Menu
SADER_FULL
segunda, 21 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

"Terra das Águas" será exibido no 8º Festival de Inverno

20 Jul 2007 - 04h13
O documentário “Terra das Águas” será exibido quinta-feira, dia 2 de agosto, às 18 horas, na Mostra Ecocine, durante o 8º Festival de Inverno de Bonito. O vídeo retrata a influência das águas na vida do peão pantaneiro, por meio de relatos sobre seu cotidiano e seus antigos costumes, ameaçados pelas novidades tecnológicas.

Dirigido, roteirizado e editado pela jornalista Rosiney Bigattão, o filme tem 58 minutos. Foi dividido em 16 capítulos que mostram as diferentes relações do homem pantaneiro com o meio.

O primeiro capítulo, “Comitiva”, acompanha a viagem de duas comitivas que levam gado do Pantanal para o Leilão da Curva do Leque, realizado na Fazenda Novo Horizonte, em Corumbá. Uma delas faz a Rota das Águas, que parte do Paiaguás; a outra, a Rota Seca, que atravessa a Nhecolândia.

O “Capataz” traz a história do peão Faustino Clemente de Souza, 48, gerente da Baía das Pedras, um paraíso de águas cristalinas em pleno Pantanal da Nhecolândia. “Travessia” mostra a força do gado para vencer a correnteza das águas do Rio Taquari, na difícil passagem entre o Pantanal do Paiaguás e da Nhecolândia.

“Vida estradeira” revela histórias de peões que transportam gado de uma fazenda para outra, de um mesmo proprietário, e chegam a ficar 18 dias na estrada.

“A lida” traz a história de Jonas Barbosa da Costa e sua esposa Claudete, que entre carneadas, arroz carreteiro preparado no fogão à lenha e tererés, fazem relatos de como o Pantanal está se transformando. Ele é um típico pantaneiro que conhece bem a maneira de viver dos antigos e, por outro lado, se adapta aos avanços que mudam a rotina no Pantanal.

“Rota das Águas” acompanha uma das comitivas da Curva do Leque, a que faz a rota mais longa e difícil. O condutor René de Almeida e o cozinheiro, Rosalino de Paula Santos, conduzem a prosa. Falam das ambições que levam na viagem.

“Terra sem Fronteiras” mostra, por intermédio de Leonardo Alonso, a presença do paraguaio na formação do povo pantaneiro. Em “Agonia”, Ivan Carvalho relata como o assoreamento do rio Taquari modificou uma grande área no Pantanal, levando embora, junto com a areia, anos de luta e sonhos. A miséria em que vive às margens do Taquari contrasta com a paisagem estonteante do Pantanal nesse trecho cortado pelo rio, que agoniza sem perder a beleza.

“Chalana” mostra como é feita a viagem na época das cheias. Em uma embarcação de dois andares, seu Ivan vai até Corumbá visitar os filhos. “Rota Seca” acompanha a comitiva conduzida por Alberto Viana por um trajeto de poucos rios e corixos, mas de muita chuva e saudade.

“Traia” apresenta os apetrechos para a tropa e cavaleiros, antes de couro, feita artesanalmente, e agora, aos poucos substituída pelo plástico, mais resistente à água. “Um tempo que passou” conta a história de seu Celestino, que trocou o Pantanal pela cidade de Aquidauana. Em uma casa muito simples e vivendo com muito pouco, relembra o período de glórias de quando era um dos caçadores de onça mais requisitados do Estado.

“Japão” traz o relato de seu Pedro da Costa, filho de japoneses, que nasceu na Fazenda Rio Negro e viu a transformação da terra, antes utilizada para a pecuária, em área de preservação permanente, quando foi comprada por uma instituição com atuação ambiental internacional, o Instituto Conservação Internacional do Brasil.

“Baiano” mostra os relatos de Ezídio de Arruda, o baiano, um homem que conhece a fauna e flora do lugar e é hoje um guia de turismo que bate cartão de ponto. Mesmo adaptado às modernidades do Pantanal, tem boas recordações do passado.

“Picolé”, apelido do jovem Hélio Antônio Martins, relata como o peão se acostuma com as novidades. “Encontro das Comitivas” mostra Demis, René, Rosalino, Davino e tantos outros peões que se encontram na Curva do Leque para mais um leilão. E outra rodada de histórias, com direito a jogo de cartas e futebol no fim de tarde.

"O Leilão" traz o relato de seu Lino, herdeiro de uma grande fazenda no Pantanal, onde acontece a batida mensal do martelo, atraindo gente de toda a planície e do planalto.

O último capítulo do documentário, “A Cidade”, mostra o retorno dos peões para casa, depois de quase um mês de trabalho, e mostra a integração, ou a falta dela, entre campo e cidade. O salário acaba em pouco tempo entre cervejas e mulheres. Corumbá e Campo Grande são os destinos transitórios desses personagens que logo vão estar de volta ao Pantanal para mais uma viagem.

Serviço

O documentário “Terra das Águas” será exibido quinta-feira, dia 2 de agosto, às 18 horas, como parte da Mostra Ecocine, que acontecerá na Praça da Liberdade, durante o 8º Festival de Inverno de Bonito.

O 8º Festival de Inverno de Bonito é uma realização do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul e da Prefeitura Municipal de Bonito. Consulte o site do festival: www.festinbonito.com.br.
 
 
MS Notícias

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos