Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 21 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Resolução pode mudar forma de trabalhar de farmácias e drogarias

19 Jul 2007 - 17h11

A atuação polêmica da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) neste segundo mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ganha agora um novo foco, com a intenção de seu presidente, Dirceu Raposo de Mello, de modificar profundamente a forma de trabalhar de farmácias e drogarias. Desde sexta-feira, está aberta a consulta pública uma resolução que pretende proibir esses estabelecimentos de vender produtos que não tenham vínculo com a "promoção à saúde". Isso significa tirar das prateleiras biscoitos, chicletes, picolés, cartões telefônicos etc. 

Ex-presidente do Conselho Regional de Farmácia de São Paulo, Mello disse que o governo mantém a intenção de adotar uma regulamentação mais rigorosa para a publicidade de bebidas de baixo teor alcoólico, como a cerveja, que vai praticamente torná-la inviável. A mudança não será feita por meio de resolução da Anvisa, mas a Casa Civil e o Ministério da Saúde estudam se enviam um projeto de lei ao Congresso ou se publicam uma medida provisória.

 

 

TV Morena

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos