Menu
SADER_FULL
domingo, 26 de maio de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

TCE aprova, com recomendações, contas de Zeca do PT

13 Jun 2007 - 05h45

O TCE (Tribunal de Contas do Estado) aprovou, por unanimidade, as contas relativas a 2006 do governo do Estado, último ano da gestão de Zeca do PT. Apenas o conselheiro José Ricardo Pereira Cabral absteve-se de votar porque foi secretário de Receita e Controle na administração do petista.

Apesar da aprovação, os conselheiros apresentaram 15 recomendações a serem observadas nas futuras prestações de contas. Segundo o presidente do TCE, Cícero de Souza, o documento segue para análise e julgamento político-administrativo da Assembléia Legislativa.

O Parecer Prévio foi elaborado pelo conselheiro-relator Paulo Roberto Capiberibe Saldanha depois de análise detalhada do Balanço Geral de 2006 pela 5ª Inspetoria Geral de Controle Externo e com base nos pareceres do Corpo Especial - Auditoria e do Ministério Público Especial junto ao TCE/MS, que também se manifestaram pela emissão de parecer prévio favorável à aprovação.

De acordo com o parecer aprovado “do exame procedido, constatou-se que os demonstrativos contábeis que compõem a presente Prestação de Contas, evidenciaram a regularidade e a legalidade dos atos de gestão praticados pelo Governo Estadual, durante o exercício financeiro de 2006, bem como comprovaram a observância aos princípios fundamentais de contabilidade geralmente aceitos para a área da administração pública, em que pese a existência de omissões de ordem formal e legal que, no entanto não comprometem o resultado geral do exercício”.

O relatório destaca cinco aspectos que se sobressaíram positivamente e revela que o governo do Estado aplicou corretamente os percentuais previstos constitucionalmente para a saúde e educação, assim como respeitou os limites com gastos de pessoal.

O montante aplicado em ações e serviços públicos de saúde foi de R$ 351,2 milhões, superior em 0,13% ao limite mínimo estabelecido no artigo 77 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição Federal, apesar de não ter feito isso através do Fundo Especial de Saúde, conforme prevê a legislação.

Quanto aos investimentos na manutenção e desenvolvimento do Ensino os dados levantados no relatório comprovam que foi destinado 0,42% acima do limite mínimo estabelecido no artigo 212 da Constituição Federal, considerando-se as aplicações ocorridas através da Secretaria de Estado de Educação e de outros órgãos da estrutura administrativa do Estado, bem como os decorrentes da Lei Estadual nº 2261/2001.

Com relação às despesas com pessoal, o limite de 60% da receita corrente líquida, segundo o parecer, “foi cumprido com folga, visto que foram destinados o correspondente a 52,39% da Receita Corrente Líquida, englobando os Poderes Executivo, Legislativo, Judiciário e o Ministério Público Estadual. Segundo Saldanha, “convém destacar que, em 1999, esse percentual era de 65,70% e, com o advento da Lei de Responsabilidade Fiscal em 2000, houve uma redução gradual dessas despesas até atingir o patamar registrado no exercício de 2006”.

Em seu relatório, Saldanha registra ainda que o montante de R$ 6,2 bilhões referente à Dívida Consolidada Líquida, apurado no encerramento do exercício de 2006, representa 181,12% da Receita Corrente Líquida e se encontra dentro do limite de 200% estabelecido no artigo 3º da Resolução nº 40/2001 do Senado Federal.

O relator destaca que “tal resolução permite que o excesso de endividamento seja corrigido em até 15 anos, numa proporção de 1/15 por ano, a partir do exercício financeiro de 2002, com vistas a se chegar ao limite máximo de 200% no exercício de 2016”. Os dados do balanço revelam, que o Estado de Mato Grosso do Sul se adequou às normas legais já em 2006.

Constatou-se ainda que, enquanto a Receita Corrente Líquida apresentou crescimento da ordem de 45,66% a Dívida Consolidada Líquida registrou queda de 22,49%. Segundo o conselheiro Paulo Saldanha, “com base nestes informes pode-se afirmar que a polêmica questão do endividamento do Estado se encontra num patamar ainda preocupante, mas dentro do limite estabelecido na Resolução do Senado”.

