Menu
SADER_FULL
segunda, 17 de junho de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Senado aprova MPs e deve votar projeto de informática

12 Ago 2004 - 10h28

Em duas sessões, que duraram quase nove horas, o Plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (11) cinco medidas provisórias que desde o recesso de meio de ano vinham obstruindo a pauta de votações de projetos comuns e emendas constitucionais. Com isso, o plenário recomeça a votar nesta quinta-feira (12) projetos e emendas constitucionais, desde que haja acordo em torno de um projeto que muda a Lei de Informática.

O projeto sobre informática tem prioridade sobre as outras matérias, inclusive os destaques apresentados à reforma do Judiciário, pois recebeu pedido de urgência constitucional, assinado pelo presidente da República. No entanto, o governo não conseguiu fechar um acordo com o líder do PSDB, senador Arthur Virgílio (AM), que reivindica mudanças em pontos do projeto, com os quais os governistas não concordam.

 Dois pontos deste projeto provocam os atritos. No primeiro, o governo não concorda com uma anistia fiscal a empresas de produção de informática e televisão, incluída pelos deputados, que não investiram em tecnologia para ter direito a isenções fiscais. O líder do governo, Aloizio Mercadante (PT-SP), sustentou à imprensa que só uma empresa teria uma anistia de R$ 700 milhões, se o Senado homologar o projeto como saiu da Câmara. No máximo, ele disse que o governo aceita negociar para que o dinheiro seja pago em parcelas.

O segundo ponto de atrito se refere a uma reivindicação dos fabricantes de televisores instalados na Zona Franca de Manaus. Por lei, eles têm exclusividade de produção de tubos de imagem de televisão. Como a tecnologia tem avançado e os monitores de computadores passaram a ser usados também como televisores (desde que o computadores recebam alguns equipamentos e programas), os fabricantes de Manaus querem também exclusividade na produção de monitores de computadores. O problema é que algumas empresas de informática, instaladas fora do Amazonas, estão investindo para essa produção e, obviamente, não concordam com a extensão da exclusividade.

Com esse impasse, fica indefinida a votação final da reforma do Judiciário, como foi acertado entre os líderes partidários na segunda-feira (9). Se não houver acordo sobre o caso de informática até a manhã desta quinta (12), e se o governo não mobilizar sua base para votar como quer as mudanças na informática, os destaques apresentados à reforma do Judiciário só voltarão a debate na última semana deste mês, quando haverá novo esforço concentrado para votação de matérias. Na próxima semana, não haverá votação, para que os parlamentares participem da campanha eleitoral em seus estados. Serão feitas sessões não-deliberativas, apenas para comunicação partidária e discursos.

 

 

Agência Senado

Deixe seu Comentário

Leia Também

SOLIDARIEDADE
Bebê nasce sem os olhos e mobiliza cidade do Paraná
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Pai mata filho de quatro anos e se mata por não aceitar fim do relacionamento
ASSASSINATO
Marido da deputada é morto a tiros
MULHER DO PRESIDENTE
Esposa de Jair Bolsonaro cai na internet, fotos íntimas são exibidas e todos ficam sem acreditar
DOURADOS - MANIFESTAÇÕES
Dono da Havan manda 'recado' a manifestantes após protesto em frente a loja de Dourados
VENENOSA
Agricultor é picado por cobra jararaca
FORÇA DE VONTADE
Advogado que pedia emprego na rua é contratado e ganha pós-graduação
CASO DE POLÍCIA
Filho mata a mãe e rouba seu cartão para comprar cocaína
EQUIPARADO AO RACISMO
Agora Homofobia é crime, STF criminaliza
DOENÇA DO SÉCULO
Jovem de 19 anos com depressão comete suicídio e choca cidade