Menu
SADER_FULL
quarta, 16 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Quase 500 mil limpam o nome até a segunda dezena de agosto

1 Set 2004 - 17h50
A recuperação da economia levou o país a ganhar um contingente de 439 mil pessoas que conseguiram regularizar suas dívidas nos primeiros 20 dias de agosto, de acordo com dados do SPC (Serviço de Proteção ao Crédito).

Com o nome limpo na praça, vários consumidores se reabilitaram a comprar a crédito. Em julho como um todo 923 mil pessoas saíram da inadimplência.

Até o dia 20 do mês passado, 2,550 milhões de pessoas tiveram o nome incluído no Serviço de Proteção ao Crédito, enquanto 2,989 milhões foram excluídas --daí o saldo positivo de 439 mil pessoas em dia.

Os últimos dois meses representam uma reversão na tendência de aumento na inadimplência. Em junho, por exemplo, o país ganhou 321 mil novos inadimplentes.

"Estamos tendo um reaquecimento gradual na economia, que só tende a crescer. Com isso, foi antecipada a queda na inadimplência, que tradicionalmente acontece em outubro e novembro. Neste ano, [essa tendência] já começou forte em julho", afirma Edson Monteiro, presidente do SPC Brasil.

O número de consultas ao banco de dados da organização caiu 40% na comparação com o mês de julho. "É uma queda relativamente rotineira nas consultas, seguindo a queda da inadimplência. Quando o consumidor paga, deixa de adquirir", diz Monteiro.

O volume de consultas é um dos indicadores do nível de atividade do comércio, já que ela é feita por empresas que precisam checar o cadastro de clientes que solicitam crédito para comprar produtos.

O banco de dados do SPC é composto por 140 milhões de cadastros de pessoas físicas e 16 milhões de cadastros de pessoas jurídicas. O sistema é acessado diretamente por 1,5 milhão de operadores, representantes de cerca de 550 mil empresas em todo o país.

Apesar da queda na inadimplência, dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) indicam que o consumo está crescendo. No segundo trimestre, o consumo das famílias cresceu 5% na comparação com o mesmo período do ano passado. Este foi o melhor resultado desde o segundo trimestre de 1997. O crédito facilitado e o crédito habitacional estariam agindo como indutores do crescimento do consumo.

A recuperação da demanda ainda depende do acompanhamento da capacidade de endividamento, da renda e da taxa de desemprego, segundo o IBGE. Em julho, a taxa de desemprego caiu pelo terceiro mês consecutivo e ficou em 11,2%, de acordo com a Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE.
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA
“Tentei socorrer ele, mas não deu certo”: conta filho de motociclista levado por enxurrada
FURIA DA NATUREZA
Enxurrada derruba casa e provoca pânico e destruição
NOVELA GLOBAL
Gabriel e Valentina viram inimigos mortais em 'O sétimo guardião'
REALITY SHOW
BBB 19 começa hoje. Na Rocinha Casa de Darnrley vira "QG" de Torcida
POSSE DE ARMAS
Bolsonaro assina nesta terça-feira decreto que facilita posse de armas
HEROINA
Professora Helley, que salvou crianças de incêndio em Janaúba, é homenageada e dá nome a rodovia
FAMOSIDADES
Doente, José Mayer foi esquecido pela Globo e abandonado por ‘Amigos’
NOVA LEI
Motoristas condenados por contrabando vão perder a CNH por cinco anos
SUCATA
Jovem transforma pneus velhos em lindas caminhas para pets.
ENTRETENIMENTO
Com direito a uniforme e crachá, “cão frentista” viraliza e ganha milhares de fãs