Menu
SADER_FULL
sexta, 22 de fevereiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Vendas do comércio sobem pelo 3º mês seguido, aponta IBGE

14 Set 2010 - 12h28Por Folha Online

As vendas no comércio no país em julho cresceram 0,4%, na comparação com o mês anterior, com ajuste sazonal, segundo dados divulgados nesta terça-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Com esse resultado, o setor manteve a sequência de três taxas positivas.

Em relação a julho de 2009, houve alta de 10,9%. No acumulado do ano, o avanço foi de 11,4% na comparação com igual intervalo do ano passado. Em 12 meses, o volume de vendas cresceu 9,7%.

Nilo Lopes de Macedo, coordenador de serviços e comércio do IBGE, ressalta que o comércio varejista tem apresentado taxas de crescimento cada vez menores, mas isso não deve resultar, mais à frente, em retração do setor. "Estamos caminhando para terminar o ano com avanço de 9%." Ele destaca ainda que, na comparação anual, os setores apresentam expansão de dois dígitos.

"A variação de um mês para outro reflete decisões de compra que, às vezes, não tem a ver com política econômica." A expectativa de crescimento vigoroso neste ano no varejo será sustentada, na sua opinião, pela elevação na renda, pelo avanço do emprego e pelo barateamento de produtos, principalmente alimentos. "Quem está entrando no mercado de trabalho agora tem uma propensão alta a consumir", completa.

As vendas no comércio varejista ampliado --que inclui ainda o desempenho das vendas de veículos e motos, partes e peças e material de construção apenas no varejo-- subiram 1,2% em julho, frente a junho. Na comparação com igual mês do ano passado, houve alta de 12,3%.

As vendas de veículos e motos, partes e peças subiram 2,9% na comparação com junho e 14,6% ante o mesmo mês de 2009. Já as vendas de material de construção no varejo registraram alta de 1,1% sobre junho e de 14,9% sobre julho de 2009.

SETORES

Na comparação com o mês anterior, quatro das oito atividades pesquisadas registraram crescimento no volume de vendas: livros, jornais, revistas e papelaria (3,4%), artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (1,9%), tecidos, vestuário e calçados (0,6%) e hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,1%).

Macedo afirma que as vendas dos hipermercados afetaram o desempenho do varejo em julho, lembrando que, em maio e em junho, o crescimento havia sido supeior a 1%.

Por outro lado, houve retração nas vendas de combustíveis e lubrificantes (-0,2%), móveis e eletrodomésticos (-0,5%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (-1,0%) e equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-4,4%).

Em relação a julho de 2009, todas as oito áreas avaliadas apresentaram expansão, principalmente, segundo a ordem de importância no resultado global, hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (11,0%), móveis e eletrodomésticos (12,2%) e tecidos, vestuário e calçados (12,5%).

Deixe seu Comentário

Leia Também

PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico
REFORMA DA PREVIDÊNCIA
Aposentadoria é para viver, não para receber só à beira da morte
CHANTAGEM
Ladrões invadem estabelecimentos, obrigam funcionárias a tirarem a roupa, filmam e extorquem vítimas
FORAGIDO
Atirador invade escritório de advocacia e mata duas pessoas
BBB 19
Rízia chora por estar acorrentada: 'Vontade de desistir'
LARANJADA
Deputados do PSOL distribuem laranjas na chegada de Bolsonaro à Câmara