Menu
CACAU SHOW FÁTIMA DO SUL 0
sexta, 18 de outubro de 2019
CÂMARA BONITO OUTUBRO 2019
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

STF julga quarta-feira ação sobre pensão de Zeca do PT

16 Abr 2007 - 04h45
Foi marcado para a próxima quarta-feira, dia 18 de abril, o julgamento pelo plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) da ação em que o Conselho Federal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) questiona a lei que recriou em Mato Grosso do Sul a pensão vitalícia para os ex- governadores do Estado. A pensão, que havia sido extinta na década de 89, foi ressuscitada por uma lei aprovada nos últimos dias do governo de Zeca do PT, que seria diretamente beneficiado.

O processo, protocolado em janeiro, teve o trâmite acelerado pela presidente do STF, ministra Ellen Gracie, já quando deu entrada, em despacho em que ela considera a matéria de urgência. Por isso mesmo, não houve apreciação do pedido de liminar para suspensão da pensão, pela ministra relatora, Carmem Lúcia Rocha, com o caso indo direito à votação dos 11 ministros que foram o pleno da Corte.

Todos os ministros receberam esta semana, na terça-feira, o documento em que a relatora dá seu voto sobre o assunto. A ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) havia sido inclusa na pauta temática sobre servidor público, seguindo a tendência que o Supremo adota já há alguns anos de fazer votações por assunto. Há na casa um outro processo análogo, questionando uma lei que beneficia ex-governadores do Amazonas, além de mais 13 processo relativos a servidor com o subtítulo “vencimentos e vantagens”. A ministra Carmem Lúcia solicitou na segunda-feira uma data para que o caso fosse ao julgamento do plenário do Supremo.

Pareceres - Tanto a AGU (Advocacia Geral da União) quanto a PGR (Procuradoria Geral da República) já se manifestaram favoravelmente ao pedido da OAB para que a lei seja considerada inconstitucional. Os argumentos foram parecidos. Um deles é que já houve apreciação semelhante, referente à criação de benefício aos ex-governadores no Estado do Pará, na Constituição daquele Estado, já considerado ilegal. Outro ponto citado é a não existência, na Constituição Federal, de previsão sobre benefícios a ex-governadores. Para defensores da ação, isso seria uma brecha para que a pensão fosse criada. Para os críticos, porém, o silêncio da lei maior do País não dá o direito aos estados de agirem com autonomia irrestrita.

O governo estadual não vinha pagando a pensão ao ex-governador Zeca do PT, que foi à Justiça e consegui uma decisão favorável, no dia 24 de março. O Estado já foi intimado a cumprir a decisão. Não há confirmação se o pagamento foi feito.
 
 
 
 
Dourados News

Deixe seu Comentário

Leia Também

DESABAMENTO DE PRÉDIO
Fortaleza: sob escombros, vítimas telefonam e jovem faz selfie
VICENTINA EM DESTAQUE
Vicentinense é destaque na São Paulo Fashion Week
ROMARIA
Romeiros saíram nesta quinta, 17, de Fátima do Sul para Aparecida do Norte
DESCARGA ELÉTRICA
Mulher morre após levar choque em máquina de lavar
MISTÉRIO
Mulher é morta e jogada no rio; filho de quatro anos da vítima estava em carro abandonado
ABUSOS À CRIANÇAS
Três meninas são abusadas pelo avô em troca de doces
COVARDIA
Criança de 5 anos era agredida todos os dias pelo pai, inclusive para se alimentar
SORTUDO
Fotaleza tem o mais novo milionário da Mega Sena
NOVELA GLOBAL
Amadeu abandona defesa de Josiane durante o julgamento da vilã em 'A dona do pedaço'
HOMOFOBIA
Filho de Mauricio de Souza desabafa após ataques homofóbicos: 'Desejam que eu apanhe'