Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 20 de janeiro de 2020
SADER_FULL
Busca
BANNER BET
Brasil

Valor da cesta básica acumula alta em todas as capitais

1 Jul 2004 - 14h15

Nenhuma das 16 capitais do País, a partir de Pesquisa Nacional da Cesta Básica, realizada mensalmente pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos (Dieese), registrou, no primeiro semestre de 2004, variação acumulada negativa. As menores elevações, entre janeiro e junho, ocorreram em capitais localizadas no Nordeste: Aracaju (0,25%); Recife (2,00%); João Pessoa (3,93%) e Salvador (4,30%). Por outro lado, em três localidades a alta acumulada supera 10,0%: Belo Horizonte (10,31%); Florianópolis (10,75%) e Vitória (13,58%).

Em doze meses - entre julho de 2003 e junho de 2004 - quatro cidades (as mesmas que registraram as menores variações neste ano) apresentaram redução em seus preços no período: Aracaju (-8,71%), Recife (-6,72%), Salvador (-2,91%) e João Pessoa (-1,36%). Os maiores aumentos, em um ano, foram apurados em Belo Horizonte (9,08%), Porto Alegre (9,00%), Curitiba (8,76%) e Rio de Janeiro (8,65%).

Cesta em junho

Os aumentos mais significativos em junho foram apurados em Vitória (7,34%), Rio de Janeiro (6,32%) e Florianópolis (4,82%). Apesar de ter um aumento bem menos expressivo, Porto Alegre - onde a cesta subiu 1,05% - continuou a registrar o maior custo para o conjunto de alimentos básicos: R$ 183,08, quase R$ 9,00 a mais que o apurado de São Paulo (R$ 174,90), a cidade com o segundo maior valor. No Rio de Janeiro, a forte elevação fez com que os gêneros essenciais custassem R$ 170,92, a terceira mais cara.

O custo da cesta de alimentos básicos, na capital paulista, ficou em R$ 174,90, com alta de 3,69%, em junho. Neste ano, a elevação chega a 6,14%, e em comparação com junho de 2003, registra elevação de 3,36%.

Apenas três cidades, todas do Nordeste, registraram, em junho, retração no custo do conjunto de gêneros essenciais. As quedas ocorreram em João Pessoa (-3,38%), Salvador (-1,80%) e Recife (-0,66%). As três localidades com recuo no valor da cesta apresentaram também os menores custos: Recife (R$ 132,30), João Pessoa (R$ 133,10) e Salvador (R$ 136,09).

Levando em conta a cesta básica da capital mais cara - Porto Alegre, pelo segundo mês consecutivo - e tomando por base o preceito constitucional que determina que o salário mínimo deve ser suficiente para manter uma família (dois adultos e duas crianças), suprindo suas necessidades de alimentação, moradia, educação, transportes, educação, vestuário, higiene, lazer e previdência social, o Diesse estima que o salário mínimo necessário seria, em junho, R$ 1.538,06. Este valor corresponde a 5,9 vezes o mínimo vigente, de R$ 260,00. Tanto em maio último, como em junho de 2003, o salário mínimo necessário também correspondia a 5,9 vezes o mínimo vigente. Em maio essa relação foi obtida com um salário mínimo necessário de R$ 1.522,01, enquanto em junho de 2003 o cálculo considera o valor estimado de R$ 1.478,16 e o mínimo então vigente de R$ 240,00.

 

Invertia

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA NA FAMILIA
Trágico acidente mata família que seguia para curtir as férias na praia
LUTO NA MÚSICA
Cantor sofre infarto, fã tenta reanimá-lo, mas ele morre no palco
MEDIDAS DRÁSTICAS
Morador que possuir foco de dengue em casa será multado na hora
ACIDENTE FATAL
Idosa de 79 anos morre após ser atropelada por motocicleta em MS
TRAGÉDIA NAS ESTRADAS
Youtuber e peão de rodeio morrem após carro bater em carreta com toras
REALITY SHOW 2020
'BBB 20': conheça os participantes do programa; lista tem famosos da internet
FUJA DO PREJUIZO
Saiba como renegociar planos de celular, TV a cabo e internet
NOVA ANDRADINA - TURISMO
Ciclistas de Nova Andradina pedalam mais de 750 km para chegar ao litoral catarinense
FÉRIAS DOS FAMOSOS
De biquíni, filha de Glória Pires ostenta corpão em férias
CAMPO BELO RESORT - PACOTE ESQUENTA
Esquenta de Carnaval é no Campo Belo Resort, confira o pacote e faça sua reserva