Menu
SADER_FULL
segunda, 27 de janeiro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
BANNER BET
Brasil

Presídios do Estado ainda sofrem com a superlotação

24 Jul 2004 - 08h31

A superlotação continua sendo o principal problema que assola o sistema penitenciário de Mato Grosso do Sul. Ao todo são oferecidas 2.666 vagas pelos 25 presídios sul-mato-grossenses, que abrigam hoje a 5.920 detentos, mais que o dobro recomendável. O problema deve ser amenizado com a criação de mil novas vagas até o fim do ano, quando devem ser concluídas as obras de três novos presídios em Naviraí, Três Lagoas e Dois Irmãos do Buriti, segundo informações do diretor da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário), Luiz Carlos Telles Júnior.

Outra alternativa apontada por Telles para o problema da superlotação é o aumento no número de detentos trabalhando. “Quando assumi em 7 de maio encontrei 38% dos detentos fazendo algum tipo de atividade, hoje este número já chega a 60% em alguns presídios”, assegura, explicando que o trabalho é uma opção efetiva à superlotação, já que acalma, tira o ócio e a ansiedade dos detentos. “Preso que trabalha não se rebela e acaba se reintegrando mais facilmente à sociedade”.

Para o diretor de assistência penitenciária, Rafael Garcia Ribeiro, o problema é que os investimentos em infra-estrutura para o sistema penitenciário ficaram parados por muito tempo. “A normalização para os problemas emergenciais como a superlotação é uma questão de tempo, afinal assumimos há 70 dias”. Ribeiro viajou pelos presídios do Estado junto com uma comissão da diretoria de assistência penitenciária da Agepen, para traçar o diagnóstico da situação carcerária do Estado.

Na primeira semana de junho foram vistoriados os estabelecimentos penais de Jateí, Dourados e Ponta Porã. Em julho as vistorias foram em Três Lagoas, Paranaíba e Cassilândia. Apesar da superlotação, o diretor avalia de forma positiva a situação dos presídios. “Todos possuem enfermarias com atendimento médico-odontológico, estão sendo informatizados e oferecem educação aos presos”.

A carência está na falta de assistente social e psicólogo em alguns municípios como Jateí, Paranaíba, Cassilândia. Outro problema grave apontado é a falta de procuradores jurídicos e agentes penitenciários trabalhado no sistema, que possui hoje oito presídios na Capital e 17 no interior, distribuídos nos em Aquidauana, Corumbá, Dourados, Jateí, Ponta Porã, Três Lagoas, Paranaíba e Cassilândia. No interior, os presídios que apresentaram o maior número de deficiências em relação à estrutura foram os estabelecimentos penais masculino e feminino de Três Lagoas. As últimas vistorias da comissão devem acontecer na primeira semana de agosto, nos estabelecimentos penais de Corumbá e Aquidauana.

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA EM BH 38 MORTES
MG tem 47 cidades em emergência por causa da chuva; 38 morreram
TRAGÉDIA EM BH
Chuva forte provoca 30 mortes, transtornos e alagamentos na Grande BH
ATENTADO
Casa de deputado é atacada com pelo menos 30 tiros de fuzil
SUPERAÇÃO
Ser diagnosticado 5 vezes com câncer em 15 anos não foi capaz de parar campeão paralímpico
SUSTO
Palco de Gusttavo Lima pega fogo durante show em Pernambuco
É MUITO PLÁSTICO
Brasil produz mais de 11 milhões de toneladas de lixo plástico
CASOS RAROS
Duas crianças morrem em uma semana, após sofrer AVC, preocupa classe médica
REALITY SHOW 2020
Participante do BBB20, médica sugeriu que mataria Dilma “em seu plantão”
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Três crianças morrem e uma mulher fica ferida durante incêndio em casarão
ESPORTE 2020
Opção de 'Cashout' atrai apostadores iniciantes