Recomendações

O relatório voto apresentou ainda aspectos do balanço geral que se sobressaíram negativamente e que foram registrados pelo conselheiro-relator em forma de recomendações a serem observadas nas futuras prestações de contas. Segundo o relatório, a Lei Estadual que aprovou o Plano Plurianual (PPA) para o quadriênio 2004/2007 não detalha as metas governamentais separadamente por exercício financeiro, “bem como não constam nos presentes autos, informações quanto a eventuais alterações que porventura tenham sido efetuadas no PPA”.

Com relação ao equilíbrio entre receitas e despesas, foi constatado que a execução orçamentária registra déficit de 3,02% entre o arrecadado e o empenhado e, também, déficit de 1,42% entre a receita arrecadada e a despesa liquidada. Segundo Saldanha, “mesmo não sendo expressamente proibido pela Lei Complementar nº 101/2000, deve a Administração Estadual envidar todos os esforços no sentido de alcançar o equilíbrio orçamentário necessário”.

O relator recomenda também um tratamento mais adequado no que se refere à abertura de créditos adicionais com recursos do excesso de arrecadação. Segundo o relatório, foram abertos créditos adicionais no montante superior a R$ 557 milhões, tendo sido utilizado como fonte de recursos para a sua cobertura, os recursos provenientes do excesso de arrecadação, cuja expectativa não se materializou ao final do exercício.

De acordo com Saldanha, “apesar de não ter comprometido o resultado orçamentário do exercício, uma vez que o saldo total de dotações autorizadas no orçamento não fora utilizado integralmente, tal situação deverá ser tratada com maior acuidade pela Administração Estadual no transcorrer dos exercícios subseqüentes”.

Consta como recomendação a necessidade de maior controle dos Restos a Pagar do Exercício. Segundo o relatório, os compromissos de curto prazo devidos pelo Estado atingiram ao final do exercício mais de R$ 513 milhões, sendo, R$ 187 milhões relativos a exercícios anteriores e R$ 326 milhões inscritos no exercício de 2006.

De acordo com Saldanha “embora o Governo do Estado tenha destinado 92,28% dos recursos do FUNDEF à remuneração dos profissionais em efetivo exercício no ensino fundamental, constatamos que foram utilizados mais de R$ 5 milhões no pagamento de despesas relativas a Pensões, a qual não está dentre as previstas no art. 2º da Lei 9.496/96. Em função, tal despesa deverá ser objeto de questionamento quando da análise da Prestação de Contas da Secretaria de Estado de Educação”.

O conselheiro relator destacou também como negativo os Prejuízos Gerados Pela AGROSUL. Segundo ele, a demora no processo de liquidação da AGROSUL, que se iniciou no ano de 2000, tem causado sucessivos prejuízos financeiros ao Estado, que registrou em 2006 um acumulado próximo de R$ 322,7 milhões sendo que, somente em 2006, houve um acréscimo de quase R$ 27 milhões sobre o montante da dívida existente em dezembro do exercício anterior, o que, em termos percentuais, representa 9,10%.

O Conselheiro Paulo Saldanha lembra que na prestação de contas do Governo examinam-se os dados técnicos extraídos da contabilidade geral do Estado, bem como as aplicações das obrigações constitucionais – tais como saúde e educação – e que a emissão de parecer prévio não se constitui em pré-julgamento de contratos administrativos, inspeções, atos de pessoal, prestações de contas de Secretarias, Fundações, Autarquias e Empresas Públicas, prestação de contas de convênios e outros processos, todos originários do Executivo Estadual.

 

 

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - VISITA ILUSTRE
Em Bonito (MS), Miss Brasil Júlia Horta destaca 'A energia daqui é inexplicável'
COISA DE DOIDO
Sucuri ataca bombeiro durante resgate em SP; assista!
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Governo dobra vagas de concurso da PF e convocações saem no fim do ano
FEMINICIDIO
Mulher é morta com 75 facadas pelo ex-marido após 25 anos de casamento
NEGLIGÊNCIA FUNCIONAL
'Peguei meu filho e achei que estivesse morto', diz mãe de criança dopada em creche
FÁTIMA DO SUL - O BOTICÁRIO
Confira o que tá na promoção que vai até este sábado no O Boticário em Fátima do Sul
BONITO - MS - DICA AGÊNCIA ECO TOUR
Visite Bonito (MS) na baixa temporada, saiba o porquê!
FÁTIMA DO SUL - TRATAMENTO COACH
De Nova Andradina, Vanessa recupera autoestima com tratamento 'Coach' Célia Tenório de Fátima do Sul
CASA BOCA SUJA
morador instala placas com palavrões nos muros de casa
MACABRO
Mulher é encontrada morta ao lado de uma oferenda