Menu
SADER_FULL
segunda, 21 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

União prepara cobrança contra 700 devedores de Arcanjo

10 Ago 2004 - 08h24
 

A AGU (Advocacia Geral da União) vai começar a cobrar cerca de 700 cheques, notas promissórias e duplicatas apreendidos nas factorings de João Arcanjo Ribeiro durante a operação Arca de Noé, desencadeada em dezembro de 2002. Entre os devedores, estão parlamentares, ex-parlamentares, ex-secretários e servidores do governo federal.

O valor total desse lote, ainda sem correção monetária, chega a aproximadamente R$ 2 milhões. Os títulos de crédito fazem parte do relatório preliminar do inventário dos bens de Arcanjo. As informações foram entregues ao juiz Julier Sebastião da Silva em junho. A estimativa é de que haja outros seis mil títulos de crédito apreendidos à espera da auditoria. Ao final da análise, haverá novas ações de cobrança.

Dono de várias factorings em Mato Grosso, Arcanjo é acusado de agiotagem, já que suas empresas não faziam negócios apenas com pessoa jurídica, como determina a legislação das factorings, mas com pessoas físicas também. O juiz repassou o levantamento prévio das dívidas à AGU, que mandará cartas para os devedores, solicitando o depósito do valor devido em uma conta judicial.

Caso a dívida não seja quitada dentro do prazo estipulado, o órgão poderá ingressar com ações judiciais de cobrança. Todo o dinheiro arrecadado ficará sob a guarda da Justiça até que sejam esgotados todos os recursos. De acordo com o juiz, algumas pessoas já depositaram espontaneamente os valores devidos. Por enquanto, funcionários do órgão estão totalizando os valores e atualizando de acordo com os índices da inflação. Dentro de aproximadamente um mês, as primeiras cartas devem chegar aos devedores.

O inventário foi determinado por Julier em uma sentença do dia 16 de dezembro do ano passado, quando o Arcanjo foi condenado a 37 anos de prisão por lavagem de dinheiro. Na mesma decisão, todos bens do bicheiro foram repassados para a União. Desde então, uma equipe da Receita Federal e da Superintendência de Patrimônio da União está fazendo o levantamento. De acordo com a legislação, cada cheque tem validade de seis meses, porém o entendimento da Justiça é que, mesmo passado esse período, o crédito não prescreve, por isso a cobrança está sendo feita.

João Arcanjo Ribeiro está preso desde abril do ano passado em Montevidéu, no Uruguai, junto com sua mulher Sílvia Chirata. Além de crimes fiscais, ele é acusado de ser o mandante de uma séria de assassinatos em Cuiabá, entre eles o do empresário Sávio Brandão, dono do jornal Folha do Estado, morto em 30 de setembro de 2002. As informações são do jornal Diário de Cuiabá.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos