Menu
SADER_FULL
domingo, 24 de junho de 2018
PASSARELA
Busca
DR. SHAPE
Brasil

Senado votará extinção de impostos de não-sindicalizados

11 Nov 2004 - 07h46
Representantes de sindicatos e confederações de trabalhadores conseguiram hoje obter no Senado a promessa de que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) apreciará na próxima semana o projeto de Decreto Legislativo que derruba a portaria 160/04 do Ministério do Trabalho e Emprego.

A portaria, que está em vigor desde maio, acaba com a cobrança de imposto confederativo e assistencial dos empregados não sindicalizados, exceto quando o trabalhador autorizar o desconto. Representantes da Força Sindical, Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT), Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), Social Democracia Sindical (SDS) e Fórum Sindical dos Trabalhadores (FST) argumentam que o fim do imposto trará problemas financeiros aos sindicatos. De acordo com o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, a portaria é "um ato burocrático". "Se a contribuição for cortada, a maioria dos sindicatos não sobreviverá por mais de três meses", destacou.

O projeto que revoga a portaria do ministério foi apresentado pelo senador Paulo Paim (PT-RS). A proposta foi entregue hoje ao presidente da CCJ, senador Edison Lobão (PFL-MA) e será o primeiro item da pauta a ser votada pela comissão na próxima terça-feira (16). No projeto, Paim argumenta que o ministério extrapolou suas atribuições ao editar a portaria. "Cabe ao Congresso Nacional a competência para legislar sobre a matéria referente ao desconto em folha de pagamento de salário das contribuições sindicais."

Questionado sobre o direito do trabalhador não sindicalizado de autorizar ou não o desconto em folha, Paim declarou que, ao abrir mão do pagamento do imposto, os trabalhadores teriam de "abrir mão do dissídio coletivo e de todos os benefícios que eles passam a ter a partir do dissídio". Quando o sindicato negocia, diz Paim, "ele não negocia só para o associado, que tem direitos específicos. O sindicato negocia para toda a categoria, que passa a ter uma série de benefícios. Se eles têm benefícios, eles devem participar ativamente da vida sindical ".

Segundo José Schult, da Confederação dos Trabalhadores no Comércio, a contribuição é utilizada para arcar com os custos de processos jurídicos do sindicato. "Não seria justo um associado pagar a contribuição e um não associado não pagar, uma vez que o sindicato representa a categoria, e todas as suas conquistas beneficiam a todos os integrantes dessa categoria".

O presidente do PPS, deputado Roberto Freire, afirmou que o partido apoiará qualquer decisão que derrube a portaria do ministério do Trabalho. O senador Jorge Bornhausen (SC), presidente do PFL, também declarou que toda a bancada votará contra a decisão do ministério.

Depois de ser votado pela CCJ, o projeto de Decreto Legislativo será apreciado pelo plenário do Senado.
 
 
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVELA GLOBAL
'Segundo Sol': Laureta revela para a família de Rosa que ela é prostituta
GOVENO NÃO CUMPRE
Caminhoneiros anunciam nova paralisação, mas trabalhadores de MS não devem participar
RAIVA HUMANA
Morte de turista por raiva humana é confirmada em Ubatuba
NOVELA GLOBAL
Valentim sofre grave acidente de carro
INACEITAVEL
Mãe de jovem morto no Rio: “É um Estado doente que mata criança com roupa de escola”
HAJA CORAÇÃO
Neymar é o autor do gol mais tardio, em tempo normal, de uma Copa na história
COPA DO MUNDO
No sufoco, Brasil supera a Costa Rica e consegue primeira vitória na Copa do Mundo
NOVELA GLOBAL
Segundo Sol: Rosa coloca fim em relação com Ícaro e ele toma atitude
SAUDE
Mulher dá a luz em calçada no Cajuru
FAMOSIDADES
Ex-apresentadora do ‘Vídeo show’, Alinne Prado sofre assalto a mão armada dentro de casa