Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 22 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Supermercados não podem vender remédios, determina STJ

13 Out 2004 - 09h07

A Medida Provisória 542/94, que dispunha sobre o Plano Real e autorizava os supermercados a vender remédios anódinos, aqueles que não precisam de receita médica para serem comercializados, omitiu o dispositivo legal que autorizava a venda ao ser convertida na Lei nº 9.069/95. Portanto, não sendo convertida em lei ordinária, a autorização legal perdeu sua eficácia, retornando ao texto original, excluindo de forma definitiva a possibilidade de os supermercados comercializarem os medicamentos.


Com esse entendimento, o qual cria uma jurisprudência que deverá ser aplicada nos próximos casos semelhantes, a 1ª Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça), por unanimidade, negou o pedido da empresa comercial G. Barbosa & Cia. Ltda., supermercado do município de Nossa Senhora do Socorro, no interior do Estado de Sergipe. O supermercado entrou na Justiça com mandado de segurança, alegando haver recebido correspondência do chefe da Divisão de Vigilância Sanitária da Secretaria de Saúde daquele Estado, assinalando-lhe um prazo de 30 dias para retirar todos os medicamentos, mesmo os anódinos, de seus estoques, após o que os infratores seriam punidos.


Argumentou a empresa ser esse ato uma interferência ilegítima do setor público na iniciativa privada com o único propósito de proteger o monopólio das farmácias e dos laboratórios. Afirmou que o País vive hoje dentro dos princípios constitucionais da livre concorrência e da livre iniciativa, num panorama mundial de economia globalizada. Por isso, não há mais espaço nem respaldo para reservas de mercado, inclusive essa, criada por pressão dos laboratórios internacionais, que garantiu o monopólio do comércio de medicamentos às farmácias e drogarias.


A segurança foi concedida pelo juiz de primeiro grau, mas a Câmara Cível do Tribunal de Justiça acolheu a apelação do Estado de Sergipe e cassou a segurança por não existir, no caso, direito líquido e certo. Ao examinar agora o recurso de G. Barbosa & Cia. Ltda contra essa decisão, a Terceira Turma do STJ, acolhendo voto do relator do processo, ministro Francisco Falcão, definiu não poderem os supermercados comercializar medicamentos anódinos, visto que a medida provisória que permitia o comércio havia sido alterada exatamente para suprimir essa autorização, quando de sua conversão em lei.


Assim, para o ministro Francisco Falcão, não havendo a lei mantido o entendimento constante da medida provisória, de estender aos supermercados o conceito de dispensários de medicamentos anódinos, ficou automaticamente cassada a autorização no momento em que a lei resultante da medida provisória deixou de considerá-los dispensários, logo, retirando-lhes a autorização para a venda. dos anódinos.

Mídia Max News

Deixe seu Comentário

Leia Também

PERSISTÊNCIA
Filho de faxineira e porteiro passa em medicina no Paraná
RENOVAÇÃO LICENÇA
Extinção de mais 130 rádios comunitárias no Brasil deve alcançar emissora de Ponta Porã
CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho