Menu
SADER_FULL
quinta, 18 de outubro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Saddam será solto se não houver provas, afirma ministro

2 Jul 2004 - 17h50
 

O ministro iraquiano de Justiça, Malek Dohan al-Hassan, disse que o deposto presidente do Iraque, Saddam Hussein, recuperará sua liberdade imediatamente se não houver provas conclusivas contra ele, em uma entrevista publicada hoje pelo jornal árabe internacional Asharq Al Awsat. ''Saddam Hussein será posto em liberdade imediatamente no caso de não se dispor das provas que respaldem as acusações que são feitas a ele'', ressaltou Hasan.

A respeito do questionamento quanto à legalidade do tribunal diante do qual o ex-ditador iraquiano compareceu ontem, o ministro disse que é o ponto de vista de quem só quer publicidade. Hasan referia-se ao advogado jordaniano Mohamed Rashdan, que lidera uma equipe de 20 advogados jordanianos e estrangeiros, que ontem anunciaram em Amã, a capital jordaniana, sua determinação de viajar ao Iraque para assumir a defesa do ex-governante iraquiano.

O responsável iraquiano especificou que para que qualquer advogado estrangeiro tenha o direito de defender Saddam é preciso uma permissão da União Iraquiana de Advogados, mas a verdade é que até agora ninguém solicitou a permissão. ''Saddam tem o direito como qualquer acusado de contratar advogados iraquianos, eu lembro os nomes de vários advogados iraquianos partidários dele que poderiam assumir sua defesa'', disse Salah ao ser perguntado o que irá acontecer se ninguém se oferecer para defender Saddam.

O responsável iraquiano, que disse que só o tribunal decidirá se Saddam pode ver sua família, não quis prever se o ex-ditador será condenado à morte, ao dizer que isso depende de provas conclusivas e do tipo de crimes que cometeu. O deposto presidente do Iraque e onze altos funcionários de seu regime compareceram diante de um juiz do Tribunal Especial Iraquiano, que comunicou as acusações que pesam contra eles.

Entre as acusações estão crimes contra os curdos do norte do Iraque, pelos massacres de Halabya (1988), e a repressão das revoltas curdas e xiitas (1991). Outras acusações podem estar relacionados com a guerra contra o Irã (1980-88) e a invasão do Kuwait, em 1990. Saddam Hussein e seus 11 funcionários foram colocados na quarta -feira sob custódia legal do novo governo provisório iraquiano, embora permaneçam sob vigilância das forças multinacionais.

 

JB Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

CASO LETICIA
Adolescente morta a facadas contou a amigos que pai estuprou a tia na sua frente:'Tinha quatro anos'
MOTIVO FUTIL
Camera ajuda na indentificação de Homem que confessa ter matado mulher após falhar na "Hora H"
A CASA CAIU
Rapaz é agredido pelas sete namoradas que descobriram traição
SEGUNDO SOL
Beto confronta Karola: 'Você roubou a vida de outra mulher'
DEFICITÁRIAS
Correios fecham 02 agências no MS e 39 no país
VICENTINA - LEILÃO ELETRÔNICO
Justiça realizará leilão eletrônico de imóveis urbanos e trator de VICENTINA
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Conclusão do Comperj deve gerar 8 mil vagas em 2019
LUTO NO JORNALISMO
Morre Gil Gomes, jornalista policial, aos 78 anos, em São Paulo
SELEÇÃO BRASILEIRA
Brasil vence a Argentina com gol de Miranda nos acréscimos e conquista o Superclássico
HORARIO DE VERÃO
Início do horário de verão não será adiado, informa o Planalto