Menu
SADER_FULL
quinta, 21 de junho de 2018
PASSARELA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Presa quadrilha de traficantes que movimentava R$ 2 milhões

27 Mar 2007 - 06h00

Os integrantes da quadrilha de tráfico internacional de drogas presos na Operação Curitiba, da Polícia Federal (PF), movimentavam cerca de R$ 2 milhões por mês, com um volume de mais de 100 quilos mensais de cocaína.

 

Segundo o superintendente da PF no Rio Grande do Sul, José Francisco Mallman, a droga que entrava no Brasil por Foz do Iguaçu (PR) vinha da Bolívia, passando pelo Paraguai. A mistura era feita em São José (SC) e o produto final era distribuído no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e em São Paulo.

 

A operação começou no final de 2006, em Mato Grosso do Sul, e terminou hoje, dia 26, no Rio Grande do Sul, com a prisão de 21 pessoas, dentre elas, quatro paraguaios fornecedores da droga.

 

“Os criminosos serão indiciados por tráfico internacional de drogas, formação de quadrilha e associação para o crime. Estarão sujeitos a penas que variam de  35 a 55 anos de prisão”, disse Mallmann, acrescentando que as detenções foram feitas nas cidades gaúchas de Gravataí, Lajeado, Charqueadas, Alvorada e Porto Alegre

 

A PF também apreendeu 34 quilos de cocaína pura e 35 quilos de produtos usados para o refino da droga. Segundo Malmann, ao serem misturados à cocaína pura, esses produtos poderiam ser transformados em 350 quilos da droga para a redistribuição.

 

Foram apreendidos, ainda, automóveis de luxo e interditados dois imóveis que, de acordo com o superintendente, eram de propriedade dos chefes da quadrilha. Um apartamento em Porto Alegre e uma casa em Capão da Canoa, no litoral Norte do Rio Grande do Sul, ambos avaliados em R$ 300 mil.

 

Outros mandados de prisão ainda estão sendo cumpridos durante e nos próximos dias poderão ocorrer novas prisões, inclusive em outros estados. A quadrilha tinha ligações com o grupo de Fernandinho Beira- Mar.

- Eles eram ligados ao Fernandinho Beira-Mar e ao Erinei Domingo Soligo, o Pingo, que estão presos. Desarticulamos a espinha dorsal do grupo. Era a maior quadrilha de traficantes atuando atualmente no sul do país. Desde 2001, quando começaram a agir, já movimentaram mais de 5 toneladas de cocaína - informou Mallmann.

O grupo, segundo ele, movimentava mensalmente cerca de dois milhões de reais, tra zendo do Paraguai cerca de 200 quilos de cocaína todo o mês, que eram distribuídos principalmente na Grande Porto Alegre e enviados também para Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro e Pará. Parte da droga também era remetida para a Argentina, Uruguai e Europa, através de conexões na Espanha.

De acordo com o superintendente da PF, a quadrilha era chefiada pelo traficante José Paulo Vieira de Mello, o Paulo Seco, que comandava o grupo de sua casa em Ciudad del Este, no Paraguai. Este não foi preso e está foragido no Paraguai mas, segundo Mallmann, está sendo procurado pela polícia local e pela Interpol. As sim que for detido deverá ser deportado para o Brasil. Enviada do Paraguai, a droga chegava ao Rio Grande do Sul através de fazendas em São Borja, na fronteira com a Argentina.

 

 

 

 

Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

RELIGIÃO
Padre é flagrado dando tapa em criança durante batismo
APOCALIPSE
André (Sidney Sampaio) é assassinado por Ricardo (Sérgio Marone)
DEMORA
Diesel cai R$ 0,62 em distribuidoras e apenas R$ 0,32 nos postos de MS
Brasil
Terceiro homem que assediou russa na Copa diz que “estão transformando um copo d’água em uma tempestade”
‘Alta Pressão’
Exército deflagra Operação para fiscalizar armamento e reduzir desvios para o comércio ilegal
COLÉGIO DELPHOS - BOLSAS DE ESTUDOS
Colégio Delphos Nota 10 oferece provas para bolsas de estudos neste sábado em Dourados
UNIPAR - EAD - DOURADOS
Unipar EAD com pós-graduação e 25 cursos a distância com mensalidade acessíveis agora em Dourados
PENSÃO ALIMENTÍCIA
Genro de Silvio Santos é procurado por Policia Federal após mandado de prisão
APOCALIPSE
Arthur (Junno Andrade) fala na TV do ataque ao navio de fugitivos e das consequências da erupção de
POLÊMICA
Projeto quer liberar venda direta de etanol das usinas aos postos