Menu
LIMIT ACADEMIA
segunda, 10 de dezembro de 2018
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Tony Blair anuncia renúncia após 10 anos no poder

10 Mai 2007 - 08h35
O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Tony Blair, anunciou que vai renunciar como líder do Partido Trabalhista e do cargo de premiê.

Antes de fazer o anúncio público em seu reduto eleitoral, no condado Sedgefield, previsto para as 11h45 (07h45 em Brasília), o premiê conversou com os integrantes do seu gabinete pela manhã desta quinta-feira, 10.

Um dos ministros presentes, Peter Hain, disse que a reunião foi "curta e amigável, com muitas risadas".

Blair deve ficar no cargo por mais seis ou sete semanas enquanto o Partido Trabalhista elege o novo líder da legenda.

O ministro da Economia, Gordon Brown, é o grande favorito para substituí-lo. Segundo uma fonte do governo, durante a reunião com o gabinete, nesta manhã, Brown prestou uma homenagem a Blair.

"Gordon Brown fez um tributo curto mas muito comovente à liderança de Tony Blair, não apenas no Partido Trabalhista e na Grã-Bretanha, mas também no mundo", contou a fonte à BBC.

Legado

Tony Blair foi um dos primeiros-ministros britânicos mais populares no país. Entre 1994 e 2002, o premiê gozava de uma popularidade nunca antes registrada por seus antecessores. Popularidade que começou a ruir, contudo, após a guerra no Iraque - conflito que estará sempre associado ao seu nome. Blair foi eleito líder do Partido Trabalhista em 21 de julho de 1994 e, desde 1º de maio de 1997, ocupa o cargo de primeiro-ministro da Grã-Bretanha - o trabalhista a ficar mais tempo no poder.

Jovem, educado (formado em Direito pela Universidade de Oxford, onde tinha uma banda de rock), entusiasmado e conhecido pela excelente oratória, Blair ajudou a renovar o partido.

Arquiteto da chamada Terceira Via, sua missão de tornar o Partido Trabalhista mais elegível foi um sucesso: foram três mandatos consecutivos com duas vitórias avassaladoras em 1997 e 2001 e uma maioria saudável em 2005.

Mas três projetos políticos que defendeu ao longo dos três mandatos não foram finalizados: a reconfiguração da centro-esquerda britânica, a entrada da Grã-Bretanha na Zona do Euro e o estabelecimento do processo de representação proporcional, em que o número de cadeiras no Parlamento dado a um partido político reflete o número de votos em todo o país.

Economia

Sob seu governo, a economia do país cresceu constantemente, registrando baixos níveis de inflação, taxas de juros e desemprego - legado, no entanto, do seu ministro da Economia, Gordon Brown, que sempre fez questão de manter sua independência na pasta.

Robert Peston, biógrafo de Brown, conta que o orçamento da União só era enviado ao gabinete de Blair horas antes de ser divulgado no Parlamento.

Em relação aos serviços públicos na Grã-Bretanha, embora tenha ocorrido um certo progresso em alguns setores, Blair deixa um legado de frustração, em especial na área de saúde.

O premiê deixará para trás serviços públicos com altos níveis de investimento para padrões internacionais, mas sem um alto nível de serviço. Um problema para o seu sucessor.

Seu esforço para a conclusão do processo de paz na Irlanda do Norte, firmado no Acordo de Sexta-Feira Santa, de 1998, deverá ser lembrado como uma de suas conquistas.

Guerras

Ao contrário da maioria de seus antecessores, Blair se expôs amplamente - talvez seguro pela habilidade de discursar em público, seja de improviso.

Foram inúmeros debates, às vezes cercado por adolescentes, coletivas de imprensa mensais, participações em diversos programas de televisão e rádio, noticiosos ou até mesmo comédias, além de horas de perguntas e respostas no Parlamento.

Durante os dez anos em que esteve no poder, Blair envolveu as forças britânicas em cinco conflitos: Iraque (1998), Kosovo (1999, foi recebido como herói ao visitar um campo de refugiados), Serra Leoa (1999), Afeganistão (2001) e Iraque (2003).

O último conflito, envolvendo 46 mil soldados britânicos, foi o mais contestado. Em discurso no Parlamento, justificando a invasão, o primeiro-ministro disse que o Iraque poderia usar armas de destruição em massa em 45 minutos. Informação de inteligência que acabou não sendo comprovada, levando a um inquérito.

Durante a investigação, Blair afirmou que a principal alegação contra ele - de que teria se envolvido em uma manobra para persuadir membros dos serviços de inteligência a exagerar o conteúdo do dossiê sobre armas do Iraque - era "completamente absurda".

Embora a morte de 130 soldados britânicos e o custo de 6,5 bilhões de libras (dados de janeiro de 2007) possam ser considerados modestos por historiadores no futuro, o impacto na política britânica foi significativo.

A rebelião de 139 parlamentares trabalhistas, em 18 de março de 2003, contra o conflito foi histórica.

A aliança com o presidente americano George W. Bush certamente abalou a popularidade de Blair e do Partido Trabalhista.

Na sociedade britânica, jovens muçulmanos demonstraram-se cada vez mais desiludidos e há um receio de uma certa fragmentação e um descrédito na classe política em geral.

 

 

Estadão

Deixe seu Comentário

Leia Também

COVARDIA
Mulher agride menino autista em playground e vídeo viraliza
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Nicolau descobre que Diana luta karatê e fica em choque
ACUMULOU
Ninguém acerta a mega-sena e prêmio acumula em R$ 30 milhões
VIOLENCIA
'Tiro, porrada e bomba': festa em universidade acaba em pancadaria e PM responde com violência
NOVELA GLOBAL
Gabriel confronta Valentina em “O Sétimo Guardião”
ARROCHO
Regra defendida por Bolsonaro tira R$ 1,1 mil por mês das novas aposentadorias
BARBÁRIE
Mulher é presa após atear fogo em cachorro
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Feliciano foi muito rico e ajudou Valentina no passado
SE DEU MAL
Assaltante é morto após fazer idosa de 83 anos refém no Rio de Janeiro
ROUBO MILIONÁRIO
Homens invadem banco, trocam tiros com polícia e fogem com R$ 1 milhão