Menu
SADER_FULL
terça, 22 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

PT sugere que Lula interceda por bancários

7 Out 2004 - 15h55
O Diretório Nacional do PT decidiu hoje sugerir que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ajude os bancários a reabrir negociação com os bancos. A greve nacional da categoria --que já dura 23 dias-- enfraqueceu e começa a entrar num "beco em saída", segundo avaliação dos próprios bancários.

"É uma sugestão para o governo se esforçar para abrir as negociações com os bancários e os banqueiros. É uma posição do PT que não é executiva. Não temos o poder de decidir, temos o poder de sugerir", disse o presidente do PT, José Genoino.

Em meio a um movimento enfraquecido, os dirigentes sindicais passaram a se acusar mutuamente, expondo os rachas do movimento sindical.

Os pivôs dessa briga se dividem entre os integrantes da Articulação --corrente majoritária-- e a oposição bancária. O primeiro grupo acusa o segundo de levar a categoria bancária para um "beco sem saída".

"Estamos numa encruzilhada, num beco sem saída. A greve perdeu força. Os bancos se recusam a negociar uma contraproposta. E ninguém quer terminar o movimento sem nada", disse o diretor da Federação dos Bancários da CUT, Marcel Barros.

Para ele, foram os integrantes da oposição bancária que levaram a greve para essa situação. "Eles nos levaram para esse impasse, nos apontando um horizonte que não existia", disse ele se referindo à proposta de reajuste que foi rejeitada pelos bancários.

Para o diretor do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Dirceu Travesso, integrante da oposição bancária, os dirigentes da Articulação é que querem derrotar a greve.

"É uma vergonha eles dizerem que os bancos não podem dar um aumento maior do que o oferecido. Existe sindicalista que abriu mão de ser dirigente sindical para virar correia de transmissão do governo e de banqueiro junto às bases", afirmou ele. "Virou a santíssima trindade: banco, governo e sindicalista. Todos com o mesmo discurso."

A Fenaban (Federação Brasileira dos Bancos) ofereceu reajuste de 8,5% e abono de R$ 30 para quem ganha até R$ 1.500. A proposta foi rejeitada porque a categoria pedia 25% de aumento. Mais tarde a a proposta foi rebaixada para 19% de reajuste e abono de R$ 1.500.

Travesso acusa a Articulação de boicotar a greve. "O movimento está enfraquecido porque não houve organização, mobilização. Era preciso apelar para a solidariedade dos bancários. O governo também não cooperou."

Sem saída

A Executiva Nacional dos Bancários deve se reunir amanhã em São Paulo. O objetivo é analisar os rumos da greve.
Uma das questões a serem analisadas é o tempo de duração do movimento. Com o feriado da próxima semana, a paralisação pode beirar os 30 dias. Uma das idéias é buscar uma saída para o desconto dos dias parados durante a mobilização.

 
 
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

RENOVAÇÃO LICENÇA
Extinção de mais 130 rádios comunitárias no Brasil deve alcançar emissora de Ponta Porã
CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai