Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 24 de agosto de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Secretária Municipal aponta alternativa para crise HU de CG

14 Set 2004 - 07h42
Uma solução para a crise no Hospital Universitário de Campo Grande foi apresentada pela Secretária Municipal de Saúde, Beatriz Dobashi, na audiência pública realizada hoje à tarde na Assembléia para debater o assunto. Na avaliação da Secretária, o déficit mensal de 400 mil reais do HU pode ser suprimido transformando a gestão atual do hospital numa cogestão da qual participariam o município, o estado e a união. Mas Beatriz Dobashi fez um alerta sobre a  necessidade da direção da instituição reabrir os serviços do pronto socorro para que o município tenha condições legais de encaminhar o novo contrato financeiro de cogestão ao Ministério da Saúde.

   O Diretor Clinico do HU, Clodoaldo Conrado, reclamou dos baixos valores pagos pelo SUS para os procedimentos médico-hospitalares. Disse que desde 1992 o Sistema Único de Saúde não atualiza a tabela de valores, enfatizando que nestes doze anos “houve um aumento de material , medicamentos , plantões hospitalares, sem contar que os aparelhos da instituição estão sem manutenção”. Na questão do reajuste da tabela do SUS, implantado em 5.561 municípios do país , Beatriz Dobashi foi taxativa : “ Não vejo perspectivas de aumento, a Rede do Sistema Único de Saúde jamais será satisfatória, no entanto existem procedimentos que dão mais lucros e outros que não”.

   Para o acadêmico de medicina da Universidade Federal do estado, Éder Gatti, “os problemas no Hospital Universitário atrapalham nossa formação acadêmica e comprometem o atendimento à população”. Ele espera que na reunião promovida pela Comissão de Saúde do legislativo “o município, o estado e a administração do HU encontrem uma saída para a crise”.

  O Procurador Regional dos Direitos do Cidadão, Alexandre Gavronski, aproveitou a audiência para tecer duras críticas à lei Estadual 2261 – Lei do Rateio – que considera inconstitucional e acredita que deveria ser revogada. “Esta lei retira 24% dos recursos da saúde, se fosse revogada garantiria um bom aporte de verbas para o setor”, explicou o Procurador.

   Os números das perdas no orçamento da saúde com a Lei do Rateio foram apresentados pelo Presidente da Comissão de Saúde, Nelsinho Trad (PMDB): “No período de 2002 a 2004 subtraíram aproximadamente 200 milhões de reais do setor”, afirmou o deputado. Nelsinho disse ainda que chegou a apresentar um projeto de lei para revogar a norma do rateio “mas, como somos minoria diante da forte base de apoio ao governo, a matéria acabou arquivada pela Comissão de Constituição e Justiça da Assembléia”.

   O Superintendente da Secretaria Estadual de Saúde, Nilo Sérgio Leme, defendeu a posição do  governo na reunião. Esclareceu que “o estado não está ausente nos problemas do Hospital Universitário, e, nos últimos três anos, repassou 600 mil reais à instituição, além de ter gasto um milhão de reais em equipamentos”.

 

 

Assembléia Legislativa

Deixe seu Comentário

Leia Também

A CASA CAIU
Homem pede divórcio ao descobrir que não é pai de nenhum dos nove filhos
ESTADO GRAVE
Homem ateia fogo em mulher e filha de 4 anos 80% do corpo queimado
SURPRESA E FÉ
Homem que morava em uma barraca ganha casa reformada
JUSTIÇA PROPRIAS MÃOS
Suspeito de ter estuprado criança é assassinado por lideranças de bairro
ASSISTA A REPORTAGEM
Família da modelo Mylena Mendes, que morreu em acidente faz protesto no Fórum
NOVELA GLOBAL
Régis confessa que forjou DNA de Arthur em 'A dona do pedaço'
FOGO NA AMAZONIA
Macron diz que Bolsonaro mentiu, e Europa ameaça retaliar Brasil
TURISMO
Curtir a Cidade Maravilhosa com pacotes de viagens baratos
FUTEBOL - PAIXÃO NACIONAL
Uma estrutura confiável para resultados de futebol
POSSE DE ARMA
Posse de arma em toda extensão da fazenda é aprovada e segue para sanção