Menu
PASSARELA
sábado, 26 de maio de 2018
SADER_FULL
Busca
DR. SHAPE
sem cortes

Governo diz que não haverá corte no abono do funcionalismo e quer prorrogar benefício até 2018

Governo diz que não haverá corte no abono do funcionalismo

21 Abr 2017 - 09h53Por TOP MÍDIA NEWS

O Governo do Estado anunciou, na tarde desta quinta-feira (20), que não haverá corte no abono salarial concedido aos servidores estaduais na última negociação salarial. 

Conforme o projeto de lei 4.868/16, o abono de R$ 200 tinha validade até 31 de março deste ano. 

De acordo com a administração estadual, para que o servidor não tenha prejuízo, foi enviado um projeto de lei para a Assembleia Legislativa do Estado para prorrogar o abono até 2018. 

Porém, uma possível incorporação ou manutenção do valor aos salários do funcionalismo será definida nas negociações que serão realizadas na ocasião da data-base, que é em maio. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

AÇÕES DO GOVENO DO MS
Governo do Estada leva mais de R$ 11 milhões de obras para três municípios de MS
Dourados
Indígenas iniciam manifesto em rodovia entre Dourados e Itaporã em apoio aos caminhoneiros
AGORA - DECISÃO DO PRESIDENTE
#AGORA: Temer aciona Exército 'forças federais' para desbloquear estradas
CAMINHONEIROS MANTÉM BLOQUEIOS
Mesmo após acordo, caminhoneiros se mobilizam pelo 5º dia em vários estados
GREVE DOS CAMINHONEIROS
'Governo Federal está jogando para os estados problema da greve dos caminhoneiros', diz Reinaldo
AÇÕES DEPUTADO EDUARDO ROCHA
Eduardo Rocha apresenta Moção de Congratulação à promotor de Justiça de Três Lagoas
GOVERNO INVESTINDO EM ASFALTO
Governo assina contrato de R$ 4,4 milhões para pavimentação de ruas de Jardim
PROJETO BARBOSINHA
Festa do pé de soja solteiro de Laguna Carapã pode entrar para Calendário Cultural oficial do Estado
AÇÕES DO DEPUTADO ONEVAN
Idealizado e inaugurado por Onevan, deputado participa de atividades da Guarda Mirim de Naviraí
VICENTINA E JATEÍ EM BRASÍLIA
Em Brasília, Prefeitos de Vicentina e Jateí e mais 59 prefeitos anunciam apoio à reeleição de Moka