Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 23 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Quase metade das crianças vêem TV depois das 22h

29 Mai 2007 - 09h43
Dez da noite é hora de criança estar dormindo. Ou, segundo pesquisa recém-divulgada, assistindo TV. O canal pago Nickelodeon, direcionado ao público infantil, fez um levantamento com quase 400 entrevistados que revela: 38% das crianças estão de frente para a televisão entre 22h e meia-noite de segunda a sexta. Aos sábados, esse percentual sobe para 49%.

A pesquisa foi feita com crianças e adolescentes que assistem TV a cabo - um universo restrito, que corresponde a 8% da população brasileira. No entanto, segundo o diretor de justiça e classificação do Ministério da Justiça, José Eduardo Romão, esse dado se reflete entre os espectadores de canais abertos: é grande o número de crianças que vêem TV durante o horário considerado impróprio. "Nesse horário, há duas faixas: inadequado para menores de 16 e de 18 anos. Neste período podem ser exibidas cenas de sexo e violência que podem causar impactos, fazer as crianças sofrerem", afirma.

A diretora de pesquisas do Nickelodeon, Beatriz Melo, também não se surpreendeu com o resultado: "A gente já suspeitava. E é por isso que o canal tem, na parte da noite, um bloco com seriados como 'Alf' e 'Feiticeira', que podem agradar pais e filhos", afirma. Segundo Romão, essa é uma situação ideal - pena que quase ninguém tem o privilégio da TV paga no país. "Não é o que costuma acontecer com canais abertos. Para as crianças assistirem TV nesses horários, se for do desejo da família, é importante que o façam acompanhadas dos pais ou responsáveis. Ao lado de um adulto, fica mais fácil para um menor compreender cenas inadequadas".

Esse debate reascende a discussão da classificação indicativa, considerada uma forma de censura por boa parte das emissoras abertas: de que adianta as TVs de grande alcance respeitarem os horários "adequados" se as crianças não desligam o aparelho durante os horários "inadequados"? Para que serve então a classificação indicativa? Romão responde: "Para orientar os pais. É como orientação para comprar brinquedos - se você compra um brinquedo recomendado para crianças maiores de três anos para o seu filho de dois anos, vai ter de se responsabilizar caso a criança engula uma peça, por exemplo".

Essa "bula" serve para ajudar os pais que não podem ficar junto com os filhos vendo televisão. "E é assim com a maioria das crianças brasileiras. Não tem TV a cabo, não tem babá, muitas vezes fica sozinho enquanto os pais trabalham ou procuram emprego. E, claro, tem televisão", afirma Romão. Por isso, ele defende, é necessário que os pais saibam a idade recomendada para cada programa. "Se o adulto, ou mesmo a emissora, não quiser respeitar, não podemos fazer nada. Isso cabe a cada um, mas é preciso oferecer condições concretas para que os pais decidam."

O diretor do Ministério da Justiça explica que a classificação indicativa vale para todas as emissoras. O que muda são as regras de horário. "Na TV paga, basta que o canal mostre a idade indicada. Não podemos restringir conteúdo por horário. Isso fere o princípio básico da TV a cabo", afirma. Portanto, para ajudar os pais a controlarem o que seus filhos assistem, Romão defende o dispositivo do bloqueio. "Algumas operadoras já têm isso. Além de bloquear um canal, você pode bloquear apenas um programa específico."

No segundo semestre deste ano, o Ministério da Justiça deve distribuir uma "cartilha" de orientação aos pais com relação à televisão. O manual, que terá dez dicas - entre elas a sugestão de que os pais observem quem são os heróis dos filhos - será distribuído nas escolas públicas e particulares.

 

 

 

Terra Redação

Deixe seu Comentário

Leia Também

FAMOSIDADES
Aos 67 anos, Amado Batista assume namoro com jovem de 19 anos de idade
LUTO - TV
Ator Caio Junqueira morre no Rio uma semana após acidente
ANJO DA GUARDA
Amigo dá lar a mulher que viveu 40 anos internada no HC
MAMATA
General corta contratinho de R$ 30 milhões para manter jornalistas no exterior
PERSISTÊNCIA
Filho de faxineira e porteiro passa em medicina no Paraná
RENOVAÇÃO LICENÇA
Extinção de mais 130 rádios comunitárias no Brasil deve alcançar emissora de Ponta Porã
CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'