Menu
LIMIT ACADEMIA
sábado, 23 de fevereiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Professor, psicólogo, acusado de estupro é condenado a 20 anos

13 Jul 2010 - 16h30Por Mídia Max

O professor, psicólogo, acusado de estuprar duas mulheres no ano passado em Dourados, em um período de surto de crimes sexuais na cidade, foi condenado a 20 anos e dois meses de prisão. Acusado e preso desde novembro de 2009, Marcos Antonio Mauriense de Sá, 45, também era ex-agente penitenciário. Já tinha sido condenado por quatro outros estupros em Corumbá e estava em regime semiaberto.

A condenação foi proferida ontem pela juíza da 1ª Vara Criminal Dileta Terezinha.

Ele foi preso no dia 25 de novembro de 2009 e aguardava julgamento em uma das celas reservadas para os jacks [estupradores] do Presídio Harry Amorim Costa, naquela cidade.

Provas do crime

Segundo o promotor João Linhares Júnior [4ª promotoria], o testemunho das duas vítimas de violência sexual somado ao laudo do médico legista foram fundamentais para que houvesse a condenação. “Elas o reconheceram. Todas foram atacadas brutalmente e os laudos comprovaram. Ele [acusado] constrangeu e estuprou as vítimas que chegavam em casa sozinhas e eram surpreendidas”, relata o promotor, responsável pela acusação.

À Justiça, o acusado nega a prática de estupro.

Uma das vítimas também teve objetos da residência roubados após sofrer violência sexual, o que pesou também na condenação.

Ataques

A primeira vítima foi atacada no dia 13 de julho do ano passado. Recepcionista, com 34 anos, chegou à sua residência como de costume. Mas, ela não sabia que alguém já a vigiava.

Depois de passar por toda forma de humilhação, a vítima teve seu aparelho celular e palmtop roubados.

A outra, que levou o caso à polícia, era uma jovem casada, de 24 anos. Dezoito dias depois [31 de julho] de atacar a primeira mulher, a jovem que também foi observada durante alguns dias, acabou vítima de estupro.

“Tudo isso aconteceu em um período em que várias mulheres foram atacadas. Havia na cidade pânico e sentimento de terror. Elas chegavam em casa e o suspeito estava escondido dentro das residências, onde eram atacadas brutalmente”, diz o promotor.

Não foi possível saber se há mais vítimas de violência sexual em Dourados, ainda de acordo com Linhares Júnior.

Na casa de Sá foram encontrados remédios para o tratamento contra a disfunção erétil. Ele não era casado e os aspectos psicológicos dele não teriam sido apresentados pela defesa. Embora haja evidências, ele não confessou o crime.

Diante da morosidade da Justiça, o promotor disse ao Midiamax que houve sucesso no caso, pois os crimes aconteceram em julho de 2009, em novembro foi feita a prisão, no mês seguinte apresentada a denúncia e ontem, 12 de julho, ou seja, quase um ano depois veio a sentença. A decisão de Dileta Terezinha veio em um momento em que os crimes contra as mulheres como o da morte da arquiteta Eliane Nogueira e da modelo Eliza Samúdio têm chamado a atenção da Justiça brasileira.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PEDOFILIA
Babá de 15 anos recebia dinheiro para ter relações com patrão
PREOCUPANTE
Mineradora declara situação de emergência em barragem de Araxá
INTOLERANCIA RELIGIOSA
Delegado solicita ida à casa do 'BBB 19' para interrogar Paula, investigada por intolerância
RESUMO DAS NOVELAS
Mercedes convoca Murilo para uma conversa
CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico