Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 21 de julho de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Renda não acompanha o crescimento do crédito

16 Ago 2010 - 13h50Por Fátima News com assessoria

Banco Central divulga previsão de crescimento de 10 a 11% de crédito, tendo aumento de 24,5% somente no pessoal (até maio deste ano). O saldo de crédito concedido é de R$ 183, 133 bilhões em maio, ante R$  178,706 bilhões em abril de 2010. No entanto, o consultor de negócios do Sicredi, Jefferson Limonge, alerta para o fato de a renda do trabalhador não acompanhar o movimento e manter-se instável.

“Todo este movimento é  absolutamente salutar, indicando um excedente de liquidez no mercado  financeiro, que conseqüentemente disponibiliza crédito, estimula a  atividade industrial, o consumo interno, advindo de uma fartura  agressiva em propaganda de estímulos ao consumo das famílias”, explica o consultor de negócios.

Recentemente, o Governo fez uma programação de incremento no compulsório dos bancos, no qual ainda segundo Limonge, haverá uma diminuição gradual da oferta de dinheiro no 
mercado, mantendo então o controle inflacionário: “O importante é fazer com que as  pessoas tenham um incremento na renda e que parte desta seja  voltada a poupança. É necessário que as pessoas possuam um programa  orçamentário que controle seus gastos e investimentos, além de  programar suas reservas financeiras”.

Segundo o economista Fernando Abrahão, o acesso ao crédito é uma forma de injetar a moeda no mercado e estimular o consumo, principalmente no setor varejista, que deve ser ponderado; caso contrário, resulta na inadimplência, fato já preocupante. Ele ainda comenta que, apesar do aumento da Selic, as financeiras devem apresentar bons resultados, pois aumentos crescentes e graduais não são sentidos de imediato pelo consumidor.

Contudo, índice da Serasa Experian, empresa especializada na análise de crédito, divulga que a expectativa para a inadimplência do consumidor aumentou 0,3%. E a pesquisa também mostra expectativa de recuo na taxa de inadimplência das empresas na segunda metade do ano, que caiu 1,4% em maio, pelo 13º mês consecutivo.

Além de evitar a inadimplência, os consumidores necessitam refletir a possibilidade de armazenar reservas. “Certamente num futuro próximo, o País pode sofrer com a  falta de poupança das famílias, fazendo com que  certos orçamentos ou rubricas governamentais para determinados  programas possam ser comprometidos”, argumenta Jefferson Limonge.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

VICENTINA SENDO REPRESENTADA NO RJ
Vicentina será representada no Internacional de Masters South América de Jiu-jitsu no Rio de Janeiro
POLITICA
'Falar que passa-se fome no Brasil é uma grande mentira', afirma Bolsonaro
NOVELA GLOBAL
Maria da Paz se recusa a enxergar caráter de Josiane em 'A dona do pedaço'
REGIME SEMIABERTO
Goleiro Bruno deve sair da cadeia no fim da tarde desta sexta-feira
CASO RARO
Bezerro de seis patas chama atenção moradores de Santa Helena – Veja Vídeo
MONSTRUOSIDADE
Vizinho é preso suspeito de estuprar e estrangular menina de 8 anos
CASA PRÓPRIA
Recurso de R$ 1 bilhão é destinado ao Minha Casa, Minha Vida
VIDA SAUDÁVEL
Homem mais velho do Brasil falece no Rio de Janeiro
BASTA DE IMPRUDÊNCIA
Enlutada pelas mortes, população deixa faixa contra imprudência na PR-082
VIOLENCIA
Motorista atropela manifestantes do MST e mata um idoso