Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 22 de fevereiro de 2019
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Segurança alimentar e nutricional cresce com a agroecologia

24 Set 2010 - 17h26Por Agência Notisa

A alimentação saudável é um dos pilares da promoção de saúde. Mas para que ela ocorra de maneira realmente eficiente, o seu modo de produção também deve ser lavado em consideração. No estudo “Diálogo entre agroecologia e promoção da saúde”, publicado este ano na Revista Brasileira em Promoção da Saúde, Thaisa Navolar, Silvia Rigon e Jane Maria Philippi mostram como a agricultura ecológica ou sustentável tem importante papel nesse processo.

A pesquisa mostra que, a partir da década de 60, o país estimulou a utilização de sementes híbridas selecionadas, fertilizantes químicos, agrotóxicos, drogas veterinárias e maquinário pesado na agricultura com a justificativa de que eram necessários para garantir um aumento na produção de alimentos e, consequentemente, para o combate à fome. Mas, as autoras contestam que, apesar de tal modelo ter registrado um aumento relativo da produção de alimentos, o problema da fome não foi solucionado.

“Fato que comprovou que tal problemática não se deve a uma produção insuficiente de alimentos e sim à má distribuição de renda e à desigualdade social, que impedem o acesso a uma alimentação adequada e saudável para todos”, dizem no artigo.

Além de não ter acabado com a fome, a prática dessa agricultura trouxe efeitos negativos à saúde humana e ao ambiente. “Diversos estudos têm revelado os problemas de saúde causados pela utilização dos agroquímicos, sobretudo para os agricultores”, explicam. Além do impacto sobre a saúde humana, a pesquisa mostra que o uso de agroquímicos traz graves danos ao meio ambiente, como a contaminação de sistemas hídricos superficiais e subterrâneos.

Para reverter os impactos econômicos e ambientais da agricultura industrial, surgiu então, nas décadas de 70 e 80, a agroecologia. “A agroecologia apresenta o potencial para fazer florescer novos estilos de agricultura e processos de desenvolvimento rural sustentáveis que garantam a máxima preservação ambiental, enfatizando princípios éticos de solidariedade”, explicam no texto.

A sustentabilidade é, de acordo com as pesquisadoras, a ideia central da agroecologia, na qual mediante estratégias produtivas de uso da terra é possível conquistar a autossuficiência alimentar de determinadas comunidades.

Elas explicam que a prática da agricultura ecológica possibilitou a construção de condições materiais e imateriais para mudanças positivas na vida das famílias rurais entrevistadas, sobretudo relativas à situação alimentar e de saúde, além de ter contribuído para uma melhora na situação econômica dos agricultores em função da comercialização dos alimentos produzidos.

“Tais desdobramentos e a valorização do trabalho que passa a ser realizado pelas famílias ecologistas abrem perspectivas positivas de permanência no campo, reduzindo assim as chances do êxodo rural. Por outro lado, a produção de alimentos mais saudáveis contribui para a segurança alimentar e nutricional dos consumidores urbanos e também dos camponeses”, dizem.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico
REFORMA DA PREVIDÊNCIA
Aposentadoria é para viver, não para receber só à beira da morte
CHANTAGEM
Ladrões invadem estabelecimentos, obrigam funcionárias a tirarem a roupa, filmam e extorquem vítimas
FORAGIDO
Atirador invade escritório de advocacia e mata duas pessoas
BBB 19
Rízia chora por estar acorrentada: 'Vontade de desistir'
LARANJADA
Deputados do PSOL distribuem laranjas na chegada de Bolsonaro à Câmara
AMOR A PROFISSÃO
Pedreira caprichosa viraliza com trabalho detalhista e ganha novos clientes
FÁTIMA DO SUL - O BOTICÁRIO
O Boticário apresenta Quasar Brave, venha conferir no O Boticário em Fátima do Sul
SUPERAÇÃO
Jovem que morou 5 anos nas ruas se forma em Direito