Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 22 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

STJ deve ouvir 13 presos; Silas Rondeau pede demissão

23 Mai 2007 - 08h45
A ministra Eliana Calmon, do STJ (Superior Tribunal de Justiça), deve ouvir nesta quarta-feira o depoimento de 13 acusados pela Polícia Federal de envolvimento no suposto esquema de fraudes em obras públicas.

Ontem, o ministro Silas Rondeau (Minas e Energia), investigado pela PF, entregou uma carta pedindo demissão do cargo ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O pedido foi oficializado quase que ao mesmo tempo no Palácio do Planalto e no Ministério de Minas e Energia.

A Operação Navalha prendeu na semana passada 48 pessoas envolvidas no esquema. A ministra começou ouvir os acusados na segunda-feira.

Hoje estão agendados, pela manhã, os depoimentos de Jorge Targa Juni, presidente da Companhia Energética do Piauí; do empresário José Edson Vasconcelos Fontenele; de Everaldo José de Siqueira Alves, subsecretário de Obras de Camaçari (BA); Iran César de Araújo Filho, secretário de Obras de Camaçari (BA); e Alexandre de Maia Lago, sobrinho do governador do Maranhão.

À tarde, estão previstos os depoimentos de Francisco de Paula Lima Júnior, também sobrinho do governador do Maranhão; Sebastião José Pinheiro Branco, fiscal de obras no Estado do Maranhão; Maria de Fátima Palmeira, diretora comercial da Gautama; Abelardo Sampaio Lopes Filho, engenheiro e diretor da construtora Gautama; Bolívar Ribeiro Saback, funcionário da Gautama; Rosevaldo Pereira Melo, funcionário da Gautama; Gil Jacó Carvalho Santos, diretor financeiro da Gautama; e Ricardo Magalhães da Silva, também funcionário da construtora.

Demissão

No Palácio, foi divulgada a carta com o pedido de demissão de Rondeau. Já o ministério divulgou uma nota em que Rondeau reafirma sua inocência e afirma que deixa o governo para impedir que o setor energético seja prejudicado. Ele afirma ainda querer evitar que a imagem do governo seja de algum modo afetada.

Antes disso, a saída dele já tinha sido anunciada no Congresso pelo senador José Sarney (PMDB-AP), que indicou Rondeau para o cargo.

Rondeau era apontado como beneficiário do suposto esquema de fraude das licitações para realização de obras públicas.

O esquema começou a respingar em Rondeau quando a PF prendeu durante a Operação Navalha Ivo Almeida Costa. Ele era assessor especial do gabinete do ministro.

A PF recolheu fitas gravadas por câmeras do serviço de segurança do Ministério de Minas e Energia. As imagens mostram uma funcionária da Gautama, Fátima Palmeira, entrando no ministério pelo elevador privativo no dia 13 de março. Ela carrega um envelope de cor parda, no qual a PF acredita que estavam R$ 100 mil.

Diretora financeira da Gautama, Palmeira se dirige até o andar do gabinete de Silas Rondeau. Lá, encontra-se com o assessor do ministro.

Antes de oficializar sua saída, Rondeau esteve reunido ontem à tarde com Lula. O encontro foi interrompido para Lula se encontrar com representantes da Fetraf e com o ministro Patrus Ananias (Desenvolvimento Social).
 
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

RENOVAÇÃO LICENÇA
Extinção de mais 130 rádios comunitárias no Brasil deve alcançar emissora de Ponta Porã
CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai