SUCURI_MEGA
FatimaNews - Notícias de Fátima do Sul e região
Fátima do Sul, 14 de Dezembro de 2017
RIO_DOURADOS
DELPHOS_FULL
22 de Julho de 2004 07h34

Professores querem discutir código de ética

A discussão de um código de ética para os professores é um dos debates que promete aquecer as discussões do 4º Congresso Mundial da Internacional da Educação, que começa hoje em Porto Alegre (RS). Apesar de não serem profissionais liberais, os professores pretendem lançar as bases de um documento que deverá servir de orientação aos profissionais de todo mundo. "É um código que vai mostrar como deverá ser o profissional ideal na área de educação", revela a presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Juçara Vieira.

A entidade brasileira é anfitriã do evento e a expectativa é de que os participantes saiam com resoluções que envolvem o papel dos professores na sociedade, as soluções para o financiamento da educação nos países pobres e em desenvolvimento, e a adesão dos educadores a campanhas mundiais como a de combate ao trabalho infantil.

"Achamos que a educação tem uma função de assegurar a cidadania, mas também pode e deve definir um projeto de desenvolvimento harmônico com inclusão social", ressalta Juçara Vieira. A Internacional da Educação reúne atualmente 29 milhões de professores.

Segundo a presidente da CNTE, a intenção de formular diretrizes para um código de ética dos professores será um desafio. Pesquisa recente da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) revelou que quase 60% dos professores ouvidos declararam ser inadmissível que uma pessoa tenha experiências homossexuais e 21% disseram não desejar ter homossexuais como vizinhos. "Professores devem ter uma postura mais democrática. Não se pode discriminar alguém em função da sua opção sexual", destaca.

A paixão dos alunos pelas professoras também está com seus dias contados. De acordo com Juçara Vieira, o código poderá arbitrar situações polêmicas como o caso de uma professora americana que se envolveu com o aluno de 13 anos e chegou a ficar grávida do menor. "Seria uma forma de o professor ter uma posição de respeito de não criar constrangimentos em relação ao aluno dentro da sala de aula", explica.

A educadora ressalta ainda que o código de ética servirá como instrumento de proteção e não de punição. Mas admite que entre as propostas está a de que os professores infratores percam pontos para as classificações nos planos de carreira, diminuindo chances de promoção e melhores salários: "Não tem caráter punitivo, mas podemos incorporar a possibilidade de controle das carreiras".

1ª vez na América Latina
Pela primeira vez, o 4º Congresso Mundial da Internacional da Educação será realizado na América Latina. O sindicato, considerado o maior do mundo, pretende discutir durante o encontro "as políticas que perpassam a educação no planeta, e que acabam desembocando na qualidade de vida das populações, respeitadas todas as diferenças entre os países desenvolvidos e em desenvolvimento", segundo a presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Juçara Vieira.

Também estarão em discussão, de acordo com Juçara Vieira, problemas e soluções específicos do continente latino-americano, como o direito à representação sindical dos professores. Ela revelou que muitos educadores na Colômbia estão sendo perseguidos por cobrarem seus direitos.

O sindicato trouxe ao Brasil uma professora refugiada, que agora está sob a proteção da Internacional da Educação. "Na Colômbia temos muitos casos de assassinatos de professores, porque são aqueles que tem a condição de realizar o debate com a sociedade", explicou.

Juçara Vieira informou que a descentralização do ensino básico será outro tema de debates. A exemplo do que ocorreu no Brasil depois da implantação da Lei de Diretrizes e Bases (LDB), em 1996, o ensino fundamental passou a ser responsabilidade dos municípios. A mesma coisa também aconteceu no Chile e na Argentina.

E haverá ainda a discussão sobre a valorização da carreira de professor, em especial na América Latina. "Temos os piores salários em relação aos países mais desenvolvidos", acrescentou a dirigente.

 

Terra Reddação

Comentários
Veja Também
MBO_SEGURANÇA_300
pupa
LIMIT ACADEMIA_BOTTON
Últimas Notícias
  
pupa
Eventos
dothCom © Copyright FatimaNews - Todos os Direitos Reservados.