Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 21 de abril de 2019
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

STF julga pensão vitalícia de Zeca do PT no mês de agosto

23 Jul 2007 - 13h00

Três meses após a suspensão, o STF (Supremo Tribunal Federal) retoma no dia 1º de agosto o julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade 3.853, contra o pagamento da pensão vitalícia ao ex-governador Zeca do PT.

No dia 12 deste mês, liminar da presidente do órgão, ministra Ellen Gracie, determinou, ao acatar pedido da Procuradoria Geral do Estado, a cessão da aposentadoria vitalícia ao petista.

O julgamento da OAB (Adin da Ordem dos Advogados do Brasil) foi suspenso no dia 18 de abril deste ano, após o ministro Eros Grau pedir vista. A relatora do processo, ministra Carmem Lúcia Rocha, considerou inconstitucional a emenda à Constituição de Mato Grosso do Sul, que retomou o pagamento da pensão vitalícia a ex-governadores.

A Constituição Federal não prevê o benefício a ex-presidentes. Considerou que o pagamento do subsídio de R$ 22.111 viola o princípio da imoralidade pública. Ressaltou ainda que a Constituição veda a adoção de critérios diferenciados para a concessão de aposentadorias aos beneficiários do regime geral de previdência social. Citou ainda que não existe o cargo de ex-governador nos quadros do Estado.

Dois ministros, Ricardo Lewandowski e Sepúlveda Pertence, acompanharam o voto da relatora, pela procedência da Adin e suspensão do pagamento a Zeca. O voto de Eros Grau, que devolveu o processo no dia 13 de junho, será divulgado na sessão de retomada do julgamento da ação.

O Ministério Público Federal e a Advocacia Geral da União também se manifestaram pela inconstitucionalidade do benefício, que custaria R$ 287,4 mil anuais aos cofres públicos estaduais.

Suspensa

Contudo, o pagamento do benefício está suspenso neste mês. O Governo estadual recorreu ao Supremo contra a decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, que determinou o pagamento da aposentadoria ao ex-governador petista desde março deste ano. Zeca chegou a receber apenas os meses de março, abril, maio e junho, que totalizam R$ 88,4 mil.

Para obter a suspensão da segurança, o procurador-geral do Estado, Rafael Coldibelli Francisco, alegou que não havia fonte do custeio da pensão vitalícia e "grave lesão à ordem pública ante a inconstitucionalidade".

A presidente do Supremo reforçou, ao destacar, no despacho, que houve "grave lesão à economia pública" porque a pensão será paga "sem qualquer contraprestação de serviço público" e ameaçava a "execução orçamentária". A OAB ingressou com a Adin no final de janeiro passado.

Correio do Estado

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - DICA AGÊNCIA ECO TOUR
Confira agora os 5 passeios mais românticos de Bonito (MS)
EM ÁUDIO VAZADO
Em áudio, Onyx diz que governo deu 'uma trava na Petrobras', caminhoneiros podem ficar sossegados
EMOÇÃO E RECOMEÇO
Mãe e filho se reencontram em hospital após desabamento de prédios
ACIDENTE FATAL
Três morrem em explosão provocada por vazamento de botijão de gás
NOVA PARALISAÇÃO
Ala dividida de caminhoneiros falam em greve no próximo dia 29 em todo o Brasil
CAMPO BELO RESORT - PARAÍSO É AQUI
Com noite Árabe e Italiana, PACOTE do dia 03 a 05 de maio já disponível para o Campo Belo Resort
NEGLIGÊNCIA FUNCIONAL
Menino de 12 anos foge de casa, burla esquema de segurança e embarca em avião
DEU RUIM
Vítima reage e mata assaltante que tentava roubar camioneta em Toledo – ASSISTA VÍDEO
PAI MONSTRO
Pai é preso suspeito de estuprar e engravidar a filha de 11 anos
15 METROS DE ALTURA
MILAGRE – Menina de um ano que caiu do 4º andar de prédio não sofreu nenhuma fratura