Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 14 de novembro de 2018
SADER_FULL
Busca
SICREDI_FATIMA
Brasil

Senadores pedem saída; Renan diz que fica

3 Jul 2007 - 17h35
 plenário do Senado foi palco na tarde desta terça-feira (3) de pedidos para que Renan Calheiros (PMDB-AL) deixe a presidência da Casa. Presidindo a sessão, Renan avisou que não pretende ceder à pressão. 
 
"Sucumbir à sedução de um pseudo clamor é incompatível com a coragem e honradez que tenho me pautado. Com serenidade, entendo que devo permanencer na presidência, mesmo que, com isso, contrarie apetites políticos de ocasião", disse Renan.
 
O presidente do Senado se manifestou após discurso feito na tribuna pelo líder do PSDB, Arthur Virgilio (AM), para anunciar a posição oficial do partido de defender seu afastamento do cargo durante o processo contra ele. Renan é acusado de receber ajuda de um lobista para pagar despesas pessoais.
 
"O PSDB entende que, neste momento, com esse gesto, Vossa Excelência teria o direito a ampla defesa", disse. "Não é com prazer que PSDB sugere esse caminho. Mas esse julgamento precisa ter dois pressupostos: amplo direito de defesa e ampla investigação sobre os fatos", disse Virgilio.
 
Logo depois das falas de Virgilio e Renan, foi a vez de o presidente do PSDB, Tasso Jereissati (CE), reafirmar a posição tucana. Renan ainda teve que ouvir o senador Cristovam Buarque (PDT-DF) fazer o mesmo apelo. "Reafirmo que, em nome da Casa que o senhor jurou defendê-la, entendo que é melhor para o Senado que esse processo seja feito com outra pessoa no seu lugar provisoriamente", afirmou.
 
Ao chegar no plenário, Renan cumprimentou Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) e Pedro Simon (PMDB-RS), desafetos no PMDB, e o líder do Democratas, José Agripino (RN), que também defende seu afastamento do cargo.
 
 
 Desgaste
A decisão da Mesa Diretora do Senado de devolver nesta terça ao Conselho de Ética o processo contra Renan aumentou o desgaste contra ele entre os colegas. No Senado, o clima nesta tarde é de que Renan se enfraqueceu politicamente depois da tentativa frustrada de arquivar o processo por meio da Mesa Diretora.
 
O presidente do Senado chegou a pedir para que a Mesa solicitasse o aval do plenário sobre o futuro de seu processo. Preocupado com uma derrota, que politicamente o enfraqueceria ainda mais, Renan recuou. Sem maioria na Mesa, não quis enfrentar os colegas em plenário e teve que aceitar o retorno da investigação ao Conselho, onde seus aliados são minoria.
 
A postura oficial do PSDB e do PDT de pedir nesta terça seu afastamento imediato do cargo deixou Renan apenas com o apoio da ala governista do PMDB e de alguns senadores da base do governo.
 
Dentro da base, aliás, Renan já perdeu aliados como Renato Casagrande (PSB-ES), Eduardo Suplicy (PT-SP), Augusto Botelho (PT-RR) e Aloizio Mercadante (PT-SP), que defendem uma investigação profunda sobre o caso. "É a imagem da instituição em jogo", diz o líder do Democratas, José Agripino (RN).
 
Da tropa de choque de Renan, poucos aparecem para defendê-lo publicamente. A tarefa tem sido comandada pelo líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), principal interlocutor de Renan durante a crise. Já José Sarney (PMDB-AP) tem sido um dos principais conselheiros, mas não se manifesta aos jornalistas. Nos últimos dias, o líder do PMDB no Senado, Valdir Raupp (RO), não faz mais a defesa de Renan como antes.
 
Já a líder do PT, Ideli Salvatti (SC), chegou a liderar com Jucá o grupo pró-Renan, mas, pressionada pela bancada, recuou e agora passa a defender, pelo menos, a investigação. Ideli teve que ler em plenário uma nota aprovada pela bancada do PT em defesa da posição da Mesa Diretora de devolver o processo ao Conselho de Ética.

 

 

G1


Deixe seu Comentário

Leia Também

ENCONTRO DE GOVERNADORES
Em encontro de governadores com Bolsonaro, Reinaldo defende fronteira e reajuste da tabela SUS
VIOLENCIA DOMESTICA
Homem é esfaqueado por esposa que tem ciumes até da sombra
ENTROU ATIRANDO
VÍDEO: Pastor é baleado no altar durante o culto
TRAGEDIA
Ex-prefeito é morto pelo pai após ser confundido com assaltante
ACIDENTE DE TRANSITO
Caminhão passa por cima de veículos e explode em grave acidente
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Marilda (Letícia Spiller) é flagrada nua e finge ser uma assombração
BNDS
“Se não abrir a caixa preta do BNDES, está fora!”, diz Bolsonaro sobre Levy
FAMOSIDADES
Susana Vieira está com leucemia, mas a doença está controlado, diz assessoria
NOVELA GLOBAL
Marina Ruy Barbosa é a heroína de 'O sétimo guardião': 'Luz foge do tradicional'
CONSTRANGIMENTO
Claudia Leitte quebra silêncio e desabafa sobre polêmica com Silvio Santos