Menu
SADER_FULL
segunda, 19 de novembro de 2018
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Selic cai 125 pontos-base até o final do ano, prevê economista

13 Jul 2007 - 08h28
A Selic terá uma nova queda de 50 pontos-base na próxima reunião do Copom, pelo menos é o que espera o economista-chefe do Unibanco, Marcelo Salomon. Em entrevista para o Conta Corrente, da Globo News, ele previu duas novas reduções da taxa básica de juros da economia até o final do ano.

"Existe espaço para cortar mais uma (queda de 50 pontos-base, no mês de setembro)", antecipou o economista. "Em outubro/novembro, o BC dá uma sinalização de 25 pb e faz uma pausa em dezembro", prognosticou.

O economista disse ainda que o caminho para diminuir a especulação cambial seria justamente uma menor intervenção do Banco Central no mercado de câmbio: "Eu acho que, à medida que ele deixasse se apreciar um pouco mais (o real), as apostas especulativas seriam um pouco menores na margem."

Para o economista, a taxa de juros deixou de ser a única responsável pela valorização do real. O sucesso da balança comercial, puxado pela valorização de commodities, seria outro fator importante dessa equação. "Independente da taxa de câmbio nominal que a gente vem experimentando no Brasil, a exportação é cada vez mais crescente. E tem-se um fluxo de câmbio cada vez maior", ponderou Marcelo Salomon. "Então é uma situação muito complexa, não é uma história de juros", prosseguiu o economista-chefe do Unibanco. Segundo ele, a entrada de capital especulativo é uma boa notícia para o País.

Apagão – O crédito e a redução dos juros devem continuar alimentando o crescimento da economia brasileira, prevê o economista. Porém, ele afirma que o País precisa investir mais em infra-estrutura para que não se repitam os problemas enfrentados pela Argentina. "O que eu gostaria de ver é uma postura mais pró-investimento de infra-estrutura do governo", salientou Marcelo Salomon.

Ele aproveitou para ironizar as declarações do ministro da Fazenda de que o crescimento moderado no Brasil seria parte de estratégia para evitar o apagão. "Deveria ser uma causalidade inversa: o governo trabalhando mais, incentivando mais investimentos para se acreditar que o País vai crescer de uma maneira muito mais rápida no futuro, sem ter risco de apagão logístico, aéreo, ou qualquer outro que seja", alfinetou.

 

 

AE

Deixe seu Comentário

Leia Também

FORAGIDO
Mulher é morta a facadas pelo ex-marido, que não aceitava fim de relacionamento
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Valentina conta a Egídio que Gabriel é filho dele
CRUELDADE
Idosa de 106 anos é assassinada a pauladas no Maranhão
NOVO GOVERNO
Desistência de general para ministério leva crise ao QG de Bolsonaro
ASSASSINATO
Câmeras flagram dupla efetuando mais de 30 tiros contra homem; veja o vídeo
TRISTEZA
Menino de 10 anos comete suicídio após a prisão do pai
MALDADE
Câmera de segurança flagra homem colocando fogo em casinha comunitária para cachorros
FATIMASSULENSES EM UBATUBA (SP)
Fatimassulenses, alunos do Vicente Pallotti fazem curso de biodiversidade marinha em Ubatuba (SP)
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Gabriel se declara para Luz e os dois se beijam
MULHERES TEM QUE DENUNCIAR
Jovem posta foto com rosto inchado para denunciar agressão do namorado