Menu
LIMIT ACADEMIA
sexta, 24 de maio de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Wagner Cordeiro escreve sobre a Copa do Mundo na África do Sul

22 Jun 2010 - 18h34Por Wagner Cordeiro

COPA DO MUNDO FIFA 2010: UMA OPORTUNIDADE PARA REFLETIR SOBRE A ÁFRICA

 

 

Wagner Cordeiro Chagas

 

Pela primeira vez na história, uma Copa do Mundo da Federação Internacional de Futebol (FIFA) é realizada na África, mais precisamente na África do Sul. Sem dúvida, trata-se de uma grande conquista para aquele sofrido continente que por séculos foi vítima de uma dominação imperialista por parte de alguns países europeus.

 

 

A África destaca-se como a terceira maior massa continental da Terra (atrás apenas da Ásia e da América), possui aproximadamente 900 milhões de habitantes, e 53 nações independentes. Em relação a sua população, existem inúmeras sociedades que ainda preservam os costumes dos povos antepassados, do período em que o homem branco nem pensava em explorar tal região, o que torna o continente um dos mais ricos em termos de diversidade cultural.

 

 

No entanto, por outro lado, a maior parte da população africana é considerada a mais pobre do planeta, devido a uma série de fatores, que abarcam desde o processo de colonização pelas metrópoles europeia, nos séculos XIX e XX, às longas guerras de luta por independência e territórios, e o surgimento de governos ditatoriais e corruptos.

 

 

Na fase da história humana conhecida como Expansão Marítimo-Comercial Europeia, entre os séculos XV e XVII, quando Portugal e Espanha, principalmente, em busca de novas rotas comerciais para as Índias, expandiram seus domínios territoriais ao invadirem a América, e em seguida o Brasil, os navegadores portugueses já haviam fundado entrepostos comerciais - famosas feitorias - na costa atlântica africana.

 

 

Mas, naquele contexto, os olhos dos dirigentes do Velho Mundo estavam mais voltados a colonizar e explorar a América ao invés da África, que serviria apenas de exportadora de mão-de-obra escrava para os trabalhos nas colônias americanas.

 

 

Séculos mais tarde, a política de dominação das Américas sofreu um forte abalo quando se iniciou a luta pela emancipação. No século XIX, grande parcela das colônias havia declarado o fim dos laços de dominação com suas metrópoles, entre eles o Brasil, no dia 7de setembro de 1822. Sem ter mais como explorar o povo americano, as nações colonizadoras tinham uma segunda opção para continuar com sua louca ambição capitalista em busca de matéria-prima barata e consumidores para seus produtos industrializados, a África e parte da Ásia.

 

 

A partir do século XIX, países como a Inglaterra, França, Bélgica, Holanda e Alemanha, ocuparam – sem pedir licença – os territórios do continente africano, tendo como argumentos para isso as ideias civilizatórias do homem branco, ou seja, os colonizadores diziam-se superiores aos outros povos devido ao progresso vivido com a Revolução Industrial, e assim viam-se no direito de expandir seus domínios e disseminar para o restante do mundo suas crenças religiosas (cristianismo), e o avanço tecnológico e científico.

 

 

Com a realização da Conferência de Berlim em 1884, iniciou-se o processo de partilha da África entre as potências européias. Com isso, tais países teriam matérias-primas para explorar e mercado consumidor para vender suas mercadorias. Além da exploração econômica, os estados dominadores oprimiram grande parte da sociedade colonizada, além de desconstruiu culturas milenares ali existentes.

 

 

A descolonização africana veio logo após o término da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) por meio das lutas dos movimentos nacionalistas que buscavam a independência política de seus povos. Apesar disto, a liberdade política não representou a emancipação social e econômica. Diversas nações livres viram ascender ao poder governos que administraram sob a influência dos poderosos grupos empresarias que ali instalaram suas filiais, em decorrência da abundância de recursos minerais e mão-de-obra barata, e continuaram a exploração daqueles habitantes.

 

 

A África descolonizada foi também palco de regimes ditatoriais que assassinaram centenas de pessoas, como por exemplo, o caso de Uganda, onde entre 1971 e 1979, o sanguinário ditador Idi Amin Dada impôs uma das mais severas ditaduras militares da história recente.

 

 

Além deste regime, o país sede da Copa foi cenário de uma política racista, que vigorou de 1948 a 1990 e que determinava a segregação entre brancos e a negros, conhecida como Apartheid.

 

 

Outra situação muito comum no continente são as constantes guerras por territórios entre etnias rivais, o que leva milhares de homens, mulheres e crianças a se refugiarem para outros países.

 

 

Apesar de ser devastado pela fome, por conflitos armados, pelas inúmeras epidemias de doenças, como a AIDS e a malária, o continente africano não é composto somente por desgraças. As partidas de futebol nos estádios sul-africanos têm demonstrado um povo feliz (e também barulhento, com suas famosas vuvuzelas). Alegria que muitas vezes permite esquecer os problemas, enquanto a arte do esporte contagia multidões.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Governo dobra vagas de concurso da PF e convocações saem no fim do ano
FEMINICIDIO
Mulher é morta com 75 facadas pelo ex-marido após 25 anos de casamento
NEGLIGÊNCIA FUNCIONAL
'Peguei meu filho e achei que estivesse morto', diz mãe de criança dopada em creche
FÁTIMA DO SUL - O BOTICÁRIO
Confira o que tá na promoção que vai até este sábado no O Boticário em Fátima do Sul
BONITO - MS - DICA AGÊNCIA ECO TOUR
Visite Bonito (MS) na baixa temporada, saiba o porquê!
FÁTIMA DO SUL - TRATAMENTO COACH
De Nova Andradina, Vanessa recupera autoestima com tratamento 'Coach' Célia Tenório de Fátima do Sul
CASA BOCA SUJA
morador instala placas com palavrões nos muros de casa
MACABRO
Mulher é encontrada morta ao lado de uma oferenda
AMOR AO PRÓXIMO
Acidentada e abandonada, idosa é adotada por mulher de 30 anos
TRISTEZA
Morre menina que teve o corpo queimado em tentativa de furto em oleoduto, em Duque de Caxias