Menu
LIMIT ACADEMIA
segunda, 24 de setembro de 2018
SADER_FULL
Busca
DR. SHAPE
Brasil

Senado votará extinção de impostos de não-sindicalizados

11 Nov 2004 - 07h46
Representantes de sindicatos e confederações de trabalhadores conseguiram hoje obter no Senado a promessa de que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) apreciará na próxima semana o projeto de Decreto Legislativo que derruba a portaria 160/04 do Ministério do Trabalho e Emprego.

A portaria, que está em vigor desde maio, acaba com a cobrança de imposto confederativo e assistencial dos empregados não sindicalizados, exceto quando o trabalhador autorizar o desconto. Representantes da Força Sindical, Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT), Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), Social Democracia Sindical (SDS) e Fórum Sindical dos Trabalhadores (FST) argumentam que o fim do imposto trará problemas financeiros aos sindicatos. De acordo com o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, a portaria é "um ato burocrático". "Se a contribuição for cortada, a maioria dos sindicatos não sobreviverá por mais de três meses", destacou.

O projeto que revoga a portaria do ministério foi apresentado pelo senador Paulo Paim (PT-RS). A proposta foi entregue hoje ao presidente da CCJ, senador Edison Lobão (PFL-MA) e será o primeiro item da pauta a ser votada pela comissão na próxima terça-feira (16). No projeto, Paim argumenta que o ministério extrapolou suas atribuições ao editar a portaria. "Cabe ao Congresso Nacional a competência para legislar sobre a matéria referente ao desconto em folha de pagamento de salário das contribuições sindicais."

Questionado sobre o direito do trabalhador não sindicalizado de autorizar ou não o desconto em folha, Paim declarou que, ao abrir mão do pagamento do imposto, os trabalhadores teriam de "abrir mão do dissídio coletivo e de todos os benefícios que eles passam a ter a partir do dissídio". Quando o sindicato negocia, diz Paim, "ele não negocia só para o associado, que tem direitos específicos. O sindicato negocia para toda a categoria, que passa a ter uma série de benefícios. Se eles têm benefícios, eles devem participar ativamente da vida sindical ".

Segundo José Schult, da Confederação dos Trabalhadores no Comércio, a contribuição é utilizada para arcar com os custos de processos jurídicos do sindicato. "Não seria justo um associado pagar a contribuição e um não associado não pagar, uma vez que o sindicato representa a categoria, e todas as suas conquistas beneficiam a todos os integrantes dessa categoria".

O presidente do PPS, deputado Roberto Freire, afirmou que o partido apoiará qualquer decisão que derrube a portaria do ministério do Trabalho. O senador Jorge Bornhausen (SC), presidente do PFL, também declarou que toda a bancada votará contra a decisão do ministério.

Depois de ser votado pela CCJ, o projeto de Decreto Legislativo será apreciado pelo plenário do Senado.
 
 
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

FUGA FRACASSADA
Tentativa de fuga termina com agente de cadeia e detentos feridos
ASSASSINATO
Por quebrar "pacto de sangue" homem é assassinado juntamente com amigo
NOVELA GLOBAL
'Segundo sol': Mistérios sobre passado de Karola começam a ser revelados
CORRIDA PRESIDENCIAL
Haddad continua disparada em pesquisa do BTG e se consolida no 2º turno
CASAL BRUMAR
Bruna Marquezine e Maraina Ruy Barbosa se afastam e climão na Itália alerta internautas
MARIA DA PENHA
Após deixar hospital, mulher esfaqueada pelo ex diz: 'Não deixe passar em vão'
CAPITULO FINAL
Saiba tudo que vai acontecer no fim de 'Orgulho e paixão'
MUTANTE
Grife inova em passarela com modelos de 'três seios'
EMBOSCADA
Homem é assassinado na frente do filho de seis anos
FAMOSIDADES
Xuxa rompe silêncio sobre Marlene Mattos e traições de Pelé: ‘Me fez coisas muito feias’