Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 17 de novembro de 2018
SADER_FULL
Busca
SICREDI_FATIMA
PARANAÍBA

Tribunal de Justiça mantém condenação a ex-prefeito de Paranaíba

31 Mai 2010 - 18h36Por Mídia Max

Por aparecer em material oficial, o TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) manteve condenação ao ex-prefeito de Paranaíba, Manoel Roberto Ovídio (PR). O ex-secretário de Saúde da administração dele, Guilherme Bucalém também é penalizado no processo. Por maioria os desembargadores da 3ª Turma Cível rejeitaram na manhã desta segunda-feira (31)  recurso e negaram provimento à apelação do ex-prefeito nos termos do voto do relator. A decisão foi com o parecer da Procuradoria-Geral de Justiça.

Conforme apurado em inquérito civil, instaurado em junho de 2005 pelo MPE (Ministério Público Estadual), os dois citados contrataram duas empresas para confeccionarem um caderno informativo a fim de divulgar o trabalho da administração pública, mas também com objetivo de promover politicamente o prefeito, com diversas fotos dos agentes públicos.

MPF

O governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), está sendo investigado no MPF (Ministério Público Federal) também por personificação de material público como a agenda distribuída aos alunos da rede estadual. Nela, consta uma fotografia do atual governador, pré-candidato à reeleição.

Paranaíba

Já em Paranaíba, o processo contra o prefeito e o secretário em 1º grau foi julgado parcialmente procedente para condenar Manoel Ovídio a restituir aos cofres públicos o valor pago pela impressão da propaganda; pagar multa no valor de duas vezes a sua remuneração mensal como prefeito e ficar impedido de contratar com o poder público ou receber incentivos pelo prazo de um ano. O secretário foi absolvido, pois a iniciativa da contratação das empresas foi feita apenas pelo prefeito municipal.

O prefeito recorreu sob alegação de nulidade de sentença por cerceamento de defesa; incompetência absoluta do juízo de 1º grau e ausência de interesse de agir.

Conforme o relator do processo, o desembargador Marco André Nogueira Hanson, não ocorre cerceamento de defesa em caso de improbidade administrativa, quando a prova documental pré-constituída é suficiente para demonstrar a existência do fato e seu autor.

O magistrado afirmou que as publicações e propagandas oficiais devem se revestir dos critérios de moralidade e impessoalidade. “Verificando-se que o prefeito, com dinheiro público, financiou propaganda de autopromoção em face das obras realizadas na sua gestão, ele deve ser condenado à restituição dos valores saídos dos cofres públicos e a multa também é pertinente”, finalizou.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO GOVERNO
Desistência de general para ministério leva crise ao QG de Bolsonaro
ASSASSINATO
Câmeras flagram dupla efetuando mais de 30 tiros contra homem; veja o vídeo
TRISTEZA
Menino de 10 anos comete suicídio após a prisão do pai
MALDADE
Câmera de segurança flagra homem colocando fogo em casinha comunitária para cachorros
FATIMASSULENSES EM UBATUBA (SP)
Fatimassulenses, alunos do Vicente Pallotti fazem curso de biodiversidade marinha em Ubatuba (SP)
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Gabriel se declara para Luz e os dois se beijam
MULHERES TEM QUE DENUNCIAR
Jovem posta foto com rosto inchado para denunciar agressão do namorado
ENCONTRO DE GOVERNADORES
Em encontro de governadores com Bolsonaro, Reinaldo defende fronteira e reajuste da tabela SUS
VIOLENCIA DOMESTICA
Homem é esfaqueado por esposa que tem ciumes até da sombra
ENTROU ATIRANDO
VÍDEO: Pastor é baleado no altar durante o culto