Menu
LIMIT ACADEMIA
sábado, 22 de setembro de 2018
SADER_FULL
Busca
DR. SHAPE
Brasil

Rivais podem unir-se na eleição da Assomasul

28 Dez 2004 - 10h21

Os partidos da base aliada do Governo de José Orcírio dos Santos (PT) vão definir no dia 4 de janeiro o nome do candidato à presidência da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul). A idéia é formar uma chapa composta pelas legendas que integram o projeto do atual Governo do Estado e também agregar a oposição numa única chapa, minando a possibilidade de disputa dentro da entidade.

Segundo um dos prefeitos que figuram como pré-candidatos ao cargo, Osvane Ramos (PT), de Dois Irmãos do Buriti, a intenção é lançar o presidente através do consenso. Hoje, são quatro prefeitos da base aliada que pleiteiam a indicação – Jateí, Eraldo Jorge Leite (PL), Eldorado, Mara Caseiro, Dois Irmãos do Buriti, Osvane Ramos (PT), e de Aquidauana, Felipe Orro (PTB).  Apesar da manifestação desses quatro prefeitos, Osvane explicou que o que vai prevalecer será o entendimento para a escolha do postulante ao cargo de presidente. “Vamos nos reunir no dia 4 para definir quem será o candidato”, frisou.

A possibilidade de ser novamente o candidato dos partidos aliados para a disputa na Assomasul é grande, segundo Osvane. Ele contou que já foi sugerido o seu nome para o cargo, mas frisou que aceitará a condição de candidato apenas se houver consenso. “Não quero impor nada”, ressaltou.

A idéia de unir os partidos da base aliada e a oposição num único projeto também é bem vista pelo candidato do PMDB, prefeito de Costa Rica, Waldeli dos Santos Rosa. Ele – que ocupou a presidência da Assomasul quando Dirceu Lanzarini deixou o cargo para assumir a Secretaria de Estado da Juventude e do Esporte e Lazer – afirmou que se os pré-candidatos da base aliada chegarem ao entendimento de um único nome, ele abre mão de sua candidatura e adere ao projeto. “Se definirem um nome entre os quatro, eu abro mão e participo de algum cargo na diretoria da entidade”, explicou.

Waldeli, que também participará da reunião dos prefeitos da base aliada no dia 4 de janeiro, entende que uma disputa neste início de mandato de muitos prefeitos não será benéfica para entidade e para os objetivos da Assomasul.

Cargos

Os demais cargos da entidade – 20 no total – serão distribuídos de acordo com a proporcionalidade do número de prefeituras que cada partido ganhou nas últimas eleições municipais. O PT, por exemplo, tem 18 prefeituras, seguido pelas 17 do PDT, 11 do PL e 6 do PTB. Porém, a definição da composição dos cargos ficará para discussão posterior, segundo Osvane. “Até porque temos que integrar os partidos da oposição ao nosso projeto”, completou.

Correio do Estado

Deixe seu Comentário

Leia Também

EMBOSCADA
Homem é assassinado na frente do filho de seis anos
FAMOSIDADES
Xuxa rompe silêncio sobre Marlene Mattos e traições de Pelé: ‘Me fez coisas muito feias’
ASSALTANTE
Preso confessou que matou a ex em cela da cadeia
DISPUTA ACIRRADA
Nova pesquisa mostra empate técnico entre Haddad e Bolsonaro
SELEÇÃO BRASILEIRA
Gabriel Jesus retorna para a Seleção
LOTERIA
Mega-Sena acumula novamente e pode pagar prêmio de R$ 22 milhões
HORÁRIO DE VERÃO 2018
Horário de Verão pode ser extinto em todo território nacional
EDUCAÇÃO
‘Desejo continuar com a minha profissão, mas temo pela minha vida’, diz professor agredido em aula
SOB INVESTIGAÇÃO
Jovem é encontrada morta dentro do quarto e esposo está desaparecido
MORTE NO DETRAN
Jovem sofre parada cardíaca durante prova para tirar CNH