Menu
SADER_FULL
terça, 19 de fevereiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Renda não acompanha o crescimento do crédito

16 Ago 2010 - 13h50Por Fátima News com assessoria

Banco Central divulga previsão de crescimento de 10 a 11% de crédito, tendo aumento de 24,5% somente no pessoal (até maio deste ano). O saldo de crédito concedido é de R$ 183, 133 bilhões em maio, ante R$  178,706 bilhões em abril de 2010. No entanto, o consultor de negócios do Sicredi, Jefferson Limonge, alerta para o fato de a renda do trabalhador não acompanhar o movimento e manter-se instável.

“Todo este movimento é  absolutamente salutar, indicando um excedente de liquidez no mercado  financeiro, que conseqüentemente disponibiliza crédito, estimula a  atividade industrial, o consumo interno, advindo de uma fartura  agressiva em propaganda de estímulos ao consumo das famílias”, explica o consultor de negócios.

Recentemente, o Governo fez uma programação de incremento no compulsório dos bancos, no qual ainda segundo Limonge, haverá uma diminuição gradual da oferta de dinheiro no 
mercado, mantendo então o controle inflacionário: “O importante é fazer com que as  pessoas tenham um incremento na renda e que parte desta seja  voltada a poupança. É necessário que as pessoas possuam um programa  orçamentário que controle seus gastos e investimentos, além de  programar suas reservas financeiras”.

Segundo o economista Fernando Abrahão, o acesso ao crédito é uma forma de injetar a moeda no mercado e estimular o consumo, principalmente no setor varejista, que deve ser ponderado; caso contrário, resulta na inadimplência, fato já preocupante. Ele ainda comenta que, apesar do aumento da Selic, as financeiras devem apresentar bons resultados, pois aumentos crescentes e graduais não são sentidos de imediato pelo consumidor.

Contudo, índice da Serasa Experian, empresa especializada na análise de crédito, divulga que a expectativa para a inadimplência do consumidor aumentou 0,3%. E a pesquisa também mostra expectativa de recuo na taxa de inadimplência das empresas na segunda metade do ano, que caiu 1,4% em maio, pelo 13º mês consecutivo.

Além de evitar a inadimplência, os consumidores necessitam refletir a possibilidade de armazenar reservas. “Certamente num futuro próximo, o País pode sofrer com a  falta de poupança das famílias, fazendo com que  certos orçamentos ou rubricas governamentais para determinados  programas possam ser comprometidos”, argumenta Jefferson Limonge.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

ACIDENTE FATAL
Adolescente é atropelada quando levava pai em cadeira de rodas, veja o vídeo
VIOLENCIA DOMESTICA
'Não consigo reconhecê-la', diz irmão de mulher espancada no 1° encontro
O REI ROBERTO CARLOS
Roberto Carlos vestiu rosa e se mostrou contrário a projeto de Jair Bolsonaro
BRIGA NO PLANALTO
Magoado e traído, Bebianno não vai poupar filho de Bolsonaro
TRÁGICO
Mãe do piloto de Ricardo Boechat morre três dias após o filho
OUTROS 10 ESTADOS
Horário de verão termina à meia-noite; relógios devem ser atrasados em 1h
BARBÁRIE
Rosane Santiago Silveira, torturada e morta em sua própria casa
CARRO DE APLICATIVO
Mulher é estuprada após aceitar água e bala em carro de app
VIOLENCIA DOMESTICA
Enquanto Lírio Parisotto era condenado, Luiza Brunet discutia campanha contra violência doméstica
CANALHA
Criança de 4 anos é estuprada no próprio aniversário