Menu
SADER_FULL
quinta, 15 de novembro de 2018
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

STF julga quarta-feira ação sobre pensão de Zeca do PT

16 Abr 2007 - 04h45
Foi marcado para a próxima quarta-feira, dia 18 de abril, o julgamento pelo plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) da ação em que o Conselho Federal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) questiona a lei que recriou em Mato Grosso do Sul a pensão vitalícia para os ex- governadores do Estado. A pensão, que havia sido extinta na década de 89, foi ressuscitada por uma lei aprovada nos últimos dias do governo de Zeca do PT, que seria diretamente beneficiado.

O processo, protocolado em janeiro, teve o trâmite acelerado pela presidente do STF, ministra Ellen Gracie, já quando deu entrada, em despacho em que ela considera a matéria de urgência. Por isso mesmo, não houve apreciação do pedido de liminar para suspensão da pensão, pela ministra relatora, Carmem Lúcia Rocha, com o caso indo direito à votação dos 11 ministros que foram o pleno da Corte.

Todos os ministros receberam esta semana, na terça-feira, o documento em que a relatora dá seu voto sobre o assunto. A ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) havia sido inclusa na pauta temática sobre servidor público, seguindo a tendência que o Supremo adota já há alguns anos de fazer votações por assunto. Há na casa um outro processo análogo, questionando uma lei que beneficia ex-governadores do Amazonas, além de mais 13 processo relativos a servidor com o subtítulo “vencimentos e vantagens”. A ministra Carmem Lúcia solicitou na segunda-feira uma data para que o caso fosse ao julgamento do plenário do Supremo.

Pareceres - Tanto a AGU (Advocacia Geral da União) quanto a PGR (Procuradoria Geral da República) já se manifestaram favoravelmente ao pedido da OAB para que a lei seja considerada inconstitucional. Os argumentos foram parecidos. Um deles é que já houve apreciação semelhante, referente à criação de benefício aos ex-governadores no Estado do Pará, na Constituição daquele Estado, já considerado ilegal. Outro ponto citado é a não existência, na Constituição Federal, de previsão sobre benefícios a ex-governadores. Para defensores da ação, isso seria uma brecha para que a pensão fosse criada. Para os críticos, porém, o silêncio da lei maior do País não dá o direito aos estados de agirem com autonomia irrestrita.

O governo estadual não vinha pagando a pensão ao ex-governador Zeca do PT, que foi à Justiça e consegui uma decisão favorável, no dia 24 de março. O Estado já foi intimado a cumprir a decisão. Não há confirmação se o pagamento foi feito.
 
 
 
 
Dourados News

Deixe seu Comentário

Leia Também

ENCONTRO DE GOVERNADORES
Em encontro de governadores com Bolsonaro, Reinaldo defende fronteira e reajuste da tabela SUS
VIOLENCIA DOMESTICA
Homem é esfaqueado por esposa que tem ciumes até da sombra
ENTROU ATIRANDO
VÍDEO: Pastor é baleado no altar durante o culto
TRAGEDIA
Ex-prefeito é morto pelo pai após ser confundido com assaltante
ACIDENTE DE TRANSITO
Caminhão passa por cima de veículos e explode em grave acidente
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Marilda (Letícia Spiller) é flagrada nua e finge ser uma assombração
BNDS
“Se não abrir a caixa preta do BNDES, está fora!”, diz Bolsonaro sobre Levy
FAMOSIDADES
Susana Vieira está com leucemia, mas a doença está controlado, diz assessoria
NOVELA GLOBAL
Marina Ruy Barbosa é a heroína de 'O sétimo guardião': 'Luz foge do tradicional'
CONSTRANGIMENTO
Claudia Leitte quebra silêncio e desabafa sobre polêmica com Silvio Santos