Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 19 de dezembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Vendas no comércio varejista de MS continuam crescendo

14 Out 2010 - 16h36Por Infinito Comunicação Empresarial
A PMC (Pesquisa Mensal do Comércio) divulgada nesta quinta-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) aponta que as vendas do comércio varejista de Mato Grosso do Sul continuaram crescendo acima da média nacional no mês de agosto. O presidente da Fecomércio MS, Edison de Araújo, explica que a economia de Mato Grosso do Sul passa por processo de crescimento, movimento semelhante ao de outros Estados que apresentaram índices elevados de vendas.

A variação das vendas no comércio de Mato Grosso do Sul no mês de agosto deste ano em relação ao mesmo período de 2009 foi de 13,3% ao passo que em âmbito nacional houve reação de 10,4%. No acumulado de janeiro a agosto deste ano o aumento nas vendas foi de 15% em Mato Grosso do Sul e 11,3% no País.

A estabilidade do emprego, aceleração da industrialização e também a concorrência, a partir da abertura de novas empresas, são fatores que contribuem para o aumento das vendas. O assessor econômico da Fecomercio-MS, Thales de Souza Campos, afirma que o processo se torna sustentado, uma vez que com o consumo maior mais empreendimentos se instalam na cidade, novos empregos são gerados e mais pessoas compram.

“Estamos em um momento muito positivo. Na área comercial temos quatro novos shoppings em instalação, o 26 de agosto, com 550 lojas, o Norte-Sul Plaza, com outras 209 lojas, o Bosque dos Ipês com 140 lojas e o Cidade Morena, com outras 250 lojas”, cita, lembrando que cada empreendimento tem foco em determinada classe social, o que garante mercado a todos. A previsão é que em no máximo dois anos todos estes empreendimentos estejam concluídos, além da ampliação do Shopping Campo Grande, que passa a contar com 180 lojas contra as atuais 154 e da implantação do Shopping Iguatemi.

Em uma avaliação nacional os técnicos do IBGE avaliaram que em comparação a agosto de 2009, as reações mais expressivas foram nos segmentos: hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (7,2%); móveis e eletrodomésticos (16,7%); outros artigos de uso pessoal e doméstico (11,7%); tecidos, vestuário e calçados (12,8%); combustíveis e lubrificantes (8,8%); artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (12,5%); equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (24,7%) e livros, jornais, revistas e papelaria (13,7%).

Deixe seu Comentário

Leia Também

A QUE PONTO CHEGAMOS
Mãe mata o próprio filho após ser flagrada com amante pelo menino
MINÍSTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Tereza Cristina anuncia seis secretários para Ministério
FAMOSIDADES
Silvio Santos se pronuncia sobre polêmica com Claudia Leitte e reage a campanha feminista
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Sóstenes cometeu crime por amor a Luz
ABUSO SEXUAL
João de Deus se entrega para a polícia
ACIDENTE
Criança de dois anos se enforca com a alça da bolsa enquanto brincava em escola
CASO JOÃO DE DEUS
Marina Ruy Barbosa intervém no caso João de Deus e impede uma grande tragédia
PRISÃO DECRETADA
Justiça de Goiás decreta prisão de João de Deus
STARTUPS NO BRASIL JÁ É SUCESSO
O sucesso das startups no Brasil e algumas novas apostas no mercado
REVOLTANTE
Filha de João de Deus diz que foi abusada dos 10 aos 14 anos: 'Meu pai é um monstro'