Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 19 de janeiro de 2020
SADER_FULL
Busca
BANNER BET
Brasil

Professora apresenta projeto em Porto Alegre

5 Ago 2004 - 14h48
O projeto de educação indígena desenvolvido em Amambai, baseado na especificidade da cultura Guarani-Kaiowá, foi um dos painéis apresentados no Fórum Mundial de Educação, realizado em Porto Alegre de 28 a 31 de julho.
A apresentação do painel foi feita pela professora Nídia Eliane Pereira dos Santos Peixer, graduada em Letras, com pós-graduação em Interdisciplinaridade em Educação, atuando na Escola Municipal Pólo Indígena Mbo´eroy Guarani/Kaiowá, pertencente às redes municipal e estadual de ensino. Na oportunidade, a professora apresentou a escola, o projeto e os trabalhos dos alunos.
Na escola, que tem salas de aulas nas aldeias Amambai e Jaguari, localizadas no município de Amambai, estudam cerca de 1.100 alunos Guarani-Kaiowá matriculados na educação infantil, ensino fundamental e ensino médio intercultural estadual. O ensino bilíngüe é realizado por 27 professores índios e nove não-índios.
Para a professora Nídia, a oportunidade de apresentar o projeto para um público internacional foi única. “Apresentamos o trabalho da escola enquanto educação diferenciada e específica dos indígenas e os avanços que teve deixando de ser uma escola nos padrões tradicionais para uma escola diferenciada”, disse. A educadora avalia que a troca de experiências foi grande. “Pude conhecer a realidade dos outros grupos indígenas. A divulgação desse projeto trabalha inclusive a auto-estima dos professores”, explicou Nídia. Ela tem esperança de que alguma ONG que tenha participado do Fórum Mundial da Educação tenha se interessado pelo projeto.
O Fórum Mundial de Educação, que reuniu mais de 22 mil pessoas de 45 países, teve como tema central “A educação para um outro mundo possível - construindo uma plataforma de luta”.
Em 1989, quando o projeto começou, tinha aproximadamente cem alunos. Com a implantação da escola diferenciada e específica em 1990, os Guarani-Kaiowá vivem um processo de recuperação de sua auto-estima, dignidade e cidadania. Através da transformação das escolas, que antes eram extensões das escolas dos não-índios, as comunidades indígenas das aldeias Amambai e Jaguari recuperam seus valores e costumes.
A educação infantil e o ensino fundamental têm a parceria da Secretaria Municipal de Educação e o ensino médio, oferecido a partir deste ano, tem a supervisão da Secretaria de Educação do Estado. A escola é totalmente gerenciada pelos próprios índios. As atividades pedagógicas contemplam, além dos conhecimentos dos não-índios, os aspectos relacionados à vida e à tradição da comunidade indígena. Para trabalhar esses conteúdos, a escola conta não só com professores, mas também com pais de alunos, líderes indígenas e cacique. “Essa atuação dos membros da comunidade é uma demonstração de que a escola Guarani-Kaiowá tornou-se parte fundamental da vida dentro das aldeias Amambai e Jaguari”, finalizou Nídia Peixer.
Para viabilizar a formação e habilitação dos educadores, os professores indígenas participaram do Projeto Ará Verá – projeto de formação - e Curso Normal em Nível Médio de Guarani/Kaiowá e Ofaié.
 
 
Diário MS 

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVA ANDRADINA - TURISMO
Ciclistas de Nova Andradina pedalam mais de 750 km para chegar ao litoral catarinense
FÉRIAS DOS FAMOSOS
De biquíni, filha de Glória Pires ostenta corpão em férias
CAMPO BELO RESORT - PACOTE ESQUENTA
Esquenta de Carnaval é no Campo Belo Resort, confira o pacote e faça sua reserva
CANCELAMENTO DE BOLSA FAMILIA EM 2019
Governo federal cancelou 1,3 milhão de benefícios do Bolsa Família em 2019 por irregularidades
CELULAR
Brasil é o 3º país em que pessoas passam mais tempo em aplicativos
A CASA CAIU
Mulher acha que marido morreu, busca detetive e descobre traição: 'Agora é ex'
LUTO - IASD
Morre primeiro líder máster de desbravadores investido no Brasil
OVNI OU SATÉLITE?
Objetos não identificados no céu chamam a atenção de moradores
SANGUE FRIO
Homem mata desafeto e continua vendendo picolé nas ruas da cidade
PERIGO DA NARGUILÉ
Jovem contrai doença após fumar narguilé e alerta: 'Abandonem essa porcaria'