Menu
SADER_FULL
sábado, 23 de fevereiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Verdão "vence" turno, mas decepciona e fica no 0 a 0 com Chapecoense

4 Set 2013 - 08h02Por Gazeta Esportiva

Bastava ao Palmeiras não perder da Chapecoense, nesta terça-feira, no Pacaembu, para terminar o primeiro turno da Série B do Brasileiro em primeiro lugar. E fez só isso. Com uma atuação decepcionante, o Verdão não foi além do 0 a 0 e completou seu quarto jogo consecutivo sem vitória. Por isso, saiu vaiado de campo.

Foi o segundo empate seguido dos comandados de Gilson Kleina, que ficaram no 2 a 2 com o Ceará no sábado e, antes, perdeu para o Boa pela segunda divisão nacional e para o Atlético-PR, sendo eliminado da Copa do Brasil. Apesar da queda de produção, a equipe chegou a 42 pontos em 19 partida na Série B, deixando a Chapecoense com 40.

O desempenho diante do vice-líder foi sofrível, a ponto de Juninho e Tiago Alves protagonizarem lance bisonho trombando quando ambos não tinham nem adversário próximo. Só Luis Felipe, com cruzamentos e cobranças de falta, e Fernando Prass, que chegou a fazer milagre, se salvaram nesta noite.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Sem Valdivia, Mendieta teve pouca ajuda de Felipe Menezes e também não fez o suficiente para vencer

O Palmeiras tenta reencontrar a vitória no sábado, em visita ao Atlético-GO, em Goiânia, para jogar às 18h15 (de Brasília). O Chapecoense tentará continuar pressionando o líder fazendo sua parte na sexta-feira, em Santa Catarina, diante do Boa, às 21h50.

O jogo –Diante do Ceará, time distante da zona de acesso, o Palmeiras teve falhas defensivas e ofensivas. Mesmo assim, Gilson Kleina organizou a mesma estrutura tática, com a diferença de que, sem contar com Henrique, Valdivia e Leandro, escalou André Luiz, Felipe Menezes e Ronny. A consequência da aposta foram dois lances de perigo da Chapecoense em menos de quatro minutos.

O time catarinense conhecia seu adversário. Fazia a sua parte marcando intensamente, na maioria das vezes com seus 11 jogadores da intermediária defensiva para trás, e sabia como lidar com a bola quando a tivesse. Tinha consciência da fragilidade de Juninho, do contestável poder de bloqueio de Luis Felipe, da falta de confiança da dupla de zaga e dos espaços deixados por Márcio Araújo. E usufruía bem disso.

Vendo os visitantes tocarem a bola impondo o ritmo que quisesse, de um lado a outro na sua defesa, o Verdão se perdeu completamente. Wesley, que virava primeiro volante para comandar a saída de bola e suprir as subidas tão constantes quanto inexplicáveis de Márcio Araújo, simbolizou a equipe dando um chutão bisonho quando estava completamente sozinho.

Em um raro momento de acerto, Mendieta deixou Juninho na cara do goleiro, na grande área, e o lateral esquerdo, com a perna direita, perdeu gol praticamente feito, aos sete minutos. Um desperdício pela raridade da oportunidade. Na frente, Ronny se mexia o tempo todo, mas era completamente ineficiente e ainda atrapalhava Alan Kardec, ocupando a posição do centroavante, que se sentia obrigado a sair da área.

Mesmo com dois meias, o Palmeiras não tinha criatividade. Mendieta era cercado por marcadores e, quando escapava, errava até passeis fáceis. Felipe Menezes, por sua vez, esteve tão escondido que trocou xingamentos com Wesley quando o volante pediu mais movimentação ao jogador que tinha a obrigação de dar dinâmica ao Verdão.

Aos 19 minutos, porém, o time de Gilson Kleina descobriu que não precisava depender de seus meias e de Juninho, novamente em péssima atuação. De tanto gritar, Luis Felipe foi ouvido. E criou uma série de chances para o Palmeiras, duas em jogadas com Alan Kardec. Animado, o Verdão ainda lamentou por Tiago Alves, que dominou completamente livre na pequena área e errou oportunidade clara, e cabeçada de André Luiz.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Juninho teve sua chance para balançar as redes no Pacaembu, mas não aproveitou

Mas um chute de Ronny, aos 26 minutos do primeiro tempo, encerrou a sequência eficiente do Verdão na partida. A Chapecoense reajustou sua marcação espalhando mais seus jogadores no campo defensivo. Só não teve mais tanto espaço para trabalhar a bola na frente, o que deixou o jogo truncado, com muitas disputas e nenhum perigo.

Na volta do intervalo, Kleina cansou de Ronny e apostou em Vinicius, que não foi titular apenas porque se recuperou recentemente de lesão. Mas era Luis Felipe, ainda, a única esperança de gol dos anfitriões. O lateral direito cruzou uma bola no pé de Alan Kardec, na pequena área, e cobrou falta perigo, tudo antes dos sete minutos do segundo tempo. O técnico da Chapecoense, então, trocou o atacante Tiago Luís da função de perseguir o único perigo palmeirense.

Kleina também se mexeu. Cansou da inutilidade de Felipe Menezes, xingado também por torcedores por não ser capaz nem de puxar um contra-ataque, e impôs velocidade ao time com Serginho. Mas os problemas continuavam na defesa. Cabeçada de Fabiano e Caion, aos 12 e 21 minutos, respectivamente, não viraram gol por sorte e milagre de Fernando Prass.

Arte GE.Net

Serginho, ao menos, deu movimentação que gerou chute de Wesley em cima do goleiro e ainda fez o arqueiro do clube de Chapecó a fazer grande defesa. Até Vinicius apareceu, mas não positivamente. Por driblar demais ou chutar em vez de tocar para colegas em melhor posição, o atacante perdeu grandes chances aos 27 e aos 28.

Foi quando a Chapecoense percebeu que valia a pena, definitivamente, dar um passo para trás em busca de um ponto no Pacaembu. Conseguiu. Com o nervosismo cada vez mais adicionado à péssima atuação, o Palmeiras não teve condições de ir além do 0 a 0. Uma cabeçada de André Luiz na trave, no último minuto, só serviu como última esperança em vão.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico
REFORMA DA PREVIDÊNCIA
Aposentadoria é para viver, não para receber só à beira da morte
CHANTAGEM
Ladrões invadem estabelecimentos, obrigam funcionárias a tirarem a roupa, filmam e extorquem vítimas
FORAGIDO
Atirador invade escritório de advocacia e mata duas pessoas
BBB 19
Rízia chora por estar acorrentada: 'Vontade de desistir'