Menu
LIMIT ACADEMIA
sábado, 23 de fevereiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CONTAINER
Brasil

Serra defende reformulação total do Exame Nacional do Ensino Médio

15 Out 2010 - 16h40Por G1

O candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, defendeu nesta sexta-feira (15), em evento com professores em São Paulo, a reformulação total do Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem.

"O Enem tem que ser refeito, tudo. Porque a utilização política, propagandística, acabou arruinando o Enem. Já nem falo do uso eleitoral disso, de correspondências aproveitadas com dados cadastrais do Enem, mas digo a substância mesmo, a falta de planejamento", afirmou o tucano em entrevista.

O exame, criado ainda no governo Fernando Henrique Cardoso, em 1998, avalia o desempenho de estudantes das redes pública e privada que concluíram o ensino médio no ano da prova ou em anos anteriores. Hoje já substitui o vestibular em cerca de 92 mil vagas de universidades federais. Em 2009, após reformulação do exame pelo governo Luiz Inácio Lula da Silva, a prova do Enem foi furtada após ser impressa. O vazamento das questões causou o adiamento do exame. Em agosto deste ano, dados pessoais de inscritos vazaram na internet.

Em discurso de cerca de meia hora, o ex-governador de São Paulo fez referência ao vazamento cadastral ao classificar o Enem como "sintese da desmoralização" do ensino médio no país.

"Hoje isso acabou virando instrumento de perigo para estudantes universitários que tiveram o cadastro de suas vidas exposto à manipulação de bandidos", disse Serra, que defendeu uma "reforma estrutural" no ensino médio. "É obsoleto, ineficiente, custoso e cruel com a juventude, porque não lhe abre portas para o futuro", disse.

Críticas ao ensino superior federal
O presidenciável também reservou críticas ao ensino superior federal. Apontou falta de articulação com o ensino superior privado e o oferecido por estados e municípios. "É uma total descoordenação", definiu.

Sem citar números, o tucano apontou redução no número de formandos no ensino superior federal durante o governo Luiz Inácio Lula da Silva, defendendo o indicador como melhor forma de avaliar o dsempenho do setor.

Para defender a atuação da gestão petista no setor, o presidente Lula e a campanha de Dilma Rousseff apontam com frequência o maior número de universidades federais criadas pelo PT no Planalto.


O encontro do Dia do Professor organizado pela campanha tucana reuniu cerca de mil pessoas, a maior parte educadores das redes municipal e estadual na Grande São Paulo.

O candidato, que se definiu como professor ("Foi praticamente a única atividade que tive"), defendeu políticas para o setor adotadas por gestões tucanas na Prefeitura de São Paulo e no governo do estado, como o emprego de duas professoras por sala no primeiro ano do ensino fundamental e a instituição de bônus por desempenho.

Serra também criticou o sindicato dos professores do estado de São Paulo, que tem um histórico de greves e confrontos com a gestão tucana no estado. Apontou "aparelhamento político" no sindicalismo da educação paulusta, citando como exemplo multa de R$ 7.000 aplicada em maio pela Justiça Eleitoral ao Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), por propaganda eleitoral negativa contra sua candidatura.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PEDOFILIA
Babá de 15 anos recebia dinheiro para ter relações com patrão
PREOCUPANTE
Mineradora declara situação de emergência em barragem de Araxá
INTOLERANCIA RELIGIOSA
Delegado solicita ida à casa do 'BBB 19' para interrogar Paula, investigada por intolerância
RESUMO DAS NOVELAS
Mercedes convoca Murilo para uma conversa
CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico