Menu
LIMIT ACADEMIA
terça, 16 de julho de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Previdência tem mais contribuintes, diz IBGE

29 Set 2004 - 10h31
Cerca de 44,6% da população brasileira em idade ativa – com 10 anos ou mais de idade - estavam desocupados em 2003, revela a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad 2003), divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Entre os homens, a taxa de ocupação era de 67,2%, mas entre as mulheres esse índice caía para 44,5%. Entre os idosos com mais de 60 anos, apenas um em cada três encontrava-se ocupado em 2003. Entre as crianças de 10 a 14 anos, 10,4% trabalhavam e após os 15 anos, 30,3% dos adolescentes encontravam-se ocupados.

A atividade agrícola foi a que mais desempregou. Em 1992, 28,4% da população ocupada trabalhavam em atividades agrícolas; em 2003, esse percentual caiu para 20,7% da população. A industria de transformação desempregou menos pessoas – em 1993, 14,4% da população estavam ocupados nesse ramo de atividade e, em 2003, 13,6%. A construção civil permaneceu inalterada – empregava 6,4% da população ocupada em 1992 e 6,5% em 2003. O setor de comércio e serviços acabou absorvendo a maior parte dessa população, passando de 49,4% em 1992 para 58,2% das pessoas ocupadas em 2003.

Previdência Social

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad 2003) mostra que menos da metade dos trabalhadores contribui para a Previdência Social, sendo que no setor agrícola esse percentual é de apenas 10,9%.

Mesmo assim, de acordo com a pesquisa, houve um aumento de 4% no número de contribuintes para a previdência de 2002 para 2003. Esse foi o maior aumento desde 1993. Em 2003, 46,4% da população ocupada contribuiram para a previdência.

A coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE, Ângela Jorge, disse que o ideal seria que todos que estivessem trabalhando contribuíssem para a Previdência. “Se todos os trabalhadores contribuíssem, a massa da arrecadação previdenciária seria mais alta. Principalmente porque existem alguns programas sociais de renda mínima que abrangem toda a população”, ressaltou.
Os segmentos que mais contribuíram foram os da administração pública (84,6%) e da educação, saúde e serviços sociais (82,6%). Além do setor agrícola, as áreas com menor contribuição previdenciária foram a da construção (28%) e dos serviços domésticos (29,3%).
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

BARBÁRIE
Moça de 22 anos é agredida até a morte após se negar a fazer sexo
COMOÇÃO
Jovem Lenara, filha de vice prefeito morre vitima de câncer
100 REMEDIOS
Ministério da Saúde suspende fabricação de 19 remédios;veja aqui a lista dos medicamentos cortados
ABANDONADA NO ALTAR
Morre jovem que casou sozinha após ser abandonada no altar
TRAGEDIA NA RODOVIA
Morte trágica de três pessoas na PR-082, comove população
BRIGA DE FAMILIA
Pai desfere 15 golpes de facão em filho adolescente
VIOLENCIA DOMESTICA
Pai é morto a marteladas pelo filho um dia antes de aniversário
NÃO QUER QUE ELE USE
Mãe apaga narguilé do filho adolescente e leva chinelada
NOVELA GLOBAL
Régis confessa que está apaixonado de verdade por Maria da Paz em 'A dona do pedaço'
VAQUINHA VIRTUAL
Com dinheiro de vaquinha, morador de rua que ajudou idosa durante temporal no Rio compra casa