Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 19 de outubro de 2019
CACAU SHOW FÁTIMA DO SUL 0
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Relatório: 18 mil jovens foram mortos em 2004

16 Mar 2007 - 11h08

 

A Universidade de São Paulo (USP) lança nesta sexta-feira o 3º Relatório Nacional sobre Direitos Humanos no Brasil. A conclusão é de que a ineficácia do Estado diante do aumento da violência gera ainda mais violação de direitos humanos, impunidade e aumenta o sentimento de insegurança e revolta da população. De acordo com o estudo, 48.374 pessoas morreram vítimas de agressão em 2004, média de 27 por grupo de 100 mil habitantes. Na faixa etária de 15 a 24 anos, foram 18.599 mortes, média de 51 por 100 mil.

O número de jovens assassinados subiu 64% em dez anos - de 11,3 mil em 1994 para 18,6 mil em 2004. Eles representam 28% da população e 38% das vítimas. A informação é do Jornal Nacional.

O estudo aponta que as políticas de proteção e promoção dos direitos humanos, inclusive os direitos fundamentais à vida e à segurança, são desenvolvidas sem diagnóstico adequado dos problemas, sem monitoramento e sem avaliação de progressos e resultados, tanto por parte do governo federal quanto dos governos estaduais e municipais e outros Poderes. A conclusão é de que houve retrocesso nessa área de 2002 a 2005.

"A carência de recursos econômicos e técnicos, aliada à falta de apoio político-institucional, no governo federal e principalmente nos governos estaduais, no Legislativo e no Judiciário, inviabiliza a sustentação e impede disseminação de boas práticas", pontua o relatório. A maioria dos homicídios é precariamente investigada e sua autoria permanece desconhecida. "Ínfima parte dos responsáveis é denunciada e condenada", frisa o documento.

O sistema federal e os sistemas estaduais de segurança, justiça e administração penitenciária não estão preparados e organizados para investigar, processar e julgar violações de direitos humanos, e punir os responsáveis. "O mau funcionamento generalizado das instituições do Estado de direito persiste depois de duas décadas de retorno à democracia".

Há ainda números específicos sobre o trabalho infantil, que em 2000 atingia 6,6% da população de 10 a 14 anos, passou para 10,3% em 2004. O número de conflitos rurais cresceu de 925 em 2002 para 1.881 em 2005, com aumento do número de pessoas envolvidas (444.277 para 1.021.355) e mortes (52 para 102).

O professor Paulo Mesquita Neto, coordenador do estudo, disse que o objetivo não é apenas apresentar denúncias, "muitas delas amplamente conhecidas no País", mas mostrar o que está e o que não está sendo feito para resolver os problemas documentados nos dois relatórios anteriores.

O estudo tem 581 páginas e foi elaborado pelo Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (NEV/USP) e pela Comissão Teotônio Vilela de Direitos Humanos (CTV), com a colaboração de organizações governamentais e não governamentais de todas as regiões do País.

O conteúdo aponta que não há um único estado sem registros de graves violações de direitos humanos. E conclui que o quadro pode ser ainda mais grave, pois os sistemas de informação na maioria dos Estados são precários. Os registros das violações, quando existem, são "limitados e parciais". E em muitos casos, "a mídia ainda é a principal fonte de informação sobre graves violações de direitos humanos".

 

Terra Redação

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVELA GLOBAL
A Dona do Pedaço: Maria da Paz dá rasteira em Fabiana
ECONOMIA
Dólar sobe para maior valor desde 23 de setembro com discurso de presidente do BC
PANICO NO AEROPORTO
Assalto em aeroporto três criminosos são mortos e vitimas feridas
BOMBASTICO
Líder do PSL na Câmara afirma em áudio que vai 'implodir' Bolsonaro
DESABAMENTO DE PRÉDIO
Fortaleza: sob escombros, vítimas telefonam e jovem faz selfie
VICENTINA EM DESTAQUE
Vicentinense é destaque na São Paulo Fashion Week
ROMARIA
Romeiros saíram nesta quinta, 17, de Fátima do Sul para Aparecida do Norte
DESCARGA ELÉTRICA
Mulher morre após levar choque em máquina de lavar
MISTÉRIO
Mulher é morta e jogada no rio; filho de quatro anos da vítima estava em carro abandonado
ABUSOS À CRIANÇAS
Três meninas são abusadas pelo avô em troca de doces