Menu
SADER_FULL
sexta, 24 de maio de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Selic cai 125 pontos-base até o final do ano, prevê economista

13 Jul 2007 - 08h28
A Selic terá uma nova queda de 50 pontos-base na próxima reunião do Copom, pelo menos é o que espera o economista-chefe do Unibanco, Marcelo Salomon. Em entrevista para o Conta Corrente, da Globo News, ele previu duas novas reduções da taxa básica de juros da economia até o final do ano.

"Existe espaço para cortar mais uma (queda de 50 pontos-base, no mês de setembro)", antecipou o economista. "Em outubro/novembro, o BC dá uma sinalização de 25 pb e faz uma pausa em dezembro", prognosticou.

O economista disse ainda que o caminho para diminuir a especulação cambial seria justamente uma menor intervenção do Banco Central no mercado de câmbio: "Eu acho que, à medida que ele deixasse se apreciar um pouco mais (o real), as apostas especulativas seriam um pouco menores na margem."

Para o economista, a taxa de juros deixou de ser a única responsável pela valorização do real. O sucesso da balança comercial, puxado pela valorização de commodities, seria outro fator importante dessa equação. "Independente da taxa de câmbio nominal que a gente vem experimentando no Brasil, a exportação é cada vez mais crescente. E tem-se um fluxo de câmbio cada vez maior", ponderou Marcelo Salomon. "Então é uma situação muito complexa, não é uma história de juros", prosseguiu o economista-chefe do Unibanco. Segundo ele, a entrada de capital especulativo é uma boa notícia para o País.

Apagão – O crédito e a redução dos juros devem continuar alimentando o crescimento da economia brasileira, prevê o economista. Porém, ele afirma que o País precisa investir mais em infra-estrutura para que não se repitam os problemas enfrentados pela Argentina. "O que eu gostaria de ver é uma postura mais pró-investimento de infra-estrutura do governo", salientou Marcelo Salomon.

Ele aproveitou para ironizar as declarações do ministro da Fazenda de que o crescimento moderado no Brasil seria parte de estratégia para evitar o apagão. "Deveria ser uma causalidade inversa: o governo trabalhando mais, incentivando mais investimentos para se acreditar que o País vai crescer de uma maneira muito mais rápida no futuro, sem ter risco de apagão logístico, aéreo, ou qualquer outro que seja", alfinetou.

 

 

AE

Deixe seu Comentário

Leia Também

CASA BOCA SUJA
morador instala placas com palavrões nos muros de casa
MACABRO
Mulher é encontrada morta ao lado de uma oferenda
AMOR AO PRÓXIMO
Acidentada e abandonada, idosa é adotada por mulher de 30 anos
TRISTEZA
Morre menina que teve o corpo queimado em tentativa de furto em oleoduto, em Duque de Caxias
CONCORRENCIA
Padre Fabio de Mello reclama de Bradesco na internet e é disputado por concorrentes
TRAGEDIA NO CHILE II
Morta com a família no Chile, jovem havia ganhado viagem de presente de 15 anos
MILIONARIO
Aposta de Aramina-SP fatura mais de R$ 11 milhões na Mega-Sena
TRAGÉDIA NO CHILE
Seis brasileiros são achados mortos em apartamento em Santiago, no Chile
BARBÁRIE
Mulher sobrevive a tentativa de feminicídio, mas fica tetraplégica
MAIOR PEDRA DO MUNDO
Homem de 51 anos passa por cirurgia e tem pedra de 1,3 Kg na bexiga