Menu
SADER_FULL
segunda, 17 de dezembro de 2018
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Uso irregular das calçadas vira mania em Dourados

2 Ago 2010 - 13h22Por Fátima News

O uso irregular de calçadas para o estacionamento de veículos novamente tem sido uma praxe em Dourados. Em vários pontos da cidade, principalmente na área comercial, é possível flagrar carros e motos estacionados sobre o meio-fio, fato que dificulta o uso das calçadas pelos pedestres.

Em diversos pontos das avenidas Marcelino Pires e Weimar Gonçalves Torres é possível verificar as calçadas sendo utilizadas como um espaço “anexo” dos estabelecimentos comerciais, que usam os locais para expor seus produtos. Um dos setores que mais se aproveitam da falta de fiscalização é o veículos.

Diversas revendas usam o espaço destinado para a passagem dos pedestres como vitrine para os automóveis. Alguns ousam até a lavar carros nas calçadas. Além de obstruir a passagem, jogam água nas ruas, prejudicand0o a camada asfaltica.

Outro local onde os motoristas e estabelecimentos ignoram a legislação e transformam a calçadas em estacionamento é na rua João Vicente Ferreira, em frente ao Hospital Santa Rita. Segundo moradores da região, em virtude da falta de vagas para estacionamento, vários condutores têm ignorado a sinalização e estacionado os veículos nas calçadas ou até mesmo na ciclovia existente no local.

A servidora pública Tânia Marta Castilho relata que o uso irregular da calçada tem gerado certo transtorno no local, já que os pedestres são obrigados a passar pela ciclovia e correrem o risco de serem atropelados pelos ciclistas que passam pela rua. “Os carros ocupam a calçada e as pessoas não têm por onde passar. Então, são obrigados a se arriscar passando pela ciclovia. Em várias ocasiões, o pedestre não vê a bicicleta e quase acaba atropelado”, disse.

De acordo com o Código de Postura do Município, todas as calçadas da área comercial devem ter pelo menos dois metros de espaço livre para passagem de pedestre. No ano passado, a Guarda Municipal intensificou a fiscalização quanto ao uso ilegal das calçadas na área comercial.

O trabalho foi concentrado na região da avenida Hayel Bon Faker e pelo menos 70 condutores acabaram autuados. Na época, a multa era de R$ 130, de natureza grave, somando cinco pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação), conforme consta na CTB (Código de Trânsito Brasileiro).

No entanto, desde então, nenhuma operação semelhante foi realizada para frear o uso irregular das calçadas. Conforme o subcomandante da Guarda Municipal, Divaldo Machado Menezes, a corporação tem recebido inúmeras reclamações relacionadas ao uso irregular das calçadas para o estacionamento de veículos. Devido ao problema, o comando da Guarda vai se reunir amanhã com a coordenação do departamento municipal de Trânsito para discutir medidas que possam impedir a irregularidade.

Diante da situação, ele relatou que a Guarda deve realizar um trabalho fiscalização em vários pontos da cidade. Inicialmente, os guardas devem apenas orientar os motoristas irregulares. Após o trabalho de orientação, a Guarda passará a aplicar multas.

 


Deixe seu Comentário

Leia Também

ACIDENTE
Criança de dois anos se enforca com a alça da bolsa enquanto brincava em escola
CASO JOÃO DE DEUS
Marina Ruy Barbosa intervém no caso João de Deus e impede uma grande tragédia
PRISÃO DECRETADA
Justiça de Goiás decreta prisão de João de Deus
STARTUPS NO BRASIL JÁ É SUCESSO
O sucesso das startups no Brasil e algumas novas apostas no mercado
REVOLTANTE
Filha de João de Deus diz que foi abusada dos 10 aos 14 anos: 'Meu pai é um monstro'
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Robério beija Marcos Paulo e a agride ao descobrir que ela é trans
DESTAQUE MUNDIAL
Dois brasileiros estão no Top 50: melhores professores do mundo
JUSTIÇA - WHATSAPP
Administradora de grupo no WhatsApp, foi “condenada” á pagar 3 mil por discussão de membros
DICAS DE SERVIÇO DE HOSPEDAGEM NA WEB
Vai criar um blog ou um site?, saiba aqui tudo sobre o serviço de hospedagem
ALERTA NA NET
Golpe no WhatsApp engana usuários ao prometer brindes falsos de Natal