Menu
LIMIT ACADEMIA
quinta, 20 de junho de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

TCE reprova a prestação de contas de Japorã e Aquidauana

22 Mar 2007 - 05h56
O TCE (Tribunal de Contas do Estado), em sessão do Pleno realizada nesta quarta-feira, reprovou as prestações de contas anuais da Prefeituras de Japorã, na administração de Rubens Freire Marinho, e da Prefeitura de Aquidauana, na administraçao de Raul Martinez Freixes. Segundo conclusão da 6ª Inspetoria Geral de Controle e dos pareceres da Auditoria e do Ministério Público, a não aprovação das contas de Japorã se deveu à entrega fora do prazo dos balancetes de julho e dezembro de 2005, divergência dos valores das receitas relativas a Convênios com a União, aplicadas em educação, com aquelas que constam no comparativo da receita e utilização indevida da reserva de contingências.
 
De acordo com parecer do conselheiro-relator Carlos Ronald Albaneze, as contas do exercício de 2000 do município de Aquidauana apresentaram como principais irregularidades a conversão de valores do Ativo Realizável, no montante de R$ 190.820,90, em “diversos responsáveis”, sem a ocorrência dos fatos contábeis correspondentes e sem a devida comprovação e a exclusão irregular de valores da conta “despesas a regularizar”, do grupo Ativo Realizável, no montante de R$ 2.431.640,66, por meio da simples substituição do Balanço Patrimonial inicialmente encaminhado.
 
O conselheiro-relator explica que esse valor (R$ 2.431.640,66) “é constituído por despesas ordenadas e realizadas pelo administrador à época sem a autorização do Poder Legislativo Municipal, o que representa infração capitulada pelo Decreto-Lei Federal nº 201/67”. O conselheiro cita ainda como irregularidade a baixa irregular da Demonstração das Variações Patrimoniais, concernente ao valor de R$ 347.970,03, registrados a título de “Despesas a Regularizar”.
 
Ainda em relação às contas de Aquidauana, os conselheiros rejeitaram o Recurso de Revisão interposto pelo ex-prefeito Raul Martinez Freixes e mantiveram inalterado o Parecer Prévio nº 00/016/2005, que rejeitou a prestação de contas do exercício de 1999, onde se destaca como irregularidade o registro como Despesas a Regularizar no valor de R$ 2.779.610,69 “referente a despesas realizadas sem dotação orçamentária, isto é, sem a autorização do Poder Legislativo”.
 
Além disso, foram consideradas irregulares as contas anuais dos Fundos Municipais de Saúde de Vicentina (exercício 2004), Jateí (exercício 2005) e Terenos (exercício 2004). Foram também reprovadas as contas anuais dos Fundos Municipais de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e Valorização do Magistério de Terenos (exercício 2004) e Inocência (exercício 2003) e, ainda, do Fundo Municipal de Educação e Cultura de Nioaque (exercício 2004). Ao todo, o TCE analisou 49 processos.

 
 
 
 
Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

MILIONARIO
Apostador de Osasco-SP acerta dezenas e leva R$ 124 milhões da Mega-Sena
VIOLENCIA DOMESTICA
Jovem que agrediu a própria mãe por não poder ir a baile funk é presa
ATAQUE CANINO
Criança de dois anos é morta no quintal de casa por cachorro rottweiler
INFANTICIDIO
Padrasto teria sentado em cima da cabeça de bebê que morreu,foi espancado na cadeia
SOB INVESTIGAÇÃO
Jornalista do site Lei Seca Maricá foi assassinado com 3 tiros
VIDA SEDENTARIA
OMS alerta: Criança menor de 3 anos não deve ficar nem um minuto em tablet ou celular
HOMICIDIO X SUICIDIO
Pai que matou o filho de 4 anos e se matou não se conformava com namoro da ex-mulher
DOENÇA DO SÉCULO
Jovem de 19 anos, com depressão comete suicídio e comove amigos
ASSASSINATO CRUEL
O massacre do menino Rhuan e o silêncio da grande mídia
FAMOSIDADES
Homem discute com mulher e mata bebê de quatro meses