Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 18 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Sem acordo, bancários buscam apoio em Brasília

5 Out 2004 - 13h34

Em greve há 21 dias, os bancários vão nesta terça-feira a Brasília em busca de apoio para o movimento. Um dos objetivos é conseguir uma audiência com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Palácio do Planalto.

Ontem, os bancários enviaram uma carta ao presidente da Fenaban, Márcio Cypriano, e para as direções dos bancos públicos com uma contraproposta de 19% de reajuste - a primeira pedida foi de 25% -, além da solicitação de reabertura das negociações.

A proposta foi negada nesta terça-feira pela Fenaban, que manteve a proposta de 8,5% de reajuste, a mesma desde o início da greve.

Os bancários analisaram seis propostas apresentadas em assembléias regionais e definiram por um reajuste de 19%. A Executiva também vai reivindica um abono de R$ 1.500 para todos os bancários e o não desconto dos dias parados.

Para os funcionários dos bancos públicos, a Executiva Nacional solicita a reabertura das negociações dos pontos específicos com as direções de BB, CEF, Basa e BNB.

A Executiva Nacional dos Bancários também decidiu visitar nesta terça-feira o Congresso Nacional, a Esplanada dos Ministérios e o Palácio do Planalto para conquistar apoio de deputados, senadores e ministros.

"Enquanto isto, os bancários de todo o Brasil devem fortalecer e ampliar a greve em todos os bancos, tanto públicos como privados. Até nas cidades onde houve refluxo da greve é preciso fortalecê-la para conseguirmos ampliar as conquistas, pois agora estamos num momento decisivo desta campanha salarial", disse Vagner Freitas, presidente da CNB/CUT e coordenador da Executiva Nacional dos Bancários.

A greve dos bancários chegou nesta terça-feira ao seu 21º dia dando sinais de cansaço. Em São Paulo, o número de locais paralisados pelo movimento, que já foi de mais de 370, fechou o 20º dia ao redor de 100, nas contas do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região.

O sindicato paulista promove nesta terça-feira uma nova passeata, depois da assembléia marcada para as 16 horas. A entidade reiterou que o pagamento de pensões a beneficiários do INSS não está prejudicado pelo movimento.

Segundo a CNB, mesmo enfraquecida, a greve se mantém em 24 capitais. "A orientação é que a greve continue e se fortaleça onde sofreu algum tipo de recuo", disse o porta-voz.

Deixe seu Comentário

Leia Também

LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos
LUTO NA MÚSICA
Cantor sertanejo Marciano morre aos 67 anos, vítima de enfarto
CARNAVAL É NO CAMPO BELO RESORT
Carnaval é no Campo Belo Resort, reserve já seu lugar nesse bloco - Confira os pacotes
MS EM ALERTA
Meteorologia alerta para a possibilidade de chuva forte no fim de semana no MS
DECEPCIONADA
Regina Duarte surpreende e se posiciona contra atitude de Bolsonaro
SATÂNICO
Mulheres são presas acusadas de torturar criança de apenas dois anos que teve rosto desfigurado
INSPIRAÇÃO
Idoso se forma em Direito aos 94 anos, após morte da esposa
POLEMICA
Movimento Gay quer tirar Bíblia de circulação no Brasil, diz Damares
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem atira em esposa e se mata com granada
SUPERAÇÃO
Pedreiro cadeirante enfrenta difilculdades e sustenta a família trabalhando em obras