Menu
SADER_FULL
segunda, 22 de outubro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Cidades

Empregados acusam atacadista de sonegar pagamento de horas extras

A empresa é acusada também de não manter relógio de ponto e nem livro de ponto dos 90 funcionários da empresa na Avenida Coronel Antonino

3 Out 2013 - 15h58Por Assessoria

O Sindicato dos Empregados no Comércio de Campo Grande - SECCG acusa a empresa Max Atacadista, da Avenida Coronel Antonino, de lesar direitos de seus empregados principalmente com relação às horas extras trabalhadas pelos seus 90 funcionários. A empresa resiste em colocar um relógio de ponto ou um livro de ponto para o controle do trabalho de seu quadro de pessoal.

Os diretores sindicais Apolônio Aires Marques, Elvídio Barbosa e Rubia Santana estiveram algumas vezes na empresa procurando orientar a direção da empresa para cumprir com a legislação trabalhista no tocante ao controle de entrada e saída dos funcionários. A empresa resiste e não atende às reivindicações da entidade de classe, denunciam os diretores.

Rubia Santana afirmou que como esgotou a tentativa de negociação direta com a empresa, o sindicato vai levar o caso para a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Mato Grosso do Sul. “Vamos levar a denúncia para o órgão do Ministério do Trabalho e Emprego no Estado, para que as devidas providências sejam tomadas”, afirmou a sindicalista.

A direção do SECCG informou também que entrou em contato, pessoalmente inclusive, com o gerente da Max Atacadista, Jurandir Nascimento, que responsabilizou técnicos da IBM que estariam protelando para fazer a instalação do relógio de ponto dos funcionários na empresa. A lei, segundo ela, obriga qualquer empresa com mais de 10 funcionários a manter o cartão de ponto ou caderno de ponto.  

Enquanto isso, os funcionários denunciam que a cada início de mês, seus salários não vêm com as horas extras trabalhadas ao longo do mês. O pior é que, segundo Rubia Santana, a empresa não tem sob rígido controle as horas extras efetuadas por cada funcionário. “Fazem cinco meses que a empresa está nessa lenga lenga e não resolve o problema. Foi por isso que os funcionários nos trouxeram o problema agora. Queremos que o Ministério do Trabalho e Emprego resolva o problema de vez”, afirmou. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA NAS ESTRADAS
Caminhonete invade pista e mata casal em motocicleta, casal é de Ivinhema
ASSASSINATO EM CIDADE DO MS
Homem é assassinado a tiros dentro de casa em assentamento no MS
DEBATE COM CANDIDATOS AO GOVERNO DO MS
Debate Midiamax: Confira as emissoras de rádio que vão transmitir o confronto 2º turno nesta segunda
ARTIGO - LÚCIO BAH
ARTIGO - 'Mais coletividade menos individualismo', por Luciano Gazola
IBOPE NO MS - PESQUISA
IBOPE em Mato Grosso do Sul, votos válidos: Azambuja, 53%; Odilon, 47%
DOURADOS - VÍDEO - MEDO
Cobras são encontradas dentro de córrego no Parque Rego D'Água, em Dourados, ASSISTA VÍDEO
MARACAJU - ACIDENTE FATAL
Douradense e filho morrem em acidente na BR-267 próximo Maracaju
MELHOR SALÁRIO É DO MS
Fetems confirma: Reinaldo paga o melhor salário de professor do Brasil
ESTRAGOS DAS CHUVAS EM MS
Mais uma cidade de MS decreta situação de emergência devido aos estragos provocados por chuva
SORTEIOS SICREDI
Sicredi Centro-Sul MS realiza 3º sorteio da promoção e sortudos levaram carro e moto 0Km