Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 12 de dezembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
DOURADOS

Sessão da Câmara é cancelada; mais de 300 pessoas manifestam no local

9 Set 2010 - 10h44Por Dourados Informa

Mais de 300 pessoas continuam em frente a Câmara Municipal de Dourados, onde aconteceria a primeira sessão após deflagrada a Operação Uragano.

A sessão foi cancelada após tumulto no início da sessão que seria presidida pelo vereador Aurélio Bonatto, envolvido no escândalo que envolveu outros oito vereadores, além do prefeito, primeira-dama, vice-prefeito entre outras pessoas entre Secretários e empresários.

Bonatto iria presidir a sessão mas ao tentar dar início, foi alvo de manifestantes e atingido com uma sapatada e por uma chuva de moedas. Ele e o vereador Tio Julio Artuzi, saíram do plenário escoltados por policiais. Um homem foi detido pelos policiais.

O trânsito está complicado nas imediações e não está fluindo. A informação é de que o congestionamento é de mais ou menos cinco quadras.

Informações preliminares dão conta de que a sessão deverá ser realizada na próxima segunda-feira (13).

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Aranha descobre marca de pata de gato de Gabriel, tira foto e conta aos guardiã
SUSTO
Celular pega fogo no bolso da calça e deixa homem com queimaduras na perna e mãos
PROCURADO
Com prisão decretada desde setembro, Dado Dolabella é considerado foragido da Justiça
DICAS DE MARKETING
5 dicas de marketing para um negócio de dropshipping
CRIME HEDIONDO
Câmera flagra ataque de suspeito de estuprar garota de 14 anos em SP; vídeo
TERROR
Ataque dentro da Catedral deixa ao menos cinco mortos em Campinas
REVIDE
Passageiro atropelado por motorista de aplicativo após vomitar em carro está em coma
A SERVIÇO DE DEUS
Angela Bismarchi festeja diploma para ser pastora: ‘Eu era pecadora e não sabia’
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Luz dá caixa com terra de cova de Gabriel para Valentina
INTOCÁVEL
PF pediu prisão domiciliar de Aécio, Cristiane Brasil e Paulinho da Força, mas PGR e STF não concede