Menu
SADER_FULL
sábado, 19 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Previdência tem mais contribuintes, diz IBGE

29 Set 2004 - 10h31
Cerca de 44,6% da população brasileira em idade ativa – com 10 anos ou mais de idade - estavam desocupados em 2003, revela a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad 2003), divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Entre os homens, a taxa de ocupação era de 67,2%, mas entre as mulheres esse índice caía para 44,5%. Entre os idosos com mais de 60 anos, apenas um em cada três encontrava-se ocupado em 2003. Entre as crianças de 10 a 14 anos, 10,4% trabalhavam e após os 15 anos, 30,3% dos adolescentes encontravam-se ocupados.

A atividade agrícola foi a que mais desempregou. Em 1992, 28,4% da população ocupada trabalhavam em atividades agrícolas; em 2003, esse percentual caiu para 20,7% da população. A industria de transformação desempregou menos pessoas – em 1993, 14,4% da população estavam ocupados nesse ramo de atividade e, em 2003, 13,6%. A construção civil permaneceu inalterada – empregava 6,4% da população ocupada em 1992 e 6,5% em 2003. O setor de comércio e serviços acabou absorvendo a maior parte dessa população, passando de 49,4% em 1992 para 58,2% das pessoas ocupadas em 2003.

Previdência Social

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad 2003) mostra que menos da metade dos trabalhadores contribui para a Previdência Social, sendo que no setor agrícola esse percentual é de apenas 10,9%.

Mesmo assim, de acordo com a pesquisa, houve um aumento de 4% no número de contribuintes para a previdência de 2002 para 2003. Esse foi o maior aumento desde 1993. Em 2003, 46,4% da população ocupada contribuiram para a previdência.

A coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE, Ângela Jorge, disse que o ideal seria que todos que estivessem trabalhando contribuíssem para a Previdência. “Se todos os trabalhadores contribuíssem, a massa da arrecadação previdenciária seria mais alta. Principalmente porque existem alguns programas sociais de renda mínima que abrangem toda a população”, ressaltou.
Os segmentos que mais contribuíram foram os da administração pública (84,6%) e da educação, saúde e serviços sociais (82,6%). Além do setor agrícola, as áreas com menor contribuição previdenciária foram a da construção (28%) e dos serviços domésticos (29,3%).
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos
LUTO NA MÚSICA
Cantor sertanejo Marciano morre aos 67 anos, vítima de enfarto
CARNAVAL É NO CAMPO BELO RESORT
Carnaval é no Campo Belo Resort, reserve já seu lugar nesse bloco - Confira os pacotes
MS EM ALERTA
Meteorologia alerta para a possibilidade de chuva forte no fim de semana no MS