Menu
SADER_FULL
segunda, 21 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Cidades

Empregados acusam atacadista de sonegar pagamento de horas extras

A empresa é acusada também de não manter relógio de ponto e nem livro de ponto dos 90 funcionários da empresa na Avenida Coronel Antonino

3 Out 2013 - 15h58Por Assessoria

O Sindicato dos Empregados no Comércio de Campo Grande - SECCG acusa a empresa Max Atacadista, da Avenida Coronel Antonino, de lesar direitos de seus empregados principalmente com relação às horas extras trabalhadas pelos seus 90 funcionários. A empresa resiste em colocar um relógio de ponto ou um livro de ponto para o controle do trabalho de seu quadro de pessoal.

Os diretores sindicais Apolônio Aires Marques, Elvídio Barbosa e Rubia Santana estiveram algumas vezes na empresa procurando orientar a direção da empresa para cumprir com a legislação trabalhista no tocante ao controle de entrada e saída dos funcionários. A empresa resiste e não atende às reivindicações da entidade de classe, denunciam os diretores.

Rubia Santana afirmou que como esgotou a tentativa de negociação direta com a empresa, o sindicato vai levar o caso para a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Mato Grosso do Sul. “Vamos levar a denúncia para o órgão do Ministério do Trabalho e Emprego no Estado, para que as devidas providências sejam tomadas”, afirmou a sindicalista.

A direção do SECCG informou também que entrou em contato, pessoalmente inclusive, com o gerente da Max Atacadista, Jurandir Nascimento, que responsabilizou técnicos da IBM que estariam protelando para fazer a instalação do relógio de ponto dos funcionários na empresa. A lei, segundo ela, obriga qualquer empresa com mais de 10 funcionários a manter o cartão de ponto ou caderno de ponto.  

Enquanto isso, os funcionários denunciam que a cada início de mês, seus salários não vêm com as horas extras trabalhadas ao longo do mês. O pior é que, segundo Rubia Santana, a empresa não tem sob rígido controle as horas extras efetuadas por cada funcionário. “Fazem cinco meses que a empresa está nessa lenga lenga e não resolve o problema. Foi por isso que os funcionários nos trouxeram o problema agora. Queremos que o Ministério do Trabalho e Emprego resolva o problema de vez”, afirmou. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

EM CIDADE DO MS
Ford Fiesta colide em motociclista, foge sem prestar socorro, mas deixa para-choque com placa
EM CIDADE DO MS
Em MS, Estudante de medicina morre após jogar partida de futebol
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
FÁTIMA DO SUL E CAARAPÓ - POLÍCIA CIVIL
Ação conjunta da PC de Fátima do Sul e Caarapó prendem em flagrante filho que extorquia própria mãe
JARDIM - MS - CARNAVAL CANCELADO
Assim como Bonito, Prefeitura de Jardim também prefere usar dinheiro do Carnaval para outros fins
IVINHEMA - FATALIDADE
Homem morre durante Missa na Matriz em Ivinhema
MINISTRA CONFIRMA PRESENÇA
Ministra Tereza Cristina participa do Showtec 2019 que acontece em Maracaju
CAMPO BELO RESORT - VEJA OS PACOTES
Campo Belo, o Resort mais incrível do interior de SP vai entrar no clima do Queen!, Confira aqui
VEJA SE SEU CELULAR É PIRATA
Saiba como consultar se seu aparelho é pirata - 1,4 mil celulares piratas serão bloqueados em MS