Menu
RIO_DOURADOS
quarta, 23 de maio de 2018
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Retrato do Brasil

Centenas de pessoas formam fila atrás de emprego em Naviraí

30 Ago 2017 - 14h46Por Sul News

Cerca de 800 pessoas formaram fila de cerca de 250 metros, ontem, para entregar curriculum e passar pela entrevista de seleção para a contratação para o trabalho em uma loja calçadista que deve incorporar cerca de 20 trabalhadores naviraienses na unidade comercial a ser fixada na avenida Weimar Torres.

Foi uma mostra do desespero das comunidade de Naviraí, carente por empregos, após a perca de mais 5,5 mil postos de trabalho, extintos nos últimos seis anos. Foi o impacto da retirada de ações de proteção ao investimento comercial e industrial, da venda da usina Coopernavi para grupos desinteressados no progresso do município, somado ao desinteresse de gestores de governo municipal que não fizera questão de deixar Naviraí perder indústrias para municípios vizinhos (usinas para Caarapó e Ivinhema, depois de sediar a audiência pública delas) e várias unidades industriais para Itaquiraí, Eldorado e Caarapó.               

Comum agora é ver lojas vazias com vendedores de braços cruzados e com caras desanimadas porque falta dinheiro para circular na cidade, ruas com calçadas vazias no meio da tarde e muita reclamação e várias estabelecimentos fechando duas portas (pelo menos dois nesta semana), contrastando sinais de progresso que não se vê há uma década, onde podia se ver estabelecimentos comerciais movimentados e dinheiro circulante. 

A crise que assola o pais foi grande mas em Naviraí o efeito é maior. Enquanto no restante do Brasil há sinais claros de tímida recuperação da economia, Naviraí ainda acusa o golpe. 

Naviraí ainda  conseguiu ter saldo positivo de nove empregos no mês passado e quem sabe as cerca de 20 contratações sejam um sinal de esperança paliativa para minimizar o impacto de 5,5 mil vagas de emprego perdidas nos últimos anos. Mas em julho, foram 273 admissões, contra 329 demissões em  Naviraí.

Naviraí ainda espera pela prometida retomada do desenvolvimento.

Cerca de 800 pessoas formaram fila de cerca de 250 metros, ontem, para entregar curriculum e passar pela entrevista de seleção para a contratação para o trabalho em uma loja calçadista que deve incorporar cerca de 20 trabalhadores naviraienses na unidade comercial a ser fixada na avenida Weimar Torres.

Foi uma mostra do desespero das comunidade de Naviraí, carente por empregos, após a perca de mais 5,5 mil postos de trabalho, extintos nos últimos seis anos. Foi o impacto da retirada de ações de proteção ao investimento comercial e industrial, da venda da usina Coopernavi para grupos desinteressados no progresso do município, somado ao desinteresse de gestores de governo municipal que não fizera questão de deixar Naviraí perder indústrias para municípios vizinhos (usinas para Caarapó e Ivinhema, depois de sediar a audiência pública delas) e várias unidades industriais para Itaquiraí, Eldorado e Caarapó.               

Comum agora é ver lojas vazias com vendedores de braços cruzados e com caras desanimadas porque falta dinheiro para circular na cidade, ruas com calçadas vazias no meio da tarde e muita reclamação e várias estabelecimentos fechando duas portas (pelo menos dois nesta semana), contrastando sinais de progresso que não se vê há uma década, onde podia se ver estabelecimentos comerciais movimentados e dinheiro circulante. 

A crise que assola o pais foi grande mas em Naviraí o efeito é maior. Enquanto no restante do Brasil há sinais claros de tímida recuperação da economia, Naviraí ainda acusa o golpe. 

Naviraí ainda  conseguiu ter saldo positivo de nove empregos no mês passado e quem sabe as cerca de 20 contratações sejam um sinal de esperança paliativa para minimizar o impacto de 5,5 mil vagas de emprego perdidas nos últimos anos. Mas em julho, foram 273 admissões, contra 329 demissões em  Naviraí.

Naviraí ainda espera pela prometida retomada do desenvolvimento.

Deixe seu Comentário

Leia Também

VICENTINA E JATEÍ EM BRASÍLIA
Em Brasília, Prefeitos de Vicentina e Jateí e mais 59 prefeitos anunciam apoio à reeleição de Moka
GOVERNO DO ESTADO DO MS
Governo de Reinaldo Azambuja executa maior programa habitacional de MS, com 20 mil casas
CONQUISTA ESTÁ VINDO
Governo federal pode 'zerar' tributos de combustíveis após protestos de caminhoneiros
PROTESTO DOS CAMINHONEIROS
Protesto de caminhoneiros contra preço do diesel tem bloqueios em 10 cidades de MS
AÇÕES DO GOVENO DO MS
Governo do MS assina mais R$ 1,2 milhão em contratos de novos investimentos em asfalto
AÇÕES DO DEPUTADO ONEVAN
Onevan acompanha Reinaldo em entrega de obras e agradece atendimento de pleitos aos municípios
MAIS UM ACIDENTE FATAL
Colisão entre caminhonete e carreta mata gerente de fazenda na MS-306
EDITAIS CONCURSOS PM E BOMBEIROS
Governo publica editais para 36 especialistas e profissionais da saúde no concurso da PM e Bombeiros
EM CIDADE DO MS
Professora é agredida com tapa no rosto após chamar atenção de aluno de 10 anos em cidade do MS
GOVERNO DO ESTADO DO MS
Reinaldo Azambuja lançou R$ 134,9 milhões em obras e investimentos em 8 municípios nesta semana