Menu
SADER_FULL
quarta, 23 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

STF julga quarta-feira ação sobre pensão de Zeca do PT

16 Abr 2007 - 04h45
Foi marcado para a próxima quarta-feira, dia 18 de abril, o julgamento pelo plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) da ação em que o Conselho Federal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) questiona a lei que recriou em Mato Grosso do Sul a pensão vitalícia para os ex- governadores do Estado. A pensão, que havia sido extinta na década de 89, foi ressuscitada por uma lei aprovada nos últimos dias do governo de Zeca do PT, que seria diretamente beneficiado.

O processo, protocolado em janeiro, teve o trâmite acelerado pela presidente do STF, ministra Ellen Gracie, já quando deu entrada, em despacho em que ela considera a matéria de urgência. Por isso mesmo, não houve apreciação do pedido de liminar para suspensão da pensão, pela ministra relatora, Carmem Lúcia Rocha, com o caso indo direito à votação dos 11 ministros que foram o pleno da Corte.

Todos os ministros receberam esta semana, na terça-feira, o documento em que a relatora dá seu voto sobre o assunto. A ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) havia sido inclusa na pauta temática sobre servidor público, seguindo a tendência que o Supremo adota já há alguns anos de fazer votações por assunto. Há na casa um outro processo análogo, questionando uma lei que beneficia ex-governadores do Amazonas, além de mais 13 processo relativos a servidor com o subtítulo “vencimentos e vantagens”. A ministra Carmem Lúcia solicitou na segunda-feira uma data para que o caso fosse ao julgamento do plenário do Supremo.

Pareceres - Tanto a AGU (Advocacia Geral da União) quanto a PGR (Procuradoria Geral da República) já se manifestaram favoravelmente ao pedido da OAB para que a lei seja considerada inconstitucional. Os argumentos foram parecidos. Um deles é que já houve apreciação semelhante, referente à criação de benefício aos ex-governadores no Estado do Pará, na Constituição daquele Estado, já considerado ilegal. Outro ponto citado é a não existência, na Constituição Federal, de previsão sobre benefícios a ex-governadores. Para defensores da ação, isso seria uma brecha para que a pensão fosse criada. Para os críticos, porém, o silêncio da lei maior do País não dá o direito aos estados de agirem com autonomia irrestrita.

O governo estadual não vinha pagando a pensão ao ex-governador Zeca do PT, que foi à Justiça e consegui uma decisão favorável, no dia 24 de março. O Estado já foi intimado a cumprir a decisão. Não há confirmação se o pagamento foi feito.
 
 
 
 
Dourados News

Deixe seu Comentário

Leia Também

PERSISTÊNCIA
Filho de faxineira e porteiro passa em medicina no Paraná
RENOVAÇÃO LICENÇA
Extinção de mais 130 rádios comunitárias no Brasil deve alcançar emissora de Ponta Porã
CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho