Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 20 de julho de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

PT exige dízimo de assessores que têm cargos de confiança

5 Mai 2007 - 08h37

Com uma dívida recorde na praça e um buraco que não pára de crescer, o PT promoverá um duro ajuste fiscal com uma série de medidas polêmicas - como a transformação de vereadores, deputados e senadores em cobradores do "dízimo" do partido entre seus assessores.

Por sugestão do tesoureiro do partido, Paulo Ferreira, e de seus homólogos nos diretórios estaduais, o estatuto seria modificado para obrigar os detentores de mandatos legislativos a recolherem a contribuição, que todo filiado petista deve fazer mensalmente, dos funcionários de seus gabinetes.

"A arrecadação da contribuição em seu gabinete passaria a ser uma responsabilidade do mandatário. Evidentemente que teria um tipo de punição se isso não ocorresse", declarou Ferreira. O "dízimo" é uma contribuição variando entre 2% e 10% sobre o salário que cada detentor de mandato ou cargo de confiança deve recolher ao partido.

Pelas contas do PT, 80% dos cerca de 5.000 filiados em cargos de confiança na administração federal estão inadimplentes. O débito acumulado é de R$ 30 milhões, mais da metade da dívida do partido, de R$ 47 milhões.

O partido hoje já pune esses inadimplentes, proibindo-os, por exemplo de participar de eventos partidários. Isso poderia passar a acontecer também com vereadores, deputados estaduais e federais e senadores que se revelassem maus cobradores. A proposta de mudança no estatuto será discutida no 3º Congresso do partido, marcado para agosto.

Outro item que poderá causar barulho é aplicar o "dízimo" não só sobre os salários dos parlamentares, mas também sobre todas as verbas de gabinete. Ao contrário de salários, que é dinheiro privado, as verbas de gabinete são públicas, com a destinação específica de dar infra-estrutura ao mandato parlamentar. Também seriam "mordidas" pelo partido.

O PT também estuda uma espécie de Refis interno, para estimular devedores a acertar suas contas mediante um desconto no valor total.

Ferreira diz que a dívida total do partido, herança da gestão de Delúbio Soares na tesouraria petista, é administrável. O perfil teria mudado: as centenas de credores de curto prazo foram substituídas por débitos de longo prazo com grandes credores, como bancos, gráficas e indústrias têxteis.

"Tenho perspectiva de negociação com alguns credores importantes até o final do ano. Na próxima prestação de contas, o PT vai seguramente apresentar resultado operacional positivo", prometeu o tesoureiro.

No passado, outras promessas não foram cumpridas. Ao final da campanha presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva, por exemplo, uma dívida de quase R$ 11 milhões com gráficas acabou assumida pelo partido, que prometeu zerá-la até o final de 2006. A dívida permanece.

Outros credores importantes do partido são a Coteminas, de propriedade da família do vice-presidente, José Alencar, que forneceu camisetas para a campanha municipal de 2004, e bancos como o BMG, o Rural e o Banco do Brasil.

Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

VICENTINA SENDO REPRESENTADA NO RJ
Vicentina será representada no Internacional de Masters South América de Jiu-jitsu no Rio de Janeiro
POLITICA
'Falar que passa-se fome no Brasil é uma grande mentira', afirma Bolsonaro
NOVELA GLOBAL
Maria da Paz se recusa a enxergar caráter de Josiane em 'A dona do pedaço'
REGIME SEMIABERTO
Goleiro Bruno deve sair da cadeia no fim da tarde desta sexta-feira
CASO RARO
Bezerro de seis patas chama atenção moradores de Santa Helena – Veja Vídeo
MONSTRUOSIDADE
Vizinho é preso suspeito de estuprar e estrangular menina de 8 anos
CASA PRÓPRIA
Recurso de R$ 1 bilhão é destinado ao Minha Casa, Minha Vida
VIDA SAUDÁVEL
Homem mais velho do Brasil falece no Rio de Janeiro
BASTA DE IMPRUDÊNCIA
Enlutada pelas mortes, população deixa faixa contra imprudência na PR-082
VIOLENCIA
Motorista atropela manifestantes do MST e mata um idoso