Menu
SADER_FULL
domingo, 26 de maio de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Sinfonia Ecológica reúne 5 mil na Praça Generoso Ponce em Corumbá

11 Jun 2007 - 14h52
Os corumbaenses assistiram ontem à noite um dos maiores espetáculos já realizados na cidade, num misto de música clássica e regional, dança e arte circense. A apresentação da Sinfonia Ecológica Brasileira, com a participação dos sul-mato-grossenses Grupo Acaba (Canta-Dores do Pantanal) e Tetê Espíndola, atraiu cerca  de cinco mil pessoas à praça Generoso Ponce.
 
A Sinfonia Ecológica Brasileira é um projeto da Prefeitura de Campinas, cujo prefeito, Hélio de Oliveira Santos (PDT), é corumbaense. À frente, se destaca a Orquestra Sinfônica Municipal da cidade paulista, fundada há mais de três décadas. O espetáculo, dirigido por José Possi Neto, recria o trajeto dos bandeirantes em busca do ouro e na fixação dos primeiros limites fronteiriços na então província de Mato Grosso, no século 16.
 
Ao lado desse simbolismo histórico, o espetáculo é também um grito de alerta: o planeta está doente. Cinco séculos depois da passagem das monções, os rios estão poluídos ou assoreados e a degradação ambiental retrata o custo da ocupação humana. No palco, músicos e bailarinos traduzem o que pode ser entendido como uma mea culpa através da arte.
 
O espetáculo visto pelos corumbaenses, com o apoio da Prefeitura de
Corumbá, integra a turnê que inclui as cidades de Campinas, São Paulo, Campo Grande e Havana (Cuba), para onde o grupo de 157 artistas embarca esta semana para duas apresentações.
 
Cheiro da terra - As apresentações do Grupo Acaba e de Tetê Espíndola são momentos marcantes do show. Eles cantam o Pantanal, um dos ecossistemas ainda preservados. O Acaba nasceu em 1967 para pesquisar e difundir o folclore e suas composições descrevem o homem, a fauna e a flora do Pantanal. Tetê, com sua voz inconfundível, aprendeu a cantar com os pássaros e também trilhou pelo caminho da ecologia, cujas músicas têm a densidade da imensidão pantaneira.
 
No show, com a participação da orquestra e de artistas da Companhia Cênica Nau de Ícaros e bailarinos da Academia Juliana Omati, ambos de Campinas, a música regional se sobrepõe na voz de Tetê e no ritmo das águas, entre cirandas e cururus, ditadas pelas composições dos Lacerda Moacir e Chico, nascidos em Porto Esperança.
 
Canções como Kananciuê, Piraretã, Pássaro Branco, As Moções, Vaca Tucura, Ciranda Pantaneira, Águas Irreais e Passarinhada ganham novos acordes e arranjos e emocionam o público. O Acaba contou com a participação do violonista Marcelo Loureiro, Sandro Moreno (bateria) e Tião César (acordeon), este também corumbaense de Porto Esperança.
 
 
 
Fátima News

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - VISITA ILUSTRE
Em Bonito (MS), Miss Brasil Júlia Horta destaca 'A energia daqui é inexplicável'
COISA DE DOIDO
Sucuri ataca bombeiro durante resgate em SP; assista!
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Governo dobra vagas de concurso da PF e convocações saem no fim do ano
FEMINICIDIO
Mulher é morta com 75 facadas pelo ex-marido após 25 anos de casamento
NEGLIGÊNCIA FUNCIONAL
'Peguei meu filho e achei que estivesse morto', diz mãe de criança dopada em creche
FÁTIMA DO SUL - O BOTICÁRIO
Confira o que tá na promoção que vai até este sábado no O Boticário em Fátima do Sul
BONITO - MS - DICA AGÊNCIA ECO TOUR
Visite Bonito (MS) na baixa temporada, saiba o porquê!
FÁTIMA DO SUL - TRATAMENTO COACH
De Nova Andradina, Vanessa recupera autoestima com tratamento 'Coach' Célia Tenório de Fátima do Sul
CASA BOCA SUJA
morador instala placas com palavrões nos muros de casa
MACABRO
Mulher é encontrada morta ao lado de uma oferenda