Menu
LIMIT ACADEMIA
terça, 20 de novembro de 2018
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Sobretaxa ao camarão pode levar Brasil à OMC

30 Jul 2004 - 10h08
O Ministério das Relações Exteriores informou hoje que está estudando a forma de contestar, na Organização Mundial do Comércio (OMC), a decisão preliminar do Departamento de Comércio dos Estados Unidos de sobretaxar em até 67% as importações de camarão brasileiro.

O Departamento de Comércio dos Estados Unidos, órgão que verifica a existência ou não de práticas de dumping prejudiciais à indústria norte-americana, recomendou hoje a aplicação das tarifas. A recomendação é preliminar, mas já foi publicada no Diário Oficial dos Estados Unidos e a tarifa passa a valer a partir de amanhã.

De acordo com o Itamaraty, “o governo lamenta a decisão como lamenta qualquer iniciativa que restrinja o acesso de produtos brasileiros a mercados internacionais”. O Ministério da Relações Exteriores informou que a indústria brasileira de camarões apresenta elevado grau de qualidade e competitividade em razão de condições naturais favoráveis, técnicas modernas de produção e reduzidos custos relativos de capital.

A Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca divulgou nota ressaltando a preocupação do governo com a decisão americana devido à importância da produção de camarão para o Brasil e à importância dos Estados Unidos para a balança comercial brasileira. A Secretaria informou que vai se reunir com representantes da Associação Brasileira dos Criadores de Camarão, de Recife, para elaborar estratégias de acesso a mercados alternativos, caso a taxa de 67% sobre as importações seja mantida na recomendação final prevista para dezembro deste ano.

A Associação Brasileira dos Criadores de Camarão tem cinco dias para recorrer da decisão, segundo a Secretaria Especial de Pesca. A produção nacional de camarão está concentrada, basicamente, no Nordeste, região em que a atividade tem importância social, ao proporcionar geração de emprego e renda à população, e 37% das exportações brasileiras têm como destino os Estados Unidos. No ano passado, o Brasil exportou para os EUA 21,7 toneladas do produto, o que corresponde a US$ 96 milhões, de acordo com a Secretaria Especial de Pesca.

Desde 2003, os produtores americanos vêm acusando o Brasil de vender o produto enlatado e congelado a um preço abaixo do custo de produção, o que caracteriza a prática de dumping. Além do Brasil, o Equador, a Índia e a Tailândia também tiveram suas importações para os Estados Unidos sobretaxadas hoje. As tarifas definidas para a importação de camarão do Equador ficaram entre 6,08% e 9,35%; da Índia, entre 3,56% e 27,49%, e da Tailândia entre 5,56% e 10,25%.

Há 3 semanas, os Estados Unidos decidiram taxar também as importações de camarão da China e do Vietnã em alíquotas que variam de 7,67% e 112,81%. Os seis países que tiveram as vendas taxadas fornecem 75% do camarão consumido pelos americanos.
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem que matou filho para defender a nora comete suicídio
INJUSTIÇA
Familiares prestam homenagem a laçador de cães que morreu após ser hostilizado
FORAGIDO
Mulher é morta a facadas pelo ex-marido, que não aceitava fim de relacionamento
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Valentina conta a Egídio que Gabriel é filho dele
CRUELDADE
Idosa de 106 anos é assassinada a pauladas no Maranhão
NOVO GOVERNO
Desistência de general para ministério leva crise ao QG de Bolsonaro
ASSASSINATO
Câmeras flagram dupla efetuando mais de 30 tiros contra homem; veja o vídeo
TRISTEZA
Menino de 10 anos comete suicídio após a prisão do pai
MALDADE
Câmera de segurança flagra homem colocando fogo em casinha comunitária para cachorros
FATIMASSULENSES EM UBATUBA (SP)
Fatimassulenses, alunos do Vicente Pallotti fazem curso de biodiversidade marinha em Ubatuba (SP)