Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 23 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Sangue que pode ter vaca-louca entrou no Brasil

28 Set 2004 - 07h49
O Ministério da Saúde reconheceu que lotes de hemoderivados britânicos possivelmente contaminados com a doença da vaca-louca entraram no Brasil, mas informou que eles não foram utilizados em seres humanos. A informação foi divulgada hoje pelo Ministério da Saúde, Em nota, a pasta informou que investiga se o lote contaminado entrou no Brasil por outro caminho que não o da importação feita pela Coordenação de Sangue e Hemoderivados.

Segundo a assessoria do Ministério, a Meizler Comércio Internacional S.A., representante no país do laboratório que exportou hemoderivados britânicos para o Brasil, o Bio Products Laboratory (BLP), comunicou à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que o material entrou no país em "pequena quantidade" e foi utilizado apenas em testes laboratoriais que não envolveram seres vivos.

Segundo a Meizler teria informado à Anvisa, o Replenine VF 500 (fator IX), foi utilizado em trabalhos visando testes para o registro da substância no Brasil. A Anvisa fez um requerimento à Meizler para que a empresa formalize esses esclarecimentos, o que deve ser feito amanhã.

Nota
Anteriormente, o Ministério da Saúde divulgou uma nota em que afirmou que estava investigando as denúncias de que lotes de hemoderivados britânicos, contaminados com o vírus que causa o mal da vaca Llouca, teriam entrado no Brasil.

O ministério estava se referindo à reportagem, divulgada pelo jornal britânico The Times, que informou que a Grã-Bretanha exportou para 11 países, no final da década de 90, sangue que poderia estar contaminado.

Na nota, o Ministério da Saúde já havia salientado que, até o momento, "não há nenhuma evidência de que os lotes contaminados tenham entrado no Brasil".

Em uma investigação paralela, o Ministério anunciou que está averigüando se lotes de um outro produto suspeito, o Vigam (Imunoglobulina) também poderiam ter entrado no Brasil. Tal produto, ao contrário do Replenine VF 500, é comprado diretamente pelos Estados, que depois são ressarcidos pelo Ministério da Saúde.

 

 

Terra Redação

Deixe seu Comentário

Leia Também

PERSISTÊNCIA
Filho de faxineira e porteiro passa em medicina no Paraná
RENOVAÇÃO LICENÇA
Extinção de mais 130 rádios comunitárias no Brasil deve alcançar emissora de Ponta Porã
CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